domingo, 15 de abril de 2012

Sobre costuras e a vida


Numa quinta-feira à noite, eu estava ajeitando alguns bons metros de tecido de cetim branco sobre a cama (por ser a maior superfície da casa) quando comecei a pensar sobre costuras, e sobre a vida.
Sempre gostei muito de costurar e fazia roupinhas para bonecas à mão. Até que fiz uma blusa simples, toda costurada também à mão, e uma tia viu minha arte. Então, no aniversário de treze anos, ela me deu de presente uma máquina de costura, minha companheira já há quase 24 anos. Ela já se foi, a máquina permanece.

Como autodidata, estraguei alguns cortes de tecido, mas também acertei muitos. Um dia, por volta dos 17 anos, desci e fui mostrar para os meus pais uma blusa que fiz, mas a pressa em acabá-la me fez deixar de passar um zigzag de arremate nas bordas da manga, que estava meio desfiada, apesar da costura reta de acabamento. Meu pai, olhou, elogiou, mas fez uma ressalva: "filha, a blusa está muito bonita, mas você tem que fazer o chuleado, senão perde um pouco da beleza".  Fiquei chateada na hora com a crítica, mas depois entendi quão importante era a lição do meu pai.

O tecido sobre a cama era de um vestido de noiva. É o quinto que faço, e confesso estar se tornando uma paixão. Costuro qualquer roupa feminina, mas os vestidos de noiva tem um significado especial. Tive a oportunidade de usar um, mas não tenho boas recordações (s. Foi um sonho que ficou pendente. Talvez por isso seja tão prazeroso fazê-los. É para um público que sonha com esse momento (homens, vocês não entenderão!), então as noivas vem com um brilho nos olhos, uma ansiedade e uma alegria quase infantis, do sonho de ser princesa por um dia. E eu, de alguma forma, faço parte desse sonho, e sei o tamanho da responsabilidade, pois a última coisa que uma noiva quer é estar em um vestido que não lhe agrade. Um dos meus sonhos é poder atender só esse tipo de costura.

Voltemos ao tecido: perdi um bom tempo para ajeitá-lo à contento, as bordas (chamadas ourelas) tem que estar perfeitamente alinhadas para que o fio do tecido esteja correto. Só então o molde é posicionado, as medidas conferidas e a tesoura de bom corte entra em ação, cuidadosamente.
Então fiquei pensando que a vida é muito parecida com essa arte. Muitas pessoas pensam que o segredo da costura está em saber costurar. Errado. O segredo é cuidar do fio do tecido e do corte. Uma peça bem cortada é uma peça de qualidade.

Quantas vezes deixamos de dedicar o cuidado (e o tempo) necessário para que o "fio da vida" esteja alinhado? Cortamos e costuramos as histórias de qualquer jeito, então elas ficam tortas, e não há mais conserto. A única solução é transformar nossa história em outra, revendo onde erramos, fazendo diferente, alinhando nossas ourelas com as de quem escolhemos para fazer parte da nossa vida. Sobre meu pai, depois do corte, é fundamental cuidar do acabamento. Ele é necessário para que a vida fique bonita, completa,  e se traduz no cuidado, no carinho e no capricho que dedicamos ao que fazemos.

Nessa linda peça que tecemos chamada vida, dediquemo-nos mais ao seu corte e ao seu acabamento, e a costura dos nossos sentimentos formará, naturalmente, um belo legado.

Imagem daqui

56 comentários:

  1. Que lindo, Bia. Minha avó também é costureira e eu sempre admirei muito esse trabalho. Também sempre pensei que o importante é saber costurar, deve ser por isso que em minha vida algumas coisas não saem alinhadas.
    Bjos!
    http://amonailart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Valquíria. O costurar é importante para unir as peças, mas não garante a qualidade da peça, assim como na vida. É importante que erremos na vida para aprender a cortar e unir corretamente. Um abraço!

