sexta-feira, 25 de maio de 2012

Na estrada

Imagem by Lu Arembepe - Flickr

Ela fechou o livro, guardou-o na mala, pegou sua garrafa de água fresca e virou um grande gole. Uma barrinha de cereal de castanha-do-pará para dar forças e era tudo. Precisava continuar.
Tirou as botas e examinou os pés. Sorriu. As botas em estilo alpinista a fizeram lembrar da filha, que achou a peça linda, mas por ser robusta e não, delicada, comentou: "eu não imaginei que gostaria de ganhar uma dessas"! As pessoas sempre se enganam com sua aparência frágil.
Voltando aos pés, estavam doloridos e inchados. A caminhada produziu bolhas, que ela tratou de limpar e proteger com esparadrapos. Feridas que foram abafadas, demorariam a cicatrizar. Sacudiu a poeira do corpo e recomeçou a caminhada.
No início na estrada, por algum tempo esperou uma carona, na garupa de uma moto, no assento de um carro ou num velho ônibus chic-chic, mas percebeu que não viria. Resolveu percorrer a pé a estrada que a separava de seu destino. Sabia que seria cansativo e dolorido, mas não havia escolha.
Às vezes o suor se misturava com as lágrimas e o gosto salgado banhava seus lábios.  Noutras o sorriso infantil por alguma bobagem encontrada no caminho aliviava as rugas que estavam se formando no topo do nariz, entre os olhos. Rugas de quem está concentrando força máxima para ir adiante.
Havia momentos em que pensava em desistir, ou pegar um atalho, ou esperar uma carona e utilizar seus dotes femininos para conquistá-la. Talvez fosse mais fácil, mas não conseguiria chegar aonde queria. Cedendo à essas tentações, ficaria novamente nas mãos da vontade alheia.
Olhando em frente, suspirou e seguiu, esquecendo as dores que trazia, o cansaço do corpo que pedia o frescor de um banho e repouso de uma cama e os suplícios do coração que estava precisando de afago, muito afago.
Continuou, apesar de tudo, porque trazia consigo uma certeza: é no final das trilhas mais acidentadas que se escondem as mais belas e preservadas paisagens.

Trecho do livro que ela estava lendo:
"O meu olhar alcança o longe. Contempla o território que me separa da concretização do meu desejo. O destino final que o olhar já reconhece como recompensa, aos pés se oferece como lonjura a ser vencida. Mas não há pressa que seja capaz de diminuir essa distância. Estamos sob a prevalência de uma imposição existencial, regra que ensina, que entre o ser real e o ser desejado, há o senhorio inevitável do tempo das esperas."
do livro Tempo de Esperas



44 comentários:

  1. Lindo conto!

    Realmente andar pelos caminhos mais fáceis, talvez não nos dê aquele saboroso gostinho de vitória!!!

    beijos,tudo de bom,ótimo fds!chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica. O gostinho da vitória é bom demais, não é? Um abraço!

      Excluir
  2. Bia

    Não poderia viver sem a literatura, sem a leitura de textos que de uma forma ou de outra me conduzissem a novos e desconhecidos caminhos, é aí que me reabasteço para conviver com a crueza da vida, saio dessa página reabastecido.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Antonio. Concordo contigo, a leitura faz com que a vida pareça um tanto mais leve. Alguns consideram isso uma fuga da realidade, eu considero somente uma escolha, a de escolher escritos que me fazem bem e me fazem refletir.Como os seus. Um abraço!

      Excluir
  3. Oi, Bia!
    Acho que estamos todos nessa mesma caminhada, não é mesmo?
    Com botas desconfortáveis e bolhas nos pés...Mas todos também sabemos que as paisagens no fim da estrada são lindas e compensarão todo o esforço da jornada!
    Coragem e paciência é tudo o que precisamos para chegar lá!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isa. É tão bom quando somos crianças, os pais nos carregam no colo e não sabemos o que são os tropeços da caminhada. Por outro lado, não podemos desbravar as beleza do final das trilhas. Definiu muito bem: é preciso coragem e paciência. Um abraço!

      Excluir
  4. Literalmente tenho desejo de ter as minhas botas e andar por esse mundo..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi patrícia, que Deus lhe dê botas fortes e confortáveis, e algum lugar para repousar de vez em quando à beira do caminho. Um abraço!

      Excluir
  5. Oi Bia,
    Simplesmente gostei de seu texto.
    Se fosse um livro e tivesse que dar um título, eu a chamaria de: A saga de uma Guerreira.
    Uma mulher forte, determinada, que apesar dos obstáculos da estrada, vai em busca das belas paisagens.

    E ainda tem tempo para ler um livro!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nestor. Sem dúvida o título seria ótimo, aprovado! ;) Já tive muito medo dessas caminhadas doloridas, mas a vida me ensinou que sempre se encontra as belas paisagens. Um abraço!

      Excluir
  6. Maravilhoso texto. há que saber esperar o momento da colheita. o tempo certo. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jeanne. Colheitas no tempo errado estragam os frutos, não é? Um abraço!

      Excluir
  7. Olá!Boa noite!
    Tudo bem?
    ... O medo de sofrer é pior do que o próprio sofrimento. Nenhum coração jamais sofreu quando foi em busca de seus sonhos. É preciso correr riscos, seguir certos caminhos e abandonar outros. Nenhuma pessoa é capaz de escolher sem medo. Tudo que é novo incomoda. A vida nos pega desprevenidos e nos obriga a caminhar para o desconhecido, mesmo quando não queremos... A cada momento de nossa existência temos que escolher entre um caminho e outro. Uma simples decisão pode afetar uma pessoa para o resto da vida. Com a força do amor, de nossa vontade, podemos mudar o nosso destino, e o destino de muita gente...
    (Paulo Coelho)
    Bom final de semana!
    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis. A citação do Paulo Coelho é perfeita. A escolha entre um caminho e outro influencia não só as nossas vidas, como também a vida do outro. Mas sob o meu ponto de vista, escolhemos os caminhos, mas estamos destinados a chegar em x lugar. Um abraço!

