domingo, 23 de junho de 2013

"Quem canta..."

Imagem by Freepik

...seus males espanta!"
Eu sou apaixonada por música desde que me conheço por gente. Há mais ou menos um ano retomei o hábito da adolescência de frequentar shows esporadicamente e tem sido experiências únicas e emocionantes. Depois dos shows, momentos em que me entrego de corpo e alma às sensações com o intuito de guardá-las bem seguras nos melhores compartimentos da minha memória, sempre que escuto novamente as músicas é só fechar os olhos e parece que estou lá na plateia.
Em abril do ano passado, assisti uma reportagem muito interessante no Fantástico (veja aqui) sobre a utilização da música como auxiliar no tratamento do Alzheimer.
Na ocasião um senhor, bem debilitado pela doença, parecia reviver e recuperar o viço após escutar uma de suas músicas preferidas. Os olhos se acenderam e ele passou a falar bastante, estando momentos antes em silêncio e introspecção. Depois apareceram outras pessoas na mesma situação resgatando a alegria e vontade de viver através de experiências musicais. Um senhor estava sendo resgatado da depressão e já se sentia mais seguro para realizar pequenas tarefas cotidianas.
Na ocasião me emocionei com a reportagem...penso que uma das maiores heranças que carregamos conosco são as memórias e perdê-las para uma doença degenerativa é como perder a própria identidade. Saber que a música pode auxiliar nesse regate é maravilhoso, pois não depende de remédios ou tratamentos caros e inviáveis.

Imagem by Freepik

No livro Pílulas de Neurociência, a autora Suzana Herculano-Houzel explica que a música envolve várias áreas do cérebro: uma especializada em ouvir letra e música, outra em compreender os sons e seus significados e outra que se encarrega de produzir palavras e melodias.Quando só escutamos a música estamos usando as duas primeiras áreas. Quando cantamos junto, usamos também a terceira área e fazemos muita ginástica cerebral.
O cérebro também é desenvolvido de acordo com a qualidade da música: notas simples provocam pouco desenvolvimento e logo "enjoam" o sistema de recompensa, enquanto arranjos mais elaborados contribuem para a evolução e desenvolvimento da sensibilidade auditiva. Já músicas demasiadamente elaboradas podem cansar o sistema de recompensa e escutar a música deixa de ser um prazer. Esses parâmetros são individuais e dependem do grau de envolvimento e desenvolvimento de cada um.
No meu caso, acho que o maior ganho para quem ouve músicas é a capacidade de associá-las a sentimentos. Para falar precisamos usar o campo cerebral que cuida da melodia para imprimir a emoção adequada e que produzirá os efeitos esperados. Esses mesmos circuitos cerebrais que criam a melodia usada para expressar sentimentos são acionados pela melodia musical, despertando a sensibilidade emocional e reavivando sensações marcantes guardadas e associadas à música. É como se a música rompesse as barreiras da mente e ecoassem seu compasso pelo corpo todo, numa mistura de pulsação e batidas ritmadas. Ouvir música já resgatou meu coração em dias amargos e evitou que ficasse endurecido.
Sendo usada com finalidades terapêuticas ou não, a música tem o poder de ativar áreas adormecidas do cérebro associando-as a sentimentos. Experimente ouvir uma música quando precisar se desligar um pouco da rotina ou precisar de um veículo que faça chorar toda aquela mágoa guardada. Mas principalmente, escute música quando estiver vivendo uma ótima fase da sua vida ou momentos que deseja aprisionar para sempre na memória. Grave-as em seu Ipod e leve-as sempre consigo como herança para a vida...elas podem um dia ser a ponte de conexão com o passado que o permitirá resgatar sua história e despertá-lo novamente para a vida.
Conte-me...qual é sua música inesquecível?

"Quem não ouve a melodia acha maluco quem dança..."
Oswaldo Montenegro

Sugiro como leitura complementar o texto da Luma, do blog Luz de Luma (clique aqui), que fala sobre os benefícios da musicoterapia. 

68 comentários:

  1. A música é o silêncio em movimento.
    Fernando Sabino


    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Margoh! Lindo escrito...é como ouvir o silêncio em forma de poesia. Um abraço!

      Excluir
  2. Sempre lindo teu modo de nos falar, escrevendo! Realmente a música faz muito bem. E interessante esse resgate que ela pode fazer! beijos,linda semana ,bem musical! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! A música sempre me proporcionou essa capacidade de retornar a momentos e pessoas à ela associadas, mas achei mesmo fantástico saber que ela pode quebrar as barreiras impostas por uma doença. Um abraço!