      Excluir
  2. Boa tarde Bia!
    Passei para te desejar um lindo final de domingo cheio de luz, e deparei com essa bela postagem.
    Amei a comparação entre vida e costura. Fio, linha, corte, acabamento.... Nascer, crescer, amar respeitar, viver...
    Muitas vezes escrevemos tão espontaneamente que nem percebemos o tamanho do valor da escrita.Você tocou lá no fundo. Parabéns pela escolha.
    Beijos. Fica com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ivaldete. É interessante quando alguém se identifica tanto com os escritos a ponto de tocar fundo. Dá um orgulho imenso, embora a intenção seja, como disse, ser espontânea. Um abraço!

      Excluir
  3. Olá Bia.
    Eu não sabia que você costurava e acredito que, independente do que gostamos de fazer, devemos realmente nos dedicar ao máximo, dar o melhor que pudermos e nisto seu pai tinha razão, não ao repreendê-la, acredito que repreensão não seja a palavra correta, porém, ao alertá-la sobre isto.
    E este post agora, acaba por ser um alerta a todos nós e que nos fará refletir sobre de que modo estamos "costurando" nossas vidas, nossos projetos e metas.
    Gostei da comparação que fez.
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Christian. A costura é o meu segundo ofício, pela manhã sou professora de ensino fundamental. Concordo com o que disse, minha visão adolescente da época me fez pensar que meu pai me repreendeu, mas hoje, com a maturidade, também penso que foi um alerta muito bom por sinal, o capricho com a costura é um dos meus diferenciais. Ainda quero costurar muitos projetos de vida e tecer uma bela peça para recordação. Um abraço!

      Excluir
  4. Oi!!
    Vim retribuir a visita! Que lindo post!
    Bela comparação. Nunca tinha parado para pensar como essas duas artes são parecidas: viver e costurar.
    Bom domingo!

    Bejus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Naty, é que muitas pessoas não conhecem as peculiaridades da costura que, tal qual a vida, exige uma série de cuidados e precisão. Um abraço!

      Excluir
  5. Ola Bia,

    Mais uma vez uma imensidão de virtudes a nos entregar neste texto de vida real, aprendi a costurar na minha adolescência, mas nunca me dediquei a costura devido aos cuidados que temos que ter em desempenhar este emaranhado de linhas ao redor de um pano que aos poucos se transformam em vestes, as quais devem estar minuciosamente verificadas para não corrermos o risco de nos despirmos por um vacilo em um cantinho qualquer da costura.Em tudo há um lição como bem empregastes em seu texto, os detalhes é que fazem a diferença e no caso da costura o acabamento perfeito é que vai definir se você é uma boa costureira ou não.Realmente assim é a vida, que aos poucos escapam de nossas mão como um tecido que se passa ali naquele pesinho da máquina que o pressiona e a agulha segue seu curso, com seus traços firmando a costura .Penso que somos assim, pressionados as vezes, e em cada luta, em cada picada da agulha forma se um ponto, uma segurança, uma força, que nos prende no caminhos que estamos seguindo, não nos permitindo desistir, porque no final nos vestiremos de peças raras, bem acabadas e distintas que com cuidados persistimos em criar. O zelo e a paciência e o tempo é o segredo para que uma costura saia perfeita, Principalmente os vestidos de noiva rsrsrs, que são mais detalhados e luxuosos do que uma veste comum exige mais compromisso RS, concorda comigo? E só se veste uma vez, mas é uma veste que marca por toda uma vida.....
    Beijos...amei o texto..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cecília. Legal saber que costura, então compreende bem o que quero dizer. Gostei muito de complementar falando dos pesos da vida, que tal qual o pezinho da máquina, pressiona mas costura ao mesmo tempo....Que essa peça rara que tecemos possa nos vestir de sonhos e realizações. E as noivas são, realmente, um público sensível, é preciso se colocar na visão delas para entender exatamente o que imaginam e confeccionar uma peça perfeita. Um grande abraço, Cecília, é sempre bom quando vem por aqui!

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... Td nos traz lições de vida, e feliz daquele que se transporta a elas, como vc fez em relação a seu pai. A vida não vem com manual de instruções(seria bom não é, se viesse) é td um processo de auto conhecimento. cada um de Nós tem sua história, sua dor e alegria, faz parte da caminhada. O que é maravilhoso é ver esse texto, dito com sensibilidade o bastante pra despertar em nós a reflexão...SEMPRE! besos querida Bia!

