quarta-feira, 18 de julho de 2012

7 fatos marcantes

Desde que li qual seria o tema da próxima Blogagem, decidi que não escreveria fatos relacionados ao amor.
Então percebi que a grande parte dos fatos marcantes da minha vida está justamente relacionado...ao amor! Mas como a maioria deles quem me acompanha aqui no Revolta já conhece, puxei pela memória e trouxe assuntos diferentes...alguns são tristes, mas me ensinaram algumas lições.

Festa de 15 anos
Imagem by  Editora Abril

Embora tivesse o sonho de debutar como faziam as meninas em 1990, minha festa de 15 anos foi inesquecível. Meus pais não tinham grana para proporcionar uma grande festa ou os custos de uma festa de debutantes em um clube, então uma tia querida que me tinha como filha me deu um dinheirinho para fazer uma festa caseira. Fiz o vestido da Angélica, retirado dessa Manequim hahaha com as famosas "mangas presunto", fiz todos os docinhos, bolo, encomendei os salgados, arrumei a sala da casa da minha mãe, fiz o penteado e a maquiagem.  Todas as pessoas queridas que pude convidar compareceram e ali aprendi que não importa quanto dinheiro você tem, uma festa é um sucesso quando estamos com as pessoas que amamos e a alegria transpira por todos os poros.

Colocação de aparelho ortodôntico
Imagem daqui

Logo após minha festa de 15 anos, realizei um sonho antigo: colocar aparelho ortodôntico. A família do meu pai tem um problema genético, todos os primos precisaram usar, inclusive eu. Os dentes eram horríveis, bem  encavalados. Nunca deixei de sorrir por causa disso, mas sem dúvida era esteticamente feio. Fui colocar com a mesma tia citada acima, e quando saí do consultório, com vergonha do aparelho e evitando sorrir, ela percebeu e falou: "não tenha vergonha de sorrir, o aparelho não a deixa feia. O que deixa uma pessoa feia é a ausência de sorrisos". Linda lição!

Aprender a dirigir
Imagem by Freepik

Logo depois, terminando os 17 anos, meu pai me ensinou a dirigir. Naquela época era permitido que alguém habilitado ensinasse outra pessoa a dirigir. Aprendi muito rápido porque era um sonho. Acho a sensação de liberdade de se dirigir um carro algo inigualável. Um dos meus objetivos futuros é adquirir um carro que eu possa dirigir tranquilamente.

Nascimento da minha filha
Imagem by Freepik

Embora gerada em meio à situações tumultuadas, o nascimento da minha filha foi um dos fatos mais marcantes e belos da minha vida. Ela é minha companheira, amiga, sempre foi carinhosa e obediente. Eu gostaria de ter um outro filho para poder curtir a gravidez em todas as suas etapas, mas esse é um projeto que só o destino pode realizar, ou não.

Morte da minha avó
Imagem by Freepik

A perda da minha vó, há uns 8 anos, iniciou um ciclo de várias ausências na família. Sempre tive uma ligação muito forte com ela, às vezes dormia em sua casa nos finais de semana, passa escovão no chão de sua casa, acordava cedo com o radinho de pilha ligado na estação AM...Perdê-la me fez perceber que o pior de envelhecer é perder as pessoas que amamos.

Morte da minha tia
Imagem by Freepik

No ano passado, como já citei aqui, perdi uma tia muito querida para o câncer. Foi sem dúvida o melhor ser humano que já conheci na vida, uma pessoa boa, querida, acolhedora, com ausência de preconceitos e julgamentos, extremamente religiosa. Vê-la sofrer por um ano contra a doença, me fez questionar por que as pessoas boas sofrem tanto. Ainda não encontrei a resposta. Ainda permanece o sentimento de injustiça.

Compra de uma impressora e uma sapateira
Imagem by Freepik

Pode parecer bobo, mas a compra de uma impressora facilita muito a vida de uma professora, e a sapateira eu estava namorando há tempos para organizar o material da escola. O mais importante é que a aquisição dos dois itens foi resultado das economias de um ano de muito trabalho. Aprendi que o que se adquire com esforço tem um sabor especial.

Essa é a minha participação na Blogagem Coletiva do blog  Café entre amigos:





58 comentários:

  1. Oi Bia!

    Quantos fatos marcantes! Fiquei a pensar nos meus... Não sabia o nome daquela manga. Em casa meu irmão mais velho não teve festa, então minha mãe decidiu não fazer p/ ninguém, somos 5 irmãos, 3 mulheres e dois homens.