      Excluir
  3. Bia, existe uma música do Jerry Adrianni (será que alguém o conhece...rssss), Querida, que só de pensá-la, automaticamente a imagem da minha mãe se forma na minha mente e eu a ouço cantar para mim, pois essa música foi trilha sonora da minha infância. cantanda por ela. 8jos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eder, eu lembro bem do Jerry Adrianni, me traz boas recordações infantis do tempo em que eu assistia o programa "Qual é a música" com a minha avó...a música tem esse poder mágico de nos recolocar em algum lugar da nossa história onde nos sentimos bem. Obrigada pela partilha. Um abraço!

      Excluir
  4. Bia,

    A música é mesmo um santo remédio! Realmente não tenho uma música inesquecível, tenho várias! Bons momentos são quase sempre acompanhados de uma boa música e ela fica gravada na alma da gente. Acho muito bacana essa sua retomada do hábito de ir a shows, eu ainda não consegui fazer isso, não com os grandes onde há multidões. Tô numa fase que prefiro pequenas apresentações numa proximidade maior com quem canta. Enfim, quem sabe um dia volto a ser um pontinho numa plateia qualquer por aí.. rs. Gr. Bj. e uma semana musical e de muita Paz pra vc Bia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris! Como em minha cidade praticamente não há shows nos gêneros que aprecio, passei a ir à Capital para assisti-los em teatros. Ainda gosto de shows ao ar livre, com várias pessoas, mas a acústica dos lugares fechados e menores é incomparavelmente melhor e a sensação que a música causa parece mais intensa e marcante.
      Enfim...quem sabe um dia nos encontramos em alguma plateia por aí? Volta e meia acesso as músicas que indica em seus posts e são de ótimo bom gosto.
      Um abraço!

      Excluir
  5. Olá Bia, a música é uma excelente terapia para todos os males e cada vez vem sendo mais usada para ajudar nas mais variadas doenças! Grata por partilhar este assunto. Um beijinho e bom domingo Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime! É justamente sobre isso que trata o post complementar da Luma, sobre as doenças que podem ser tratadas através da música. Um abraço!

      Excluir
  6. Bia, um beijo no seu coração. Eu sou um apaixonado por música, e não importa o ritmo. Gosto de tudo ou quase tudo. Eu fico imaginando se existe alguém que não goste de música. E se existir, como é a vida dessa pessoa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paulo, como vai? Eu não diria que gosto de tudo, mas certamente a música faz parte da história da minha vida. Fiquei pensando na pergunta que deixou aqui...não consigo imaginar como é a vida de alguém que não gosta de música. E como são seus sentimentos. Um abraço!

      Excluir
  7. Música faz bem pra alma, pro corpo e pro ambiente em volta da gente. Eu sou eclética em relação ao gênero musical. Gosto de tudo dependendo da hora e local.
    Tem um versinho que diz assim:
    "Quem canta, seus males espanta!
    E quem canta seus males?
    Quem canta seus males, espanta!
    Espanta a alegria, espanta e esperança, espanta a fé e espanta até os amigos."
    Bjkas doces!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marly! Gostei dos versinhos...ficar falando do que é triste afasta mesmo coisas boas. E tem razão, a música da hora depende de vários fatores: hora, local, humor, sentimentos, e por aí vai. Um abraço!

      Excluir
  8. Oi Bia!
    Eu adoro música e vivo a cantarolar na hora do banho, se o vizinho não gostar não pode falar nada, só se mudar, pois é meu inquilino,kkk
    Minha música preferida como já sou mais velha é:
    Roberta de Peppino di Capri.
    Obrigada
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli! Eu moro em um prédio, dentro de um condomínio, então às vezes fico me policiando para não cantar muito alto no chuveiro, hahaha. Ainda bem que você não precisa se preocupar com isso!
      Eu lembro dessa música, eu era criança e Peppino di Capri fazia bastante sucesso.
      Um abraço!

      Excluir
  9. Sim, você tem que desfrutar da música como um elemento que reforça o espírito, não consigo passar um dia sem música, quando eu tirar fotos quase sempre escutar a música!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leovi, suas fotos sempre são carregadas de sentimentos e não me espanta saber que a inspiração é regada à música. Um abraço!

