sábado, 18 de maio de 2013

Quando a borda não é o limite

Obs: Houveram alguns problemas de redirecionamento de página há uns dias atrás externos ao blog. Agradeço aos parceiros que me avisaram, está tudo ok agora.

Imagem do Facebook, comunidade Versos não são palavras.

A primeira vez que li sobre o termo transbordar ligado aos sentimentos foi no blog da Luciana, Queira tocar o céu. A frase, linda, é essa aqui e o termo ficou guardado em minha memória. Certamente sou uma mulher que nasceu para transbordar.
Transpor a borda das emoções é viver plenamente os bons sentimentos, é não se economizar, não se guardar  por medo ou qualidades mesquinhas. Os limites são delineados pela razão, que nos faz tomar decisões pautadas no que é justo, certo e conveniente, nos faz lembrar que sobretudo não vivemos sozinhos e as atitudes tem seus desdobramentos nas consequências.
Percebo que os tombos me tornaram cautelosa em demasia. Há pessoas que vivem bem assim, no mínimo seguir prioritariamente a razão é o asfalto mais bem feito e sinalizado para viajar. Mas eu nasci para rir muito, falar o que penso e sinto (com respeito e bom senso, sempre), ajudar quem precisa, me entregar c-o-m-p-l-e-t-a-m-e-n-t-e em/a tudo o que/para quem faço, me doar com verdade e paixão.
É latente a ânsia por viver sonhos que foram guardados em um compartimento seguro enquanto resolviam-se os problemas um a um, a seu tempo. Em momentos de lassidão a razão me foi extremamente útil para recuperar força e equilíbrio e assim superar situações estagnadas que enfraqueciam. Descobri na prática que a fé é sobretudo um exercício de razão...acreditar que se está fazendo o melhor é um sentimento embasado em fatos e argumentos racionais soprados a si mesmo, mesmo que seja somente para manter a calma, ainda que se possa acreditar no improvável ou no invisível.
Após as tormentas, há uma imensa vontade de dar vazão ao que foi contido com comportas enérgicas de focos e objetivos. Aprendi a dominar o medo,  e hoje percebo o quanto ele é responsável por grande parte das doenças psicológicas do humanidade. Medo de viver, de sonhar, de fracassar, de magoar, de errar, de ser quem se é, de se entregar, se mostrar e se dar. Medo de abusos, rejeições, incompreensões, julgamentos, medo de não ser o suficiente, de decepcionar, de não ser bom(a) o bastante, de perder, de se perder...a lista já está de bom tamanho.  
Então me conta, quais são seus medos?
Embora estejam praticamente sob controle, ainda persiste uma linha tênue do medo de acreditar. Não me refiro especificamente à pessoa que amo, mas às pessoas que nos cercam diariamente como um todo. Sempre o avesso mal (ou bem) feito do amadurecimento: enxergar com clareza inclusive o que não gostaríamos de ver. Para isso gostaria de ter uma alma míope. Talvez haja o temor de permitir que a fragilidade volte a dominar (olha a razão falando), permitir que a dor por ver/sentir injustiças me arrebate novamente com força. A prudência tem se mostrado vigilante e isso não é confortável para quem nasceu fadada a distribuir sentimentos abundantemente.O que me salva é saber (sentir) que há amor, há tanto amor aqui para ser transbordado, para esparramar e tomar conta do que está à volta...
Permitir o sonhar parece-me o meio mais eficaz para tornar a vazão novamente possível. Sei que a retomada acontece quando após os golpes nas asas que carregamos ainda temos a capacidade de consentir que novas penas cresçam e deem impulso a novos voos. Mas para isso é preciso deixar que a fina camada protetora de gelo que ainda persiste, derreta.
Daqui a pouco irei à capital,  aniversário de 80 anos de uma tia que há tempos não vejo.  Os membros da minha família paterna tem no sangue o gene da longevidade. Isso significa que há grandes probabilidades de viver ainda mais uns 40 anos. E o que eu quero é muito simples: acreditar que esse será um novo tempo em que me possa dar o direito de transbordar alegria e carinho sem que isso reverta em sofrimento. Não é assim que deveria ser? :)
Meu maior desejo é que a proteção seja oriunda do próprio amor, pois de reservas e mesquinharias...o mundo já está transbordando.