      Excluir
  8. Às vezes o caminho mais difícil é o melhor, tudo o que é fácil, não valorizamos... e chegar ao final de uma estrada cansativa e dolorida com sucesso, nos sentimos mais fortes. abraços e lindo final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida caminhadas difíceis são cansativas e doloridas, mas focar no destino dá novo ânimo. Um abraço!

      Excluir
  9. Bia querida! Que conto lindo! Tudo vale a pena se a alma não é pequena! Fui lá conhecer o Putz, gostei e estou seguindo também! Amigos como você são um estímulo e uma inspiração! E é para quem posto e escrevo!
    Um sábado abençoado! Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elaine, o importante é buscar nossos caminhos. Um abraço!

      Excluir
  10. Caminhar é preciso...

    Bia, delicado conto que nos leva a refletir sobre os nossos próprios caminhos...

    Um lindo e relax fim de semana p/ vc!

    Beijoooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia, também é válido tudo o que nos leva a refletir. Um abraço!

      Excluir
  11. Ei Bia,

    Acredito que não há conquista sem uma história, ainda que seja árdua, ainda que dê borbolhas nos pés, temos um caminho a percorrer, riscos a correr, e sentimentos que ao longo da estrada irão se revelar.Sempre digo que há uma luz no final do túnel, mas para chegarmos ao final passamos pelos meios escuros e de pouca possibilidade de visão, mas na certeza que há uma luz , podemos seguir, mesmo que a vontade de desistir seja imensa, que a vontade de alcançar a ultrapasse quando mesmo esperarmos entramos em momentos de alegria, descanso e realização...

    Beijos Bia e uma excelente final de semana pra ti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cecília, gostei muito da comparação com o túnel. Automaticamente me veio à mente um lugar escuro e úmido, onde por vezes encontramos com ratos e morcegos, e portanto, assustador. Mas parar no meio do caminho é ainda pior...Caminhar em direção à luz é garantia de que encontraremos vida após a saída. Um abraço!

      Excluir
  12. A certeza de que, além do horizonte visível, há beleza só alcançada pelos corajosos, impulsiona esse caminhar destemido. As conquistas passam pelo crivo das oscilações, de onde se sai mais forte. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marilene, confesso que às vezes acho que já estou forte o suficiente e gostaria de repousar. Mas quem rege minha vida provavelmente guarda ainda muitas coisas para mim, então caminho, mesmo com as oscilações. Um abraço!

      Excluir
  13. e o que seriam os caminhos além de aprendizados? caminhar realmente é preciso.

    lindo texto.
    bom final de semana,
    diuliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diuliana. Aprender e aprender, é o que a vida espera da gente. Fico pensando como vivem aqueles que se esquivam dos aprendizados e pegam os atalhos, como serão suas vidas? Um abraço!

      Excluir
  14. A vida passa,as perguntas continuam sem respostas,mas melhor que sofrer por não saber é tentar ver se realmente há um lugar melhor além do horizonte.
    Linda crônica!
    abraço Bia e um lindo domingo,=)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suu, tem razão, se tem algo que desisti de procurar foram respostas. Uma hora elas chegam, junto com a chegada ao destino. Um abraço!

      Excluir
  15. Também acho que por mais difíceis que sejam os caminhos não podemos desistir de caminhar.

    "Não pense que a cabeça aguenta se você parar..." (Raul Seixas)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha, Ótima citação do Raul. Na sua inteligente loucura, falava muitas coisas coerentes. Um abraço!

      Excluir
  16. Nessa noite e sabado venho te visitar
    e deixar um abraço pelo carinho de sempre
    Gosto de ver o que de bom vc posta,parabéns
    caminhar pelo mundo afora, por mais ruim que seja.
    Abraços
    Rita!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, rita. Você me parece ter caminhado muito, e encontrado sempre um bom lugar para chegar. Um abraço!

      Excluir
  17. Olá!Boa noite!

    ...obrigado pelo carinho pela visita!
    ...bom domingo
    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
  18. Que belo livro você está lendo, hein Bia?! O mais fácil nem sempre é o mais prazeroso. Os caminhos mais difíceis rendem mais aprendizado. Beijos e bom domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio, o livro é mesmo interessante, uma troca de cartas entre alguém que sofreu uma desilusão amorosa e um professor espiritualmente evoluído que encontrou na simplicidade sua felicidade. Um abraço!

      Excluir
  19. Oooi!
    O melhor caminho para nosso aprendizado e evolução é sempre o mais difícil.Mas é para o nosso bem ;)
    Um ótimo domingo para você!

    Bejus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Naty, temos que nos apegar nisso, se não corremos o risco de não desfrutar da paisagem. Um abraço!

      Excluir
  20. Bia
    Tinha saudade de te ler.
    Por vezes me perco nos caminhos,fico em ferida e abrando até cicatrizar.
    Acredito que no final das trilhas mais acidentadas, é quando contemplamos as mais belas paisagens. Enquanto as percorremos, nos machucamos tanto, que a paisagem será a nossa recompensa. Neste momento, aguardo a paisagem tal como tu! Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luar, é bom saber que gosta de estar aqui. Nem preciso acrescentar nada, esperemos então a bela paisagem, minha cara. Um abraço!

      Excluir
  21. Que maravilha de texto, vou procurar o livro para ler inteiro.
    Bom domingo Bia.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mary, espero que goste da sua leitura. É uma boa lição para quem não entende os caminhos da vida. Um abraço!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...