      Excluir
  10. Olá, Bia.

    Cada um, como num filme, tem a sua própria "trilha sonora". A música dá conta do nosso ritmo e dá ritmo à vida. Adoro "Amanhã" de Guilherme Arantes, cantada por Caetano Veloso.

    Um abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon! Essa música é bem suave e carregada de esperança...bela escolha como música inesquecível. Essa questão pessoal de cada um ter trilha sonoro me parece revelar muito sobre o que se passa no íntimo de cada um...um abraço!

      Excluir
  11. Bia,vc me deu uma ideia genial!Meu pai tem Alzheimer e ele toca piano,canta e nos deixa abobados pois se lembra de letras de óperas da época de juventude dele.Vou gravar num ipod e dar a ele pra escutar e cantar junto!Obrigada por essa dica!bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anne! Fico feliz que esse post a ajude a fazer a conexão com a memória do seu pai. :) Na reportagem falaram isso também, que apesar da doença as pessoas conseguem se lembrar da letra das músicas marcantes perfeitamente, o que é objeto de estudo por ser ainda um mistério para a ciência. Um abraço!

      Excluir
  12. Olá!Boa tarde
    Bia
    uia, faz tempo que não vou à nenhum show...preciso retomar, como vc está fazendo!
    Li uma vez, não me lembro onde,que Pitágoras considerava a música (e a dieta os dois) principais meios de limpar a alma e o corpo e manter a harmonia e a saúde de todo o organismo, por isso considero muito aqueles que propõem/estudam/estabelecem a utilização da música para fins terapêuticos/medicinais.
    Eu não tenho nenhuma música inesquecível.São várias!Na verdade, para cada situação e sentimentos, a escolha de uma música.Então, como sou muito intenso e volúvel, umas três por dia.
    " A música é um fenômeno acústico para o prosaico. Um problema
    de melodia, harmonia e ritmo para o teórico; e o desdobramento das asas da alma, o despertar e a realização de todos os sonhos
    e anseios de quem verdadeiramente a ama."
    ...desconheço a autoria...
    sim..me cuidadndo...Obrigado pelo carinho das palavras em meu blog
    Boa semana
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis! Super-recomendo que retome o hábito de ir em shows se isso o agrada...tem sido experiências únicas e que me ajudaram muito nessa transição que passei recentemente.
      Eu não sabia essa consideração de Pitágoras acerca da música, obrigada por partilhar aqui.
      Eu também tenho várias músicas inesquecíveis e fica difícil escolher uma só...mas acabo sempre pendendo para aquelas mais românticas com apelo pop/rock.
      Linda a citação que deixou...certamente me encontro entre a terceira categoria, daqueles que amam, sempre. Um abraço!

      Excluir
  13. Bia nem imagino a mundo sem musica, gostei da dica do livro e depois vou ler o post da Luz de Luma....qdo me sinto sozinha mesmo que esteja na nete por exemplo a musica me faz companhia e que excelente a musica na vida de quem tem problemas de saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia! Esse livro é mesmo bem interessante, faz revelações surpreendentes acerca do cérebro e seu funcionamento.
      Ler seu comentário me fez pensar que mesmo estando sozinhos, quando estamos ouvindo música não estamos sozinhos de fato.
      Um abraço!

      Excluir
  14. Uma noite eu tava muito,muito triste. Então,conversava com um amigo pelo MSN e ele me perguntou o que eu tinha. Falei que não era nada, eu não tava pra muita conversa. Então ele disse: "Ouve música comigo?"... Respondi que sim e ficamos os dois madrugada a fora, ouvindo as músicas lindas que ele escolhia pra me deixar melhor, sem falarmos nada, porque a música falava por nós.

    Lendo você, lembrei disso e me emocionei de novo.

    Beijo,Bia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milene! Ler seu comentário me arrepiou e emocionou de verdade...a música tem essa magia encantadora de restaurar os sentimentos e tornar desnecessárias as palavras.
      Seu amigo me pareceu uma pessoa muito sensível por ter escolhido a música como veículo para estar com você nesse momento e se lembrar causa emoções, é porque foi importante.
      Obrigada por compartilhar aqui esse episódio.
      Um abraço!