    Amei saber mais sobre minha xará!

    Beijãoooooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia, tem razão. Aquela manga era o que há, hahaha. Sua mãe tentou agir com justiça, embora homens geralmente não liguem muito para festas de 15 anos. Acho que para menina é uma questão cultural. Um abraço!

      Excluir
  2. A perda da inocência é gradual
    em quase todos os fatos citados,
    e a morte de alguém próximo,
    quase sempre,
    deixa muitas marcas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, organizei os fatos em ordem cronológica e percebi essa perda gradual da inocência. É a evolução natural da vida. Um abraço!

      Excluir
  3. Oi Bia,

    Adorei o post, saber sobre você é sempre bom...e os bons e maus momentos fazem parte de toda caminhada, nem sempre é o que queremos, mas acho que a maior lição da vida é aprender a lidar com a dor e o sofrimento...

    Bela participação!

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa. Aprender a lidar com a dor e o sofrimento fazem parte de nossas andanças, embora admita que eu gostaria que as coisas fossem mais leves. Um abraço!

      Excluir
  4. A perda de pessoas queridas é sempre um marco em nossas vidas... eu ja perdi minha filha (mas nunca desisti de ser mae e hoje tenho 2 meninos lindos) e perdi minha vó, mas o melhor de tudo... é que sao os bons momentos que passamos com essas pessoas que nos fazem enfrentar a vida com um sorriso nos labios!!!

    Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Margarida. Perder um filho deve ser uma dor inominável. Ainda bem que deu a volta por cima e continuou seguindo o curso da sua vida com um sorriso nos lábios. O sorriso tem o poder de tornar as coisas um pouco mais simples. Um abraço!

      Excluir
  5. Bia fatos marcantes com certeza, tudo isso serve para nosso crescimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Waldir, tem razão. Mas há horas em que eu não quero mais crescer...não se tem escolha. Um abraço!

      Excluir
  6. Nossa Bia.. achei lindo sobre a festa de 15 anos..
    O que você disse é a mais pura realidade, a felicidade está nas pessoas que amamos... o resto é só um complemento..
    Adorei sua história..
    Beijos
    Sheila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, minha festa de 15 anos deu trabalho, mas me fez valorizar a convivência com as pessoas que amamos. Um abraço!

      Excluir
  7. Bia que postagem linda, perder quem amamos é duro tbm não entendo até hoje o pq de certas coisas, essa é uma das minha brigas com Deus, perdi meus dois avôs sei como é duro, ainda não aprendi a dirigir se crê nisso afff que vergonha, mas tenho certeza que quando o fizer será marcante sem duvida, minha festa de 15 anos..ops nem lembraram do meu niver, isso tenho dentro do meu coração até hoje, talvez por isso queria ter casado de azul pois sempre me imaginei com um vestido como esse da Angelica kkk era tudo essas mangas em azul, mas enfim agora já foi...e quanto adquirir a sapateira e a impressora nada é simples, lembro-me que desejei muito desde pequena aquele jogo banco imobiliário só consegui realizar esse desejo depois de adulta e foi marcante só não postei pq esqueci lembrei agora lendo sua postagem kkkk
    Claro o nascimento de um filho deve ser magico mesmo. Sempre achei um charme quem usava aparelho hoje em dia tem aquelas borrachinhas coloridas se colocasse seriam todas azuis kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia. Eu também perdi dois avós, o paterno e a materna. Quando perdi meu avô paterno, por volta dos 15 anos, ainda não tinha a dimensão do que é perder alguém para sempre. Acho que você vai gostar de aprender a dirigir...Ai, imagino sua tristeza quando não lembraram dos seus 15 anos. Mas guardar mágoas não lhe faz bem, mas que você deveria ter casado de azul e o mundo que dane-se, ah, isso deveria. Já joguei muito Banco Imobiliário...conseguir as coisas com sacrifício nos faz dar valor ao trabalho.
      Um abraço!

      Excluir
  8. A vida da gente é assim mesmo, Bia! É feita de momentos marcantes, momentos de alegrias, ora de perdas, ora de ganhos. O importante é ir encaixando peça por peça do grande quebra-cabeça, afim de apaziguar o espírito e o corpo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nestor. Vamos combinar que algumas peças são difíceis de se encaixar...mas a gente vai tentando. Um abraço!

