quinta-feira, 1 de março de 2012

Quero uma avó!



Ando precisando de uma avó.

Daquela de novela, que te escuta sem julgar, te põe no colo, te diz para ir em frente e com um sorriso doce e uma certeza sábia nos olhos, diz que vai ficar tudo bem. E depois, com as lágrimas devidamente secas, iríamos para a cozinha degustar um cuque ou um prato de rosquinhas de vinagre, regado a café fresco, rindo e lembrando das travessuras da infância.

Imagem by Freepik

21 comentários:

  1. Bem vinda ao time dos sem avós.
    A minha avó materna eu nem cheguei a conhecer, faleceu cedo, a outra avó materna (sim, eu tenho duas mães, não me venha com o termo madrasta, ahah) ainda não tive a oportunidade de conhecer, mas já conheço a fama e não se assemelha nem um pouco com seu texto e minha avó paterna faleceu há uns dois anos e não tivemos também esta conexão aí descrita em seu texto.
    Acredito que tenhamos que conviver com isto Bia. rs.

    ResponderExcluir
  2. Bia, houve o destino de levar o meu avô, porém a presença dele é uma constância na minha vida, ele vive nas minhas lembranças. Bjos.

    ResponderExcluir
  3. Eu não tive avós e nem meus filhos. Mas sou uma avó bem presente e ativa...beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Das duas, infelizmente jà sinto aquela saudade .
    E uma delas era exactamente aquela aqui referida .

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Eu tb quero essa avó, ou melhor, quero voltar pros tempos de infância...
    Bjos!
    amonailart.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Bia, quero uma tambem como doce personagem de novela.... eu tive oportunidade de conhecer a minha materna, mas por pouco tempo. Os avós que tive foram todos "de coração".

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Eita Bia, vc me deixou sem ação.Um ano sem minha vozinha querida,meu Deus quanta falta ela me faz..
    beijo linda
    um ótimo fds

    ResponderExcluir
  8. Oi Bia,
    Há quem diga que os avós, são um segundo pai e uma segunda mãe, porém um pouco mais adocicados. Eis a resposta porque gostamos tanto deles.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Lágrimas nos olhos,
    vale como comentário?


    Acho que sim.

    ResponderExcluir
  10. Querida Bia, esse é um texto lindo e de grande significado, viu! Um beijo no seu lindo coração.

    ResponderExcluir
  11. Minhas avós não eram de muita conversa, labutavam muito e pouco sobrava de tempo para paparicar os netos. E como tinham muitos filhos(as duas tinhas 11 filhos cada) e então os netos eram de montão também. Já meu avô paterno era encantador, brincava com a gente desde brincadeira de roda, pique e esconder, contava histórias e inventava coisas(que muitas vezes nao dava certo) como se fosse criança. Morreu criança assim!
    Os avós sempre fazem falta, pois as histórias que eles contavam eram muito interessante.
    Beijokas doces!

    ResponderExcluir
  12. Bia

    Como lamento nunca ter conhecido as minhas avós! Foi o amor que nunca experimentei na vida! Uma página em branco que nunca preenchi! Que tal fazer as rosquinhas de vinagre, mais o café, colocar a chávena dela junto à sua e falar como se ela estivesse presente? Quem sabe o carinho da lembrança preenche a falta do momento! Beijinho

    ResponderExcluir
  13. Os avós são nossos segundo pais! *-*"
    Lindo texto, Bia! Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Oi Bia...
    Eu também queria minha avó...Me lembro que a minha contava histórinhas sobre o Japão...nem imaginaria que agora eu estaria aqui...Ainda não sou avó...mas meu marido diz que sou mais uma avo da minha gatinha do que mãe...pois mimo demais.rss...Adorei o Post!Fez relembrar meus tempos de infancia...
    Ótima Semana!
    Beijos!
    San...

    ResponderExcluir
  15. Eu tenho as duas vivas, e agradeço a Deus por isto, são exemplos de dignidade, respeito, e claro aproveito até delas..rsrs, amo essas mulheres

    ResponderExcluir
  16. Oi Bia, adorei seu blogue...tudo aqui é bom de ler (especialmente o cantinho que dedicou à Clarice). Sou um pouco tímida para deixar comentários, mas este post aqui, em especial, me deixou emocionada porque a minha avó era como a que descreveu e a saudade bateu muito forte...Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  17. É bia também ando precisando muito desse tipo de pessoa. Tenho sofrido um bocado em meus relacionamentos, e vejo como faz falta um pouco de compreensão a carinho...

    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. É bia também ando precisando muito desse tipo de pessoa. Tenho sofrido um bocado em meus relacionamentos, e vejo como faz falta um pouco de compreensão a carinho...

    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Bia, querida.
    Sou do time dos bem-aventurados que puderam curtir as suas avós. Mais a materna, que viveu muito mais do que a paterna.
    Mesmo assim, até meus 8 anos pude curtir e observar muito bem minha avó paterna. Foi com ela que aprendi a lidar com a morte com tanta tranquilidade, já que foi à ela que perguntei o que era morrer e ela me explicou de uma forma doce, assim como foi a sua morte. Ela simplesmente dormiu, com um sorriso nos lábios, depois de arrumar a cozinha, depois do almoço.
    Como as (os) avós influenciam a gente!!!!!!

    Beijos.

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.