      Excluir
  7. Bia, a analogia é perfeita. A vida é como uma colcha de fuxico, temos que dá um bom acabamentos nos retalhos emendados para que a colcha não tenha imperfeições. Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eder, comparou muito bem...E quanto mais estampados e coloridos são os fuxicos, mais bela será a colcha. Saber combinar e costurar bem firme faz toda a diferença. Um abraço!

      Excluir
  8. Delicia de texto, me lembra A carta do Tarot: O 8 de ouros, quando diz que devemos fazer um trabalho de artesão, em todos os setores da vida, com carinho, prestando atenção aos detalhes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Augusto. Uma observação peculiar, a sua, com cartas de Tarot. Eu me interessava por essa arte na adolescência, relacionou muito bem a carta com os artesanatos da vida. Visitei seu espaço, sem dúvida muito interessante. Volte sempre que quiser. Um abraço!

      Excluir
  9. Olá!Boa noite!
    Tudo bem?
    Belo texto!
    Gostei da analogia!E da sensibilidade do texto!
    Se em tudo que formos fazer na vida, tivéssemos a figura de um pai para nos alertar, muitos erros não seriam cometidos!
    Viver e costurar! Tudo a ver!
    Ah!Estes brilhos nos olhos da noiva...conheço e entendo sim, rsrs...se refletiam em mim!
    Boa semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis! Os pais sempre nos ensinam muitas coisas, às vezes não estamos atentos às lições e só aprendemos quando quebramos a cara. Quando somos novos levamos as críticas dos pais para o lado pessoal, e com o tempo nos damos conta de quanto fomos bobos! Eu agradeço a Deus por ter tido pai e mãe exigentes, porém sempre presentes. Fiquei curiosa, entende o brilho nos olhos da noiva? Já casou ou conheceu alguém muito próxima nessa situação? Um abraço!

      Excluir
  10. Que lindo esse oficio Bia, vc é responsável pela realização de sonhos, e isso é maravilhoso, parabéns! bjooos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kellen, disse tudo! Sou responsável pela realização de um sonho e dedico todo o meu carinho e boas energias na confecção das peças. Tem razão, é maravilhoso! Um abraço!

      Excluir
  11. Olá Bia,

    Um texto bem reflexivo e cheio de sentimentos, parabéns pelo seu dom, sinto-me até envergonhada, mas nao sei pregar nem sequer um botao rsrs, mas pelo menos sei cozinhar, ufa!

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, não se preocupe, você escreve muito bem, sabe cozinhar, cada um tem seus dons. O mais importante é ter a vontade de desenvolvê-los. Um abraço!

      Excluir
  12. Lindo texto, Bia...
    Minha mãe, também, costura, usei muitas roupas feitas por ela na infância. Sobre ser noiva, acredito que toda "princesa" sonha em encontrar seu "príncipe encantado", acho que é esse encanto que o casamento traz... no "grande dia", acredito que é assim que todas se sintam. E sobre o "fio da vida", é exatamente assim, o erro nos leva a transformação e, de repente, ao recomeço (amadurecimento).
    Abraços e bom começo de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbie, então sua mãe também costura? Eu fiz muitos vestidos para minha filha, aliás faço até hoje quando sobra tempo. O dia do casamento é especial, mesmo que depois alguma noiva descubra que o príncipe na verdade um sapo (hahaha). Mas quando faço os vestidos estou desejando que sejam felizes para sempre. Amadurecemos, sim, e com isso o fio da vida vai ficando mais alinhado e o corte, mais preciso. Um abraço!

      Excluir
  13. genial tua comparação da costura (uma arte) com a vida. fiquei me sentindo assim meio que rota ao pensar nos "acabamentos" da vida...
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jeanne, confesso que adorei o termo que usou, "meio que rota"...hahaha, Eu também às vezes me sinto assim. Então é hora de sentar, desmanchar cuidadosamente cada ponto do acabamento mal feito e refazê-lo, com mais esmero, dedicação e capricho. Na costura e na vida. Um abraço!