      Excluir
  9. Oii Bia, de fato tudo que conseguimos com esforço tem um sabor e um valor especial, eu não tive festa de 15 anos, mas lembro bem da moda que era essas festas, quase uma obrigação, que bom que vc teve a sua, a chegada de um filho seja em que cenário for é sempre especial e as coisas acabam se ajeitando com o tempo! Muito boa sua participação! Bjooosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kellen. Você tem quase a minha idade, sabe como esses eventos envolvendo os 15 anos eram valorizados. Ainda bem que minha modesta festa foi o suficiente para apaziguar minhas vontades! E essa é a maior verdade que há em relação aos filhos: não importa em qual contexto eles vem, com o tempo as coisas se ajeitam. Um abraço!

      Excluir
  10. A vida é cheia de momentos assim...Uns tristes, outros felizes..beijos praianos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica. O negócio é tentar passar por eles da melhor maneira possível. Um abraço!

      Excluir
  11. Bia, essa frase "o pior de envelhecer é perder as pessoas que amamos" me comoveu demais.
    Um dia, perguntei à minha avó se ela gostava do natal. Ela respondeu "não muito" e eu inconformada, perguntei "por quê?". Ela disse "já perdi muitas pessoas..." Na época eu não entendi. Somente depois que se foi pude compreender o que ela sentia.
    As suas lembranças são muito lindas!!! Mas foi essa sua frase que trouxe de volta essa minha recordação...quis compartilhar com você!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isa. Quando novas não conseguimos entender muito bem o significado das perdas pela morte. Uma das coisas que luto é para ainda manter as reuniões familiares apesar das lacunas que o tempo abre.
      Não é a perda da beleza o pior de envelhecer, é a perda das pessoas, sem dúvida. Um abraço!

      Excluir
  12. Muito lindo seu post, aqui de casa somente eu e meu irmão(somos gêmeos) que tivemos uma festa de 15 anos, sabe que ultimamente estou pensando na maternidade rs acho que é a idade chegando, perder alguém querido é muito doloroso mesmo e conseguir realizar um sonho mesmo que seja comprar uma bolsa, não importa tudo é marcante pois sabemos a luta que é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabriela, deve ser no mínimo curioso ter um irmão gêmeo.
      Foi bom ser mãe aos 20 anos, acompanhei bem as fases da minha filha, mas a maturidade nos dá uma outro visão sobre a vida. Talvez por isso sua vontade...acho que se hoje fosse mãe curtiria mais os momentos da infância. Um abraço!

      Excluir
  13. Oi Bia
    Uma bela história de vida menina. E cada vivência nos deixa marcas profundas. A perda de pessoas que amamos é difícil suportar. Realizar um sonho com o esforço do seu trabalho é sublime. E todo sonho realizado é grandioso, daí o seu imenso valor. Que bom te conhecer mais um pouquinho cara colega educadora.
    Um carinhoso abraço
    Gracita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gracita, achei lindo o que disse:"todo sonho é grandioso"...Perfeito. Um sonho simples para um pode ser algo extremamente valoroso para outro. O que importa é o tamanho da felicidade que vai provocar em determinada pessoa. Um abraço!

      Excluir
  14. Bia, ahahahh sobre o aparelho... é impossivel, quando jovens, esquecer. Ainda mais que naquele tempo... naquele... nao haviam opções tão discretas como hoje em dia.

    Eu vi e senti a morte de uma tia muito querida, logo na minha infancia. Depois outros, sendo o mais dolorido, o meu pai.

    Olha, como sempre, adoro seus comentarios, somos tao parecidas. AHHHHH estes nossos corações! Somos pessoas muito muito muito sensíveis!

    BEIJOS estalados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym, você também usou aparelho? O meu até que era discreto, mas tinha um sobressalente no céu da boca para abrir a arcada que era horrível, cortava toda a língua!
      Ainda tenho meu pai por perto, tento valorizar sua companhia porque sei que não haverá muito mais tempo ao lado dele.
      Sinto meu coração um pouco mais compreendido quando leio você...Sensibilidade não adianta, minha amiga, não tem cura. O coração pode ficar magoado, pode endurecer por uns dias...e depois volta a se derreter que nem gelatino no sol!
      Um abraço!

