domingo, 3 de novembro de 2013

Num abraço cabem uma vida e uma saudade

imagem google*

Devido aos costumes de família fiz minha incursão em visita aos que já se foram. Sei que muitos na blogosfera não tem esse hábito, mas admito que sinto um certo conforto por saber que ainda tenho a graça de poder cumprir essa tradição ao lado dos meus pais e não, em homenagem à eles. Costumo ser muito serena nesse sentido mas é inevitável não pensar na efemeridade da própria vida e voltar-se um pouco para si.

Falando da ambiguidade morte/vida, a verdade é que morremos todos os dias para algo. A cada nova escolha uma pequena morte se realiza, a morte do que deixamos para trás, daquilo que fomos e passaremos a ser a partir da nova escolha. Mas enquanto há vida biológica cada morte representa o início de uma nova vida, um novo aprendizado, novos desafios, conquistas e alegrias... ou uma nova morte se não há mais satisfação pessoal. Muitos não se dão conta de que aí está a mágica do dom da vida, a capacidade contínua da renovação, e perdem de utilizar esse dom estagnados em uma UTI emocional.


imagem google*

Lembro da saudosa tia Vânia* que me ensinou a abraçar. Nos conflitos típicos da adolescência me esquivei naturalmente do pai (atitude explicada por Freud) e nunca tive uma relação de toque com a mãe. Lembro-me que me retraía um pouco com o abraço, como se  invadisse uma delimitação que me deixava protegida e segura.

Ela me ensinou, com seus demorados e pacientes enlaces, que o