      Excluir
  14. Adorei teu texto Bia! Como bem falou a Jeanne, genial a comparação entre a costura e a vida! Parabéns pela profundidade do texto! Muito obrigada pelo teu carinho! Recebeu o cafezinho, rsrsrs? Ótimo incício de semana! Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elaine, adoro cafezinho, pode mandar quantos quiser que receberei com certeza. Um abraço!

      Excluir
  15. Bia bonito o contraponto utilizado para uma profunda reflexão e auto analise de cada um que aqui chegou, pois abordastes temas pontuais e atuais existenciais de cada ser uma humana, o bom seria que esse conhecimento que acumulamos ao longo dos nos os tivéssemos logo no inicio, para não serem precisos tantos recomeços e sim estarem sempre nos acabamentos e deixando assim tudo mais belo e bonito não é mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Charles, bom tê-lo por aqui, há quanto tempo! Sim, o ideal é que já viéssemos conscientes da necessidade de zelo pelo acabamento. Mas crianças ou adolescentes geralmente tem uma urgência que impede de terem a paciência necessária para os detalhes. Mas a vida é sábia, vai ensinando o ofício a cada dia um pouquinho. Quem não se recusa a aprender, tece uma linda história. Um abraço!

      Excluir
  16. Oi, Bia! Fiquei encantada com esse post!
    Muito embora eu não conheça a arte de costurar os tecidos, a minha avó a exercia divinamente e minha mãe também herdou esse dom...
    Gosto muito quando você faz reflexões sobre a vida e as associa a algum fato cotidiano ou objeto, como nuvens e chocolates...
    Cada vez gosto mais de você, menina! E esse texto me deixou com um sorriso enorme no rosto!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isa. A minha avó também costurava bem (porém pouco, por causa da coluna), mas minha mãe mal sabe pregar um botão! O dom vem conosco, basta querer desenvolver. Acho que sempre associo a vida a fatos e objetos do cotidiano porque meu cérebro está sempre em atividade. Embora alguém uma vez disse que eu "viajo", hahaha...Mas faz parte da minha personalidade. Que bom ter gostado, Um abraço!

      Excluir
  17. Lindo Bia,como sempre seus textos me emocionam.As costuras e arremates da vida são inesquecíveis.beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yasmine, você me parece o tipo de pessoa que vive intensamente seus sentimentos. Seu "tecido de vida" deve ser multicolorido e forte. Um abraço!

      Excluir
  18. Realmente os arremates que damos à vida e consequentemente às outras pessoas são imprescindíveis: o cuidaddo, o carinho, a atenção, a preocupação, o amor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilberto, você resumiu muito bem. Esses gestos de cuidado são os arremates da vida, o que fazem a diferença entre um ser humano e outro. Para tanto é preciso estar atento às costuras do outro. Um abraço!

      Excluir
  19. Respostas
    1. Obrigada Waldir, tenha uma ótima semana!

      Excluir
  20. Lindo e emocionante e tuas "costuras" emendadas em pensamentos, lindos! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! Emendando pensamentos, sentimentos e atitudes, as costuras tornam-se bem firmes e alinhadas. Um abraço!

      Excluir
  21. Olá!Boa tarde
    Vim desejar uma boa terça!
    beijos
    Obrigado pelo carinho da visita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, tenha você também uma terça ótima!

      Excluir
  22. Um texto ótimo, só sei pregar botão, rsrs
    Mas isso mesmo a vida hora são peças de alta costura, outras feita de chitão, o que importa é o prender sempre, posso dizer então que é mil e uma utilidades, escritora, blogueira, costureira, mãe, filha, e etc... afff cansei, rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Patrícia, saber pregar botão já é um ótimo começo! Aprendi que na vida, há beleza em peças de alta costura e em peças de chitão, depende do momento que estamos vivendo para poder enxergar. Ótima definição para mim, sou mesmo "mil e uma utilidades". Quase um "Pereirão", hahaha. Um abraço!