      Excluir
  15. Linda história, Bia!
    Festa de 15 anos... aparelho... aquisição de bens... são lindas conquistas! Sobre a perda das entes queridas (avó e tia), imagino o quanto marcou e te faz falta, mas imagino, também, que os momentos alegres com as mesmas, devem estar eternizados em sua memória. ;) Abraços e tudo de bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbie. Se tem algo da qual me orgulho na minha história é de ter vivido intensamente ao lado das pessoas que já se foram. Assim não fica a sensação do que poderia ter sido. Um abraço!

      Excluir
  16. Gostei de ler esses trechinhos de momentos marcantes em sua vida, Bia. Muito bonita as palavras da sua tia quando você colocou aparelho. E, sobre a festa de 15 anos, você tem toda a razão. Eu me arrependo de algumas coisas sobre a minha, mas agora já passou. Perdas... São Perdas, e não existe nada que nos livre delas. Mas, a vida é boa por nos dar pessoas lindas, e awn, sua filhinha! É um presente lindo, com certeza. *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laís. As palavras da minha tia serviram como uma lição que carrego até hoje comigo. O arrependimento existe, principalmente quando não temos conhecimento sobre como poderíamos ter agido em determinados momentos, mas ele serve para nos mostrar que é possível fazer diferente. Um abraço!

      Excluir
  17. Olá!Boa noite!
    Tudo bem, Bia?
    ...momentos marcantes.
    ...A vida da gente é assim mesmo.. É feita de momentos tristes, de alegrias, de perdas, de ganhos. O importante é aproveitar da vida com sabedoria,não realizar atitudes que você possa se arrepender e seja feliz...
    ah...pensa que eu não reparei: sapateira para organizar material d escola...rsrs
    Boa quinta feira!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis! A sapateira serve muito bem para guardar meu material escolar...é pequena o suficiente para caber em um apartamento e não custa muito caro. Um abraço!

      Excluir
  18. muito sensível, autêntica e emocionante tua participação. beijos

    ResponderExcluir
  19. A minha festa de debutantes foi assim caseira, mas sem o vestido da Angélica. Rsrs.

    Lindas lembranças, Bia. Adoro essa tua sensibilidade.
    Você leciona que disciplina?

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milene. Lembro-me de ter pedido para que os convidados fossem arrumados para a festa, como se fossem a um clube, hahaha. As fotos estão guardadas na casa da minha mãe!
      Dou aulas de Português e Matemática para o ensino fundamental, esse ano tenho uma turma de 5º ano.
      Um abraço!

      Excluir
  20. Estou adorando as postagens dessa blogagem coletiva do ''Café'' . Meu sonho também era ter uma festa...mas meu lado consumidor falou mais alto e eu pedi um notebook. Mas foi bom estar com a minha famiilia neste dia tbm. rs Que diferente você gostar de ter colocado aparelho rs, a maioria das pessoas que eu conheço reconhecem que é uma necessidade mas odeiam demais o aparelho rs Nascimento e morte realente são fatos que marcam nossa vida, ainda mais quando são pessoas que amamos incondicionalmente. Aprender a dirigir! Pretendo tbm ao final dos 17 hehe - concordo, a impressora faz uma falta danada, nao vivo sem, como irei imprimir os boletos das compras que faço online? Adorei sua postagem e me identifiquei abeça! Você arrasou, como sempre.


    Beijão, Sabrina Gomes ♥(www.spiderwebs.com.br).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sabrina. Eu concordo com quem ganha um presente no lugar da festa, dependendo da personalidade. Como eu sou muito romântica, esse negócio de usar um vestido longo e branco em uma festa era um sonho. Hoje vejo que escolhi certo.
      Eu adorei usar o aparelho (fora a dor, é claro!) porque tornou meu aspecto bem melhor. Sou determinada, então não importa os percalços para chegar a um objetivo. Quando eu não tinha impressora anotava os números do código de barras do boleto para pagamento...
      Você gosta de liberdade, vai adorar aprender a dirigir!
      Um abraço!