Sugiro a leitura complementar desse lindo poema aqui.
****


Calor, suor, toque, sabor, força e suavidade. O após guardou o abandono com a alma enlaçada...daquele abraço não queria se libertar. 

Participação para o projeto Uma imagem, 140 caracteres, do blog Escritos Lisérgicos.


82 comentários:

  1. Lindo teu texto e post! Ninguém mais precisa nada que seja mesquinharia e não nos acrescente algo! E, certamente, o que queremos é poder viver tri bem, sem sofrimentos. Tonara tenhas mais 50, 60, sempre assim, bem! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! Disse tudo...o mundo está congestionado de atitudes que não acrescentam nada, infelizmente. Perde-se muito tempo com o supérfluo e falta para o cultivo dos sentimentos.
      Obrigada pelo incentivo! Um abraço!

      Excluir
  2. Também sou pãe há 16 anos. Diferente de você, mãe nos ombros e pai no coração. Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rafael, seja sempre bem vindo! Hoje em dia é cada vez mais frequente vermos pais cuidando de seus filhos, fico feliz que esteja encarando bem essa tarefa. Um abraço!

      Excluir
  3. Não se resguarde, Bia. Transborde essa alegria de viver, contagie quem a rodeia. O mundo, à sua volta - apesar das desilusões, que as há sempre - será bem melhor, pode crer.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ac! usou um termo que me escapou o texto inteiro: me resguardar. Acho que já me resguardei por tempo suficiente e que agora posso relaxar em relação à isso...estou tentando mas nem sempre as coisas acontecem na velocidade que gostaríamos, não é mesmo?
      Hoje mesmo transbordei alegria, e foi ótimo.
      Um abraço!

      Excluir
  4. Bia,

    Incrível que em tantos milhoes de pessoas neste mundo, nem mesmo minha irmã consegue ter a mesma sensibilidade que voce torna real a igualdade entre duas pessoas que não se conhecem.

    Eu transbordo, eu me transformo, vivo dizendo isso atraves das poesias e liberto meus sonhos, nem todos, mas alguns necessários para continuar respirando e transpirando emoção.

    As minhas familias materna e paterna tambem vivem muitos anos. Amiga, vamos ser amigas velhinhas? Eu tenho pensado muito em como não ficar sozinha daqui uns anos, visto que cada vez temos menos filhos e por isso mesmo menos pessoas a cuidar da gente mais tarde.


    Um beijo de sua amiga para a eternidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fadinha! Essa identificação vem de longa data, né? Não sabe como sua presença por aqui me faz feliz, me faz ver que no mundo uma pessoa pode ser compreendida plenamente por outra.
      Me entende quando diz que libertando os sonhos conseguimos fazer com que a emoção transpire...a gente vai passando pelos percalços da vida e desenvolvendo meios de fazer com que ela continue valendo a pena.
      Ficar velhinha e sozinha também é uma preocupação minha...ainda bem que agora sei que posso contar com você como amiga! :D
      Um abraço!

      Excluir
    2. Bia,

      Sempre é muito bom ler o que voce pensa

      Boa semana!

      Excluir
  5. Que lindo Bia!
    Gosto muito de ler seus textos principalmente em função das emoções que transbordam a partir das palavras que você escreve.
    Me sinto como você, nasci para sentir e transbordar esses sentimentos e por muitas vezes me reprimi, por medo. Aprendi que não vale a pena, o tempo passa, as emoções ficam guardadas e depois pode ser muito tarde. Sentir faz bem, mesmo que cause dor.

    Beijo grande e ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria! É verdade...ler seu comentário me fez pensar que talvez daí venha a urgência pelo sentir, é o medo que o tempo seja mais uma vez implacável. Por outro lado aprendi que não se pode brigar com o tempo...e eis que volto ao dilema, hahaha.
      Um abraço!