      Excluir
  15. Bia,
    no mês de abril, toquei por alto neste assunto que considero de grande importância para o desenvolvimento/aprimoramento pessoal.Os sons agradáveis, rítmicos, nos elevam a estados de satisfação e compreensão marcantes através duma memória musicalista, compondo a trilha de nossa vida(tema muito visto também aqui na blogosfera).
    Os benefícios são terapêuticos em grande escala, além de nos traduzir em sentimentos sonoros.

    Uma boa semana.Bjo.
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu! Vejo mesmo o assunto circulando pela blogosfera e o quanto a música é universal e versátil. Há tempos estava com esse post no rascunho pois achei interessante dica para quem tem conhecidos com mal de Alzheimer.
      Mais música para os ouvidos do mundo! :)
      Um abraço!

      Excluir
  16. Bia,

    Eu preciso de ouvir musica assim como preciso respirar e beber agua.
    Ela já me resgatou infinitamente de muitos dias de solidão e lágrimas. Não deixo de observar os musicos que tocam pelas ruas, admiro.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym! A música é companheira fiel em momentos de dor, alegria e saudade. Há músicos de rua muito talentosos, na Capital do estado onde moro há inúmeros se apresentando brilhantemente no calçadão principal, dignos de aplausos.
      Um abraço!

      Excluir
  17. Também sou apaixonada por música, Bia e creio que ela traz muitos benefícios em nossas vidas. Excelente post! Parabéns! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbie! Obrigada pelo carinho, um abraço!

      Excluir
  18. adorei o tema e vou ler as tuas indicações. tudo novidade pra mim... bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jeanne! Espero que as indicações a agradem, a matéria da Luma é muito boa, um abraço!

      Excluir
  19. Também sou apaixonado por música, Bia! E música só faz bem mesmo. Mas claro, boa música. Gosto é gosto, mas tem algumas músicas que nem podem ser chamadas de músicas... Eu cheguei a ver essa matéria no Fantástico. É bacana msm. Adorei o post! Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio! Pelo que entendi nas explicações do livro boa música seria aquela com arranjo musical mais apurado, porém de acordo com a evolução do apuro musical de cada um esses arranjos podem parecer cansativos, ou seja, é uma questão muito peculiar de cada um. Essa matéria é bem legal, é impressionante ver o entusiasmo de pessoas que antes estavam apáticas. Um abraço!

      Excluir
  20. Cada nota de uma canção é uma porta para uma sensação; a casa esta cheia de poesia, de flores e o chazinho da tarde, eis que surge no meiu da canção aquela mesma nota que esteve neste dia de amor fraternais, que divino, é mais uma porta da canção! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ives! Canção transpira poesia e talvez por isso proporcione o resgate da alma. Alma sem poesia torna-se amarga. Um abraço!

      Excluir
  21. Oi Bia!
    Para mim escutar música é um dos maiores prazeres da vida! Cada uma delas vem carregada de sensações muito peculiares. Algumas me despertam sentimentos fortes e chego a chorar ouvindo-as, outras me fazem rir, querer dançar.
    Eu amo música e acho que o mundo seria muito triste se as notas musicais não existissem!

    Beijos e boa semana!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria! A música tem mesmo essa interferência sobre o estado de espírito...além do variado gosto musical que as emoções produzem já me aconteceu várias vezes de escutar uma música e chorar muito e em outro contexto escutar a mesma música com um sorriso nos lábios. Vai muito do momento, né? Um abraço!

      Excluir
  22. Mt bom o efeito da música no cérebro, não sabia que era algo tão elaborado. O que mais acho interessante é a capacidade de retirar sons de objetos e concatenar esse som em uma melodia, é algo realmente fantástico.
    Bjos!
    http://amonailart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Val! O processo que a música realiza no cérebro é muito complexo e fascinante!
      Gosto muito da habilidade de pessoas retirarem sons de objetos e até utilizar seu próprio corpo como meio de percussão. E esse processo de combinar sons formando a melodia requer extrema sensibilidade e criatividade. Concordo, é fantástico!
      Um abraço!

      Excluir
  23. Olá minha amiga Bia!

    Gosto muito de música e em várias ocasiões.
    No momento, ando mais concentrada nas músicas dos anos 60', devido ao romance Jake e Mary que estou a escrever. O meu gosto musical é bastante eclético.
    E por falar no blog/livro Jake e Mary, o Capítulo 4 - Praia de Venice, já está publicado online no blog.

    http://jakeemary.blogspot.com/2013/06/capitulo-4-praia-de-venice.html

    Convido a todos para conhecerem a história.
    Obrigada!