      Excluir
  21. Linda participação, realmente a verdadeira festa marcante é quando compartilhamos com pessoas que amamos, adorei

    ResponderExcluir
  22. Bia, te ler, às vezes faz eu me identificar com vc. Qdo eu dirijo tenho essa mesma sensação, é como se eu ganhasse asas.
    A minha ligação com o meu avô é tão forte que depois de onze anos de seu desencarne, eu o sinto tão próximo. Tenho uma tia, religiosa tb, desfeita de apego, com uma doação ao outro quase santificada que me dói saber que ela morando tão longe de mim (Salvador).
    Qto o sofrimento das pessoas boas, meu avô, aos noventa e quatro anos, não aguentando o tratamento aqui em São Paulo, devido a problema pulmonares, pediu aos filhos para morrer na sua terra, Bahia. Sabe Bia, o que me confortou foi saber q ele não sofreu. Desencarnou uma semana depois de ter chegado na sua terra. Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eder. Dirigir faz um bem danado para a mente. É interessante o que disse, também sinto por vezes as pessoas que se foram muito próximas de mim.
      Muito pertinente também o que disse sobre seu avô. Belo gesto da família atendê-lo, muitas pessoas não compreendem essa atitude. Muito pior do que ver alguém partir é ver essa pessoa sofrer e não poder fazer nada. É nisso que me apego para entender a morte e aceitá-la. Não gosto de ver as pessoas que amo sofrendo.
      Um abraço!

      Excluir
  23. Oi Bia!

    Tive festa de 15 anos exatamente como a sua. Não usei aparelhos porque não tive grana, ainda não tive filhos, mas perdi minhas avós e uma tia querida, também de forma que me deixa questionar porque os bons morrem logo. Também não encontrei respostas.
    Parabéns pelas conquistas, essas etapas fazem parte do nosso crescimento.
    bjssss e uma ótima quinta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Albuq, espero que tenha aproveitado sua festa tanto quanto eu aproveitei a minha. Os aparelhos eram mesmo caros, meu pai aproveitou um convênio da empresa onde trabalhava para colocar o meu a custos reduzidos. Mas hoje se encontra serviços mais em conta e de qualidade.
      Um abraço!

      Excluir
  24. Olá minha linda olha nós aqui
    postando mais uma Blogagem , eu gostei
    da sua ..tem boas coisas que a gente não
    esquece e pena que as tristes tbém marcam muito
    Adorei conhecer mais um pouco de vc
    Bjuss
    Rita!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rita, o importante é cultivar boas lembranças para se sobreporem às más. Uma braço!

      Excluir
  25. Lindo seu post não tive festa de 15 anos infelizmente, o nascimento de um filho deve ser maravilhoso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, maria, o nascimento de um filho tem um poder transformador na vida do ser humano. Basta não querer só ensinar, como também aprender com ele. Um abraço!

      Excluir
  26. Gosto de saber das pessoas os fatos que nos contou foram emocionante.

    ResponderExcluir
  27. Oi flor, já vou de início pedindo desculpas, mas estou passando em cada blog com a mesma mensagem também pedindo desculpas pelo meu imenso sumiço e agradecer a sua visita ao meu blog mesmo quando eu não estiv presente no seu. Eu fiquei sem computador por um bom tempo, e pouco conseguia atualizar. Mas agora estou de volta e prometo visitar com mais frequencia cada blog querido! Beijos e te aguardo para ver minha nova postagem.

    Luciana de Mira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana, é bom vê-la por aqui novamente, adoro seus escritos sempre sucintos e consistentes. Um abraço!

      Excluir
  28. Alegrias e tristezas lindamente contadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrizia, seja bem vinda! Gosto de relembrar o que já vivi até aqui. Um abraço!

      Excluir
  29. Caralho! Eu realmente estou meio atrasado nos comentários das coletivas (e ainda planejo criar uma ¬¬´), contudo, sei que vocês compreendem que estou em um momento complicado e não tenho o tempo suficiente atualmente que gostaria de ter por estar enfrentando uma situação que me afasta um pouco daqui. Mesmo assim, não me permito deixar que meus perfis, principalmente meu blogue, se torne um santuário virtual.
    Sua blogagem foi um pouco parecida com a minha, perdas marcantes, mas também coisas boas, que nos fizeram ser o que somos hoje.

    ResponderExcluir
  30. Oi, Chris. Espero ansioso que planeje uma nova coletiva, sempre é bom conhecer diversos pontos de vista acerca de um mesmo assunto. Acho que tem razão em abrir um pouco mão da blogosfera para cuidar dos seus interesses pessoais. A coisa começa a ficar doentia quando o contrário acontece, ou seja, os problemas se acumulam enquanto se quer saber só do mundo virtual. Tenho certeza que você tem visão o suficiente para não tornar seu blog um santuário virtual, tema bem explicado em uma postagem sua. Um abraço!

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.