      Excluir
  6. Você fala com o coração, embora reconheça que a razão, em muitos momentos, é o melhor alicerce para que sigamos adiante. Emoções devem ser extravasadas, realmente, sem policiamento. O que vem depois nem sempre é ruim e a satisfação de uma entrega total é individual e única. O medo, quando não serve apenas para nos acautelarmos antes de um movimento brusco, só prejudica. Creio, porém, que é um companheiro daqueles que não conseguimos nos livrar, facilmente( rss). Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marilene! Olhando por esse lado, completaria dizendo que a razão é nosso alicerce e a emoção, nossa alegria de viver.
      É tão bom quando podemos nos entregar ao mundo...embora esteja satisfeita comigo mesma em termos de atitudes, estou mesmo precisando da satisfação de alma.
      Sei que não há mais necessidade de cautela excessiva. Acho que estou quase chegando lá.
      Um abraço!

      Excluir
  7. Bia, vc é muito racional e analisa todo o tempo tuas emoções e comportamentos humanos. me parece um conflito com tua alma realmente transbordante. mas que disse que as pessoas são previsíveis? bjs

    http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jeanne. Achei interessante, a Marilene, acima, disse que fala com o coração, e você diz que sou muito racional...é exatamente o meio dessa dualidade constante que estou buscando. Nem a emoção que bota a perigo nosso equilíbrio, nem a razão que impede de viver. Ou vai ver que o meu lugar é mesmo no imprevisível! :)
      Quanto a analisar tudo, já fui bem pior, e não me fez bem. Até nesse ponto a razão tem me dado uma mãozinha.
      Um abraço!

      Excluir
  8. Si los sueños son agradables no me importa que se desborden. Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Se os sonhos são bons, eu não me importo em transbordar". Ler sua frase traduzida fez meus olhos encherem de água e meu sorriso se alargar. Talvez tudo o que eu precise ouvir (ler).
      Muito obrigada.
      Um abraço!

      Excluir
  9. Um abraço que enlaça! Lindo!!! Bela participação! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tão bom, né, chica, abraços que enlaçam...me deu saudade.
      Um abraço!

      Excluir
  10. Oi Bia!
    Você não sabe digitar emoções, você vive as emoções e é por isso que ela transborda até do seu coração.
    Lindo!
    Beijos
    Lua Singular
    Escreva um e-mail para mim: dorlisilva@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli. Não conseguiria escrever sobre o que não sinto...até nas palavras os sentimentos transbordam. Não aprendi (e acho que nem quero) aprender a viver realmente de outro jeito.
      Um abraço!

      Excluir
  11. oi Bia,você arrasou com seu texto!

    pois eu penso assim tb e sou mesmo assim...gosto de tudo que transborda...de excessos...se é pra ser...sentir...ter...que seja muito...nada de mais ou menos...ou de conta gotas...

    um grd abraço...adoro tudo o que escreves!!!!

    Zil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zil! Se você sente como eu, sabe que as lembranças ficam bem marcadas na memória, porque os momentos são vividos a fundo. Nada de colocar os pés na beira. O negócio é mergulhar e torcer para não afundar.
      Um abraço!

      Excluir
  12. Caminhei por cada parágrafo aproveitando a paisagem que as palavras ofereciam e aceitando o convite implícito de paradas na inspiração e na expiração sorvendo com languidez as memórias vivas dos sentimentos/ações conhecidos nos passos dados em meus caminhos.A fé, o medo, o ímpeto, a razão, a emoção, o transbordamento...todos vistos, uns mais,outros menos, mas sabidos em onde e como ocorreram; quais os repetidos, quais os desprezados:vida que foi, que é, que será.

    Puxa, me arrebatei em tuas palavras profundas,Bia. Vc faz isto como ninguém,moça.

    Uma imagem que diz tanto né?O Chris nos mimou com esta,srsrs
    Boa e transbordante semana.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu! Seu comentário também foi arrebatador a ponto de eu imaginar que também é uma mulher de transbordos...Vamos experimentando e selecionando da vida o que vale a pena ser vivido ou não. Mas deixar de se entregar às emoções é mesmo algo que não combina comigo, nem contigo, ao certo.
      Também adorei o calor da imagem...
      Um abraço!