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris, é bem interessante o que disse...ouvir a música como veículo para auxiliar a desenrolar a trama da história. Os artistas costumam fazer isso, tanto os que escrevem como os que contracenam.
      Já li algumas partes da sua história e assim que for possível vou conferir o 4º capítulo. Um abraço!

      Excluir
  24. Oiii Bia, eu amo shows, sempre que dá certo eu vou com meu marido, sem duvida as musicas nos trazem lembranças de boas e más passagens das nossas vidas, vez ou outra assisto clipes de musicas no Youtube, que marcaram minha vida, é uma volta no tempo! Adoro! Bjooooss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kellen! O Youtube é fantástico nesse sentido...tem dias que acordo com uma música antiga na cabeça e corro pesquisar para escutar. Em geral prefiro as versões acústicas e ao vivo, remetem bem ao clima contagiante dos shows. Um abraço!

      Excluir
  25. Olá Bia

    Também adoro música...


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ani, obrigada por passar por aqui, um abraço!

      Excluir
  26. Oi Bia
    Adorei o post! Eu sou suspeita para falar nisso, pois tenho um filho que se descobriu um músico muito cedo, aos quatro anos, e nós temos incentivado-o, não é fácil, temos que levá-lo de Itanhaém para São Paulo duas vezes por semana, agora ele tem doze anos, são 100 km para ir e para voltar, e são sete anos de estudo, mas sei que será recompensado, pois ele que ser um grande flautista e será! Eu já disse para ele, que isso é maravilhoso, ganhar para fazer as pessoas felizes! Porque é isso que a música faz!
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana! Lembro de ter lido e visto alguns vídeos em seu blog sobre seu filho, ele tem muito talento, deve ter uma sensibilidade ímpar! Concordo contigo que investir nesse talento dele é boa ideia. Eu tenho um primo que na infância era hiperativo (até hoje é, hahaha), e aos 6 anos começou aula de teclado. Isso o direcionou positivamente e hoje, com mais de 30 anos, além de tocar por prazer na igreja, também faz um bico tocando em casamentos.
      A música tem esse lado, de despertar o que o ser humano tem de melhor.
      Sucesso para seu filho, que ele se conserve firme na busca pela realização dos seus sonhos. Um abraço!

      Excluir
  27. Eu também sou apaixonada por música! Vivo cantarolando pela casa rsrss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha, Então somos duas, Lu! :D Um abraço!

      Excluir
  28. Oi Bia,

    A minha opinião sobre a música é que ela deveria ser incluída no currículo escolar.

    Falando por mim, em nossa família, desde o tempo de meus avôs, a música sempre foi passada de pai para filho. Meu pai, tios, todos tocavam algum instrumento musical e nos ensinaram esse ofício que pretendo passar adiante à nova geração que vem chegando.
    Geralmente a noite ou quando saímos para acampamento, pescaria, passeio, o violão sempre vai junto e olha que sei de cor mais de uma centena de boas músicas.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nestor! Na realidade há mesmo a previsão de inclusão da música como parte do currículo escolar, inclusive estão oferecendo cursos de preparo para os professores nesse sentido - infelizmente pouquíssimas vagas, eu gostaria muito de fazer mas ainda não tive a oportunidade.
      A família do meu pai também tem vários membros que tocam instrumentos...meu avô chegou a tocar violino, a maioria toca violão. Acho uma tradição belíssima que acrescenta beleza à vida e quando exercida pela família ajuda a consolidar laços.
      Fiquei imaginando o pessoal em uma roda cantando num acampamento, deve ser o máximo, sempre quis fazer e nunca tive a oportunidade.
      Adorei sua história!
      Um abraço!

      Excluir
  29. Achei super interessante teu texto Mía. Você falou um pouco sobre os aspectos neurológicos unidos aos aspectos emocionais. Adorei!
    Sempre digo que a múaica é uma terapia para a alma. Acredito fielmente no que você descreveu aqui, porque também me sinto emocionada de forma semelhante quando ouço determinadas músicas. É como se fosse um refúgio ou algo do tipo. Enfim, para cada momento de nossa vida, existem músicas diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando li essa ligação sobre a influência da música no campo neurológico achei bem interessante também...nosso corpo guarda surpresas inimagináveis.
      A música pode ser um refúgio, uma companhia, uma diversão, um canalizador, enfim, viver sem ela me parece como viver sem sal.
      Um abraço!