      Excluir
  23. Que bacana, a Bia com seus talentos ajudando a realizar sonhos!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alcara, ajudar a realizar sonhos traz uma sensação indescritível. Um abraço!

      Excluir
  24. Senti vontade de te oferecer o calor do sol e o brilho das estrelas.
    Mas pensando bem, prefiro agradecer tua amizade e dizer que você é meu presente,
    um ser iluminado que consegue trazer ao meu mundo grande carismae alegrias.
    Você realmente representa a palavra " AMIZADE " É belissimo ter vc comigo !
    Seu carinho e sua amizade me faz muito bem.
    Muitas bençãos e vitórias pra você nessa semana.
    Que Deus guie seu caminho hoje e sempre.
    Carinhosamente te desejo uma semana de paz e na luz.
    Beijos no coração.
    Evanir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Evanir, ler palavras sobre carinho e amizade sempre ajudam a tornar o dia mais interessante e belo. Obrigada pela generosidade dos seus escritos, um abraço!

      Excluir
  25. Olá Bia, bonita a analogia entre a arte da costura e a arte de viver!
    Ao ler, lembrei-me de O Apólogo, de Machado de Assis, em que a agulha e a linha disputam quem é o mais importante, enquanto o alfinete argumenta: "Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico."
    Meu carinho,
    Yolanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yolanda, maravilhosa a frase que citou, encaixa perfeitamente no texto escrito. Penso que cada artefato tem papel importante na costura (e na vida), saber usá-los adequadamente é a chave para a harmonia. Um abraço!

      Excluir
  26. Olá Srta, que blog lindo! Eu encontro na escrita a forma de deslumbrar os paralelos com a vida. Escrever é fazer o bom corte num tecido, entende? Amei aqui, se permitir estarei a seguindo, abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ives, gostei muito da sua visita e já visitei seu espaço, siga se gostar e se sentir à vontade. Um abraço!

      Excluir
  27. Bela analogia Bia! A vida construída ponto a ponto e com acabamento pra não ficar pendências. Você também me fez lembrar de uma música de Gilberto Gil, "A linha e o linho" onde ele descreve os enlaces de uma relação como se fosse uma costura. Parabéns pelo texto. Beijos.

    P.s. Obrigado pelas visitas que você tem feito em meus blogs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laércio, não conheço a música, vou pesquisar. De ponto em ponto tecemos a vida e se ela formará belos ou feios desenhos, são nossas escolhas que determinarão, e o cuidado que teremos com ela. Um abraço, adoro seus escritos!

      Excluir
  28. Olá querida Bia !!!

    Adoro estas comparações sensíveis que você faz de situações corriqueiras com a vida ! Descrevem de uma forma simples e bonita, reflexões importantíssimas para todos nós !
    também me arrisco na costura desde nova, mas não cheguei a fazer peças tão elaboradas como um vestido de noiva, fiquei pelas mais simples mesmo, só para meu uso :) Mas imagino a tarefa mágica que deve ser preparar uma peça que será inesquecível na vida de todas as suas clientes !
    Sem dúvidas, seu trabalho é cercado de uma aura de alegria e sonho, pois esta peça é algo muito significativo para as mulheres !
    E concordo contigo, às vezes, na pressa que cultivamos no dia a dia, queremos apenas executar algo, e atropelamos todos os pormenores... perdendo assim toda a beleza do processo e também como disse, contribuindo para algo que não tem o nosso melhor e que na maioria das vezes precisa ser refeito, ou então, é totalmente perdido....
    Lindo ! amei !

    Um super beijo e bom restinho de semana !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samanta, que curioso saber que você também se aventura pelo mundo das linhas e agulhas, entende bem a emoção de transformar um pedaço de quase nada em uma roupa com a cara da dona! Quem sabe um dia você se arrisca em fazer peças mais elaboradas? Quanto aos ensinamentos para a vida, penso que você sabe costurá-la muito bem, pelo menos me passa muito conhecimento através dos seus escritos. Um abraço, bom final de semana!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.