      Excluir
  13. Quando transbordamos o que estamos sentido, colocamos para fora o que nos faz bem para contagiar outras pessoas e, colocamos, ainda, o que nos faz mal, para que aquilo não nos cause um mal ainda maior... gostei de sua reflexão, Bia! E sua participação no projeto do Chris, ficou ótima, parabéns! abraços e bom restinho de domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbie! Compreendeu muito bem minha necessidade de transbordar...fazer com que os sentimentos ganhem vida própria para se espalharem, se forem bons, ou irem embora, se forem ruins.
      Um abraço!

      Excluir


  14. Olá Bia.
    Gostei muito de sua reflexão, é preciso ter certo conhecimento e experiência para chegar a uma conclusão sobre tudo e todos e com certeza você os tem. O que se precisa é estar preparada psicologicamente para encarar outros tombos afinal não conseguiremos evita-los a não ser que ficamos em uma zona de conforto sem se arriscar. O medo com certeza nos impede de tentar de novo ou algo novo. Como você perguntou respondo meu medo é ficar uma pessoa inútil, esse é meu único medo, que seria uma reposta à reflexão e não os corriqueiros como de altura e outras coisinhas mais, rs.
    Sinto em seu texto que estas no caminho certo, coração e razão muito bem equilibrados, talvez não perceba isso. Continue ...
    Parabéns a sua tia pela força e aniversario.
    Parabéns pela participação, também não gostaria de me libertar de um abraço que demonstra tanto carinho.
    Bom inicio de semana. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Verinha!! Confesso que, apesar de estar me sentindo muito bem, não estou disposta a encarar novos tombos tão cedo...quero viver a emoção que tem tomado conta de mim e me faz inteira, mas não quero esquecer que a razão me permitiu chegar até aqui.
      Certamente não sou o tipo de pessoa que se reserve à zona de conforto...isso tem um lado bom, mas também tem um preço alto.
      Obrigada por me incentivar em continuar...faz toda a diferença saber como as pessoas daí estão me vendo.
      Obrigada pelo carinho, um abraço!

      Excluir
  15. Bia, finalmente acabou o problema com o redirecionamento e pude vir até aqui para te ler.
    Sua participação no projeto já mostra a intensidade que toma conta de você.
    Por vezes somos muito parecidos no modo de pensar e outras vezes, divergentes. Acabei de publicar um post que fala justamente sobre se ter cautela com confidências, emoções, na virtualidade. Um pouco de temor é necessário, deixar apenas as emoções comandarem pode culminar em um resultado muito desastroso.
    Abraço e boa semana parceira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chris! Ainda bem que deu certo, escolhi alguns gadgets, acho que era o contador de aniversário, o último que coloquei aqui. Gosto da sua presença, sempre me convida a olhar meu post por outro prisma.
      Concordo que temos momentos de identificação e outros de divergência, mas sempre de uma maneira sincera sem ser desrespeitosa, e acho isso ótimo! :)
      E apesar de ter consciência sobre o quanto sou inclinada a ceder a emoções, talvez esse texto seja uma maneira de me prender um pouco à terra para não acabar em, como disse, resultados desastrosos.
      Você é uma das pessoas que admiro por manter a racionalidade mesmo quando há traços de emoção em seus escritos. Mas além de ser uma questão de posicionamento e treino, também é uma questão de personalidade, e nesse caso, difícil para uma manteiga derretida como eu, hahaha.
      Um abraço!

      Excluir
  16. Estou visitando pela primeira vez o seu blog. Gostei muito do conteúdo. Tu escreves muito bem. Percebi que tu escreves de forma racional, mas ao mesmo tempo sem perder a sensibilidade das emoções.
    Concordo contigo. Transpor a borda das emoções é viver. É sentir. É ser sem medo de ser feliz.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline, seja sempre bem vinda! É isso...acreditar que se merece ser feliz, e assim poder transbordar felicidade.
      Um abraço!

      Excluir
  17. A razão é divina, pois com ela realizamos o que é bom, naturalmente! Os sentimentos são mestras quando tentamos compreendê-los, por que assim compreendemos o outro também! Enfim, seu texto é divino e gostoso de ler! abraços e muita paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ives! A razão torna possível a compreensão, mas a emoção traz a empatia e a sensibilidade, viabilizando a sintonia entre as partes. Compreender o outro pode fazer toda a diferença.
      Um abraço!