      Excluir
  30. Respostas
    1. Pois é, Vanessa, ela transcende as barreiras do racional. Um abraço!

      Excluir
  31. Eu não entendo como há gente que se diz não ser musicalizada, não é preconceito, apenas não compreendo.
    Não consigo imaginar um mundo sem música, a música é realmente uma terapia e muito mais eficaz que as terapias tradicionais onde precisamos pagar para sermos ouvidos. Porque não precisamos ser ouvidos, ouvimos e a música fala por nós.
    Excelente post Bia!
    Abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chris! Para quem gosta de música fica mesmo complicado compreender como é a vida sem escutá-la.
      Tem músicas que parecem traduzir perfeitamente algo que sentimos...isso algumas vezes me fez pensar sobre outras pessoas podem sentir o mesmo que sentimos e ainda ter o dom de transformar isso em arte. Isso é admirável!
      Obrigada pelo elogio.
      Um abraço!

      Excluir
  32. Oi Bia
    A musica acompanha cada momento importante da minha vida e tem tantas que nem poderia colocar aqui porque se transformaria em um novo post, por onde quer que vamos escutamos musica ou é no celular de alguém ou outro cantarolando. Não tem como viver com musica e não respirá-la, de vez em quando eu e o marido começamos a lembrar de algumas de nossa época e ficamos igual a dois bobos fazendo um show aqui em casa.
    Fiquei emocionada com a reportagem, que bom que há tratamentos através da musica e que fofo eles felizes cantando e reagindo. Muito emocionante mesmo ver a alegria das pessoas.
    Parabéns pelo lindo post que encantou.
    Um lindo domingo. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Verinha! Ah, que delícia ficar dançando com o marido em casa, acho que isso aproxima bastante o casal. Infelizmente ainda não tive a oportunidade de estar com alguém que gostasse de compartilhar isso comigo.
      Mas nada me impede de dançar sozinha de vez em quando com o ipod no ouvido...e muitas vezes minha filha entra na dança também, retirando o fone do aparelho. Dançar é bom demais, né?
      Um abraço!

      Excluir
  33. Oi Bia!
    Tudo bem por aqui?
    Bem, eu também adoro música e é fato que ela está presente em todos os momentos da nossa ( ou pelo menos, da minha) vida.
    Uma que me marcou bastante foi "Quase sem querer" (Legião Urbana). Mas tem tantas outras que me trazem bons momentos de volta: Que vida boa (Victor e Leo), Simples desejo (Luciana Melo)e outras.
    Aproveito para deixar por aqui um desejo de um ótimo domingo!!

    Bejus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Naty, tudo bem!
      A música que citou do Legião e Luciana Melo são duas que adoro demais!!! Embora não goste muito de música sertaneja, há algumas exceções...essa do Victor e Leó acho bem legal, assim como "Deus e eu no sertão". Obrigada por compartilhar algumas de suas músicas preferidas...
      Um abraço!

      Excluir
  34. Olà, Bia

    Se eu fosse falar a relação que tenho com a musica, estaria aqui no minimo uma semana escrevendo :)
    Certamente que você jà leu o que diz no cabeçalho do Live Blog ;)
    E por falar nisso, hoje estamos de parabéns .
    Minha mãe diz que antes de nascer jà dançava bastante no seu ventre kkkk algo que hoje nem no ventre nem fora dele kkkkkk .
    A musica sempre foi a minha paixão, tenho um estudio musical em Portugal e aqui tenho dois pianos que não largo por nada deste mundo, preciso do som sobretudo pianista como do ar pra viver ;)
    E sim, como você disse é algo que faz muito bem ao cérebro, estou bem ciente disso e està mais do que provado a importância de musica no desenvolvimento cerebral .

    Abraços e bom fim de semana, Bia .

    ResponderExcluir
  35. É fascinante a forma como nosso corpo reage a estímulos sonoros. E sem contar que podemos fazer nossa própria trilha sonora diária, não é mesmo? Basta um fone no ouvido enquanto vamos para o trabalho, uma caminhada no parque, uma faxina em casa, rs, etc, e teremos a música que melhor se identifique com nosso estado de espírito do momento. Eu adoro escrever escutando música. Power metal é meu estilo preferido (Eternal Tears of Sorrow...todas).

    Nosso cérebro é mesmo impressionante! E sua postagem me cativou.

    ♫♪ ótima semana pra você, Bia.

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...