      Excluir
  18. Oi Bia!

    Primeiro, amei sua participação no desafio.
    E segundo, seu texto me fez refletir muito sobreos últimos acontecimentos da minha vida.
    E o quem quero partos próximos 30 anos? Para onde vou com as decisões que tenho tomado? E todo o medo que me bloqueia?

    Texto sincero e perfeito. Amei tudo por aqui e vou ficando, que é pra não perdêramos nada.

    Beijos

    Selma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Selma! Seja bem vinda!
      Foi perfeita em suas divagações...esse questionamento, do que queremos para nossa vida num futuro distante, é o que torna possível as ações do agora, e para as ações, não é possível ceder ao medo.
      Um abraço!

      Excluir
  19. Oi Bia
    Lindo texto, uma ótima reflexão! Adorei sua participação no desafio do Chris também, foi bem intenso!
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana, obrigada pelo carinho! :) Um abraço!

      Excluir
  20. Lindo Texto Bia!Devemos sempre temer as bordas,pois em um balançar,nossos momentos marcados irão afundar,aí será mais dificil para alcancá-los e relembrá-los,que foram grandes momentos!

    Bjs amiga e obrigada da visita.

    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carmem!
      Achei seu comentário tão sensível e profundo...certamente daí vem a origem do medo, de ao transbordar, se perder do que é bom e sucumbir à dor do sofrimento.
      Mas como viver, ficando limitada à uma borda conhecida?
      Penso que a cautela é necessária, mas sem constituir uma trava.
      Um abraço!

      Excluir
  21. Olá Bia!

    Tudo bem?
    A tua participação nestes projectos são sempre dignas de serem lidas, por serem profundas. Amor e paixão à flor da pelo.

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/uma-imagem-140-caracteres-7-edicao-amo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris...e não tem coisa melhor do que sentir amor e paixão à flor da pele, de sentir o toque e o calor de quem se ama. Felicidade pura.
      Um abraço!

      Excluir
  22. Olá,querida Bia
    Uma alma enlaçada dá laços de amor em si mesma...
    Lindo!!!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rose! Uma alma enlaçada é aquela que se deixa enlaçar, que não está amarrada na marra. O amor precisa ser livre para querer ficar.
      Um abraço!

      Excluir
  23. Vamos por partes..rs
    Linda participação dos 140 caracteres, parabéns pelos 80 anos da sua tia, tomara mesmo que vc viva muiiitos anos.....vc é uma das pessoas aqui da blogosfera que sinceramente gostaria de conhecer ao vivo e a cores.
    Quanto ao texto, demorei muito para transbordar digamos assim, e por medo tive muitos problemas de saúde. Hoje falo o que penso, claro como disse com respeito, prudencia...mas falo.
    Quase morri uma vez por guardar as coisas dentro de mim...e quero viver mais alguns anos tbm...rs
    Bjus tava com saudades de te ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patricia!
      Prefiro acreditar que você não é uma das pessoas que quero conhecer, é uma pessoa que vou conhecer algum dia. :D
      Essa capacidade de digerir sentimentos sem colocá-los para fora é muito difícil de ser desenvolvida. Achar a medida, entre calar e falar nos momentos certos, nem sempre depende só de sabedoria, pois o outro lado pode agir de forma imprevisível.
      Viveremos muitos anos ainda, e muito bem, pode ter certeza.
      Um abraço!

      Excluir
  24. Sobre a participação no (..) 140 caracteres: nessas horas a gente não quer mesmo se libertar tão cedo.. que delicioso é um abraço!

    Sobre a postagem acima: que bom sermos seres transbordantes, que não se contentam em ficar represados atrás de muros de conceitos. Bom é transbordar vida, felicidade, encarar e administrar os medos.
    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mari!
      Estar no abraço de alguém especial dá aquela vontade de parar o tempo.
      Tem razão...construímos muros à nossa volta por medo, e quando percebemos, estamos isolados das possibilidades de ser feliz.
      Que bom termos a capacidade de escolher transpôr esses muros sempre, não?
      Um abraço!

      Excluir
  25. Bia, me identifico tanto com seus dilemas... mas acho que superei a fragilidade, domei meus medos e hj já não temo mais a entrega. Acreditar no bem e no que é positivo pode gerar mudanças incríveis e nos ajudar a continuar sonhando.

    Ah, tbm venho de duas famílias longevas.
    rsrs

    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty!
      Esse foi um grande ganho para mim após os períodos de turbulência, ou seja, perceber que manter uma postura de confiança no futuro pode mesmo fazer milagres na vida.
      E muitos anos de vida pra ti, recheado de alegrias!
      Um abraço!

      Excluir
  26. As lembranças são agradáveis quando a vivência foi intensa.
    Parabéns pela belíssima participação!!

    Abração
    Jan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jan! Obrigada pelo carinho. Talvez por isso eu tenha muitas boas lembranças para recordar.
      Um abraço!

      Excluir
  27. Menina, que boniteza! Que bacana é esse seu "abrir de alma". A gente lê e se põe imediatamente a refletir...

    Medos, se não os temos, morremos.
    E você parece estar sabendo caminhar,apesar dos seus.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milene. É verdade...tenho a impressão de que passei um bom tempo parada à beira da estrada. Mas sei que não foi um tempo perdido, foi um tempo necessário... viver sem nenhum medo nos torna inconsequentes, e isso não é mesmo saudável.
      Um abraço!

      Excluir
  28. Bia,

    Enquanto lia seu texto, tentei lembrar dos meus medos. Não sou medrosa, mas já fui. Acho que sentir medo, e não saber conduzir o lado emocional. E, acredito que ainda tenha medos guardados dentro de mim, mas eu tento transformar tudo isso em esperanças.
    Eu também tenho uma história de longevidade em família. Se for isso, ainda vou viver mais meio século. Rs
    Amo ler os seus textos. Não dá pra vir aqui e ficar poucos minutos.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucinha, que lindo comentário. Transformar medos em esperanças demando uma boa dose de autocontrole sobre os sentimentos, sobretudo nos momentos mais complicados, mas nos impulsiona a seguir adiante.
      Obrigada por seu carinho...um abraço!

      Excluir
  29. Bia adorei a participação no projeto o post está genial, como sempre, também acho que sou uma mulher que transborda, intensa e as vezes isso incomoda as pessoas. Um abraço carinhoso

    Paty Alves
    Ágape Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, Paty! Percebo que me retrai um pouco depois de perceber que as pessoas em geral se incomodam um pouco com a alegria alheia. Isso me parece um pouco triste, mas fazer o quê?
      Isso não me impede de querer sentir sempre, plenamente.
      Um abraço!

      Excluir
  30. Passando para agradecer a sua visita.
    Muito obrigada! Seja bem-vinda!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  31. Oi Bia,

    Paralisante seu texto....

    O poder da escrita é exatamente esse:

    Provocar no leitor e em si mesmo ( Como autor) desejos e sentimentos que jamais poderiam ser expressos de outra forma...

    Enfim....escreva e transborde....sempre!

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa, obrigada por seu comentário tão elogioso...seus poemas também me envolvem e me fazem perceber que também é uma mulher de transbordos.
      Um abraço!

      Excluir
  32. Oi Bia!
    Transbordar? Artista faz rios rsrsrsrs
    Limites? Está no horizonte...
    Confiar? Sempre digo que no dia que deixar de confiar nas pessoas, morro! Sei, sou exagerada rs, mas vivo assim confiando, confiante, claro que me frusto as vezes, mas isto não vai mudar a minha atitude diante da vida e nem das pessoas que confio.

    Desculpe não ter tanto time para vir aqui ler os seus excelentes textos (adoroooooo).

    Bjãoooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Artistas são mesmo mestres na arte de transbordar, por isso é um ofício tão bonito e interessante.
      Eu também faço parte do time que ainda escolhe confiar nas pessoas...minha mãe hoje disse sobre uma situação "você é boa demais". Não é isso, é que perder o poder de confiar me tornaria certamente uma pessoa muito mais fria. Isso seria triste, seria como viver sem sentido.
      Sei como é essa vida corrida...venha sempre que o tempo der uma folguinha.
      Um abraço!

      Excluir
  33. Bia, seu texto lindo é um grito de muitos.Amor por favor,mais amor,por favor,amor,amor,amor...
    beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Yasmine! Sei que pensa (e sente) como eu...um abraço!

      Excluir
  34. Olá Bia!

    Sabe tenho muitos medos, mas os enfrento sempre, uma espécie de exercício de sobrevivência, rs, no entanto é impossível evitarmos as marcas que ficam com as decepções da vida. Um dos medos que mais me incomoda é a decepção, sem dúvida. É simplesmente frustrante a gente acreditar em algo ou alguém e dar com os burros n'água! Isso me amarga até a alma! Em contrapeso existem as possibilidades contrárias, ou seja, às vezes não depositamos muitas expectativas em algo ou alguém e nos surpreendemos com um lento e doce transbordar que nos enche a alma de alegrias, isso é extremamente gratificante. Gostei demais de ler-te novamente! Gr. Bj.!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris! Também a decepção é um dos meus medos, em via dupla. Medo de decepcionar e de ser decepcionada. Mas hoje já consigo conviver melhor com esse medo, quero dizer, não deixo mais que me paralise ou me faça retroceder.
      Até porque, sem esse controle, não abrimos a possibilidade para o transbordar do que é bom. O que é a vida se não um correr de riscos constante? Até quando escolhemos não correr o risco corremos o risco de morrer antes do tempo.
      Adorei seu comentário.
      Um abraço!

      Excluir
  35. Bia querida, demorei mas estou aqui e fiquei tão feliz ao ler teu texto. Adoro essa palavra "transbordar". Por vezes a razão fala mais alto mas, geralmente, sou toda emoção e amo deixar transbordar tudo de bom e bonito que tenho dentro de mim. Um beijo carinhoso.

    => Gritos da alma
    => Meus contos
    => Só quadras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nádia! Seu escritos traduzem muito bem o seu transbordar de alma, a revelação do que se passa no íntimo por meio da colocação das palavras.
      Espero que nenhuma situação roube de você essa capacidade de transbordar, de viver intensamente.
      Um abraço!

      Excluir
  36. Mais um desabafo e uma reflexão tocante, Bia. Como é difícil dominar nossos medos, mas temos que sempre tentar dominá-lo. Aliás, que bom que vc tem conseguido e nada melhor do que se entregar e viver. Sem medo dos tombos, embora eles deixem traumas. Lindo texto como de costume. Beijos e bom restinho de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio! Emoções que nos escapam podem causar estragos devastadores...então sempre que me pego em situação de "perigo emocional" busco reencontrar as rédeas do domínio sobre o medo.
      Um abraço!

      Excluir
  37. Olà Bia,

    Ia perguntar como você està, mas dà pra sentir que està determinada a ser feliz e pelo seu andar, até aos 200 anos :)
    Vou deixar-me de preocupar com suas "revoltas" acredito que tem um coração assim como tantas outras pessoas, mas o facto é que nunca vi (li) ninguém tão racional quanto você no que diz respeito ao dilema apresentado .
    Dizem que a cabeça não funciona se não houver coração, bem, o coração funcionarà sem a cabeça ?!
    Quero com isso dizer que você conjuga e sabe distinguir estas duas partes essenciais à felicidade, brilhante .

    E termino deixando-lhe uma frase de Warren Buffett, frase essa que se caracteriza perfeitamente com suas atitudes .
    ( Honestidade é um presente caro, não espere isso de pessoas baratas )
    A gente sempre é mais feliz quando nada espera de ninguém, se é que você me entende ;)

    Ps: e como você vai viver até aos 200 anos, se algum dia lhe faltar felicidade me avise que lhe envio um mar de felicidade, ainda não sei como, mas envio :) .

    Parabéns pelas suas palavras, aprendi muito com elas .
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Live! É verdade...estou determinada e feliz! :D Legal ler isso, fez eu me dar conta! :DD
      Lendo um pouco mais me fez pensar que tenho mesmo essa visão clara sobre o racional e o emocional, como se eu conseguisse enxergar as duas partes claramente, mas nem sempre tenho domínio sobre elas. Aliás, será mesmo que devem ser dominadas? Ou o transbordar é justamente a ausência do domínio?
      Tenho procurado não esperar mesmo nada de ninguém, embora às vezes isso seja um impulso natural. Mas mesmo quando não se espera podemos ser surpreendidos negativamente (ou positivamente, claro).
      Obrigada pelo carinho, saudades de sua presença aqui. Vou cobrar meu mar de felicidades se precisar. ;)
      Um abraço!

      Excluir
  38. Oi Bia! estava com tanta saudade de voce, de seus escritos sempre tão sensatos, fortes!
    Mas hoje vim aqui e percebo que voce se superou! esse texto está muito lindo, muito esclarecedor para quem deseja conhecer melhor essa pessoa incrível que voce é.
    Nem sei o que dizer. Digo apenas que fiquei encantada, e que espero mesmo, de coração, que todos os anos daqui para a frente sejam de colheitas.
    Que voce colha os frutos de amor que tem plantado, e que seu cesto transborde em alegrias e paz.
    Voce escreve muitissimo bem, envolve e acarinha.
    Um beijo querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ivani, sempre sinto saudades de você também! :)
      Sua gentileza veio dessa vez em tamanho GG...vindo de você teve um significado especial, pois sei que sabe quanto os sentimentos são sinceros. Você tem a capacidade de sentir isso.
      E é interessante perceber como alguém consegue me conhecer tão bem através de escritos quando muitas pessoas ao meu lado não imaginam como sou de verdade.
      Desejo boas colheitas de alegria para você também...tem um coração enorme que merece cada centelha de amor que puder receber.
      Um abraço!

      Excluir
  39. Querida amiga
    Vim para lhe dizer que não me esqueci de ti, nem deste lindo cantinho, peço desculpas pelo meu silencio, mas tem sido por conta da vida, que em certas vezes nos pede um pouquinho de tempo para ela mesma. Vida que apesar de nos trazeres muitos desafios a desvendar, nos trazer a serenidade de te viver com muita alegria, paz e amor.
    Peço desculpas pelo recadinho montadinho, eu queria muito passar pelo seu cantinho para e ficar por mais tempinho e desfrutar do aroma deste lindo lugar, pode demorar um pouquinho, mas voltarei.
    Tenha uma linda tarde coberta de muita paz e Amor!
    Com carinho
    Abraço amigo
    Querida amiga se poder venha conhecer o meu site. http://www.mariaalicecerqueira.com.br/
    O meu muito Obrigado de todo o meu coração. Que Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  40. Oi Bia! Também acho que o medo é o maior empecilho para que as pessoas transbordem seu verdadeiro ser. Apesar de sermos mais livres para expor nossos pensamentos e sentimentos do que no passado, acredito que o medo de não ser aceito ou de falhar impede que assim façamos. Em razão desses conflitos internos, acabamos por reprimir muito de nossa existência.
    Eu estou bem, mas naquela agonia de dar certo logo hahahaha
    E vc??
    Bjos e bom final de semana!
    http://amonailart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  41. Bia,
    fato é que o mundo anda tão carregado de coisas e pessoas com sentimentos mesquinhos , e não é disso que precisamos mesmo, ainda mais quando isso reprime o que há de melhor em nós.
    Bom mesmo é ser assim, livre e não economizar ao compartilhar aquilo que temos de melhor.
    Gostei muito do teu texto, e da mensagem incutida nele. Faz-nos conhecer um pouco mais de você através de você mesma, e isso é ótimo.

    Um beijo!

    http://meninamsicaeflor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  42. "Permitir o sonhar parece-me o meio mais eficaz para tornar a vazão novamente possível." Achei perfeita essa frase, pois é nos sonhos que acalentamos nossas esperanças, tocamos fundo os sentimentos guardados e adquirimos asas para voar à borda e transbordar...
    Bjkas doces e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  43. Boa tarde !!!
    Bom sábado ......
    Vim deixar um abraço, que seu final de semana seja cheio de paz.
    Tem sempre um post valioso, que adoro, o que é muito bonito

    -Uma frase.-

    Um amigo me chamou pra cuidar da dor dele, guardei a minha no bolso. E fui.

    Clarice Lispector

    Abraços
    Rita!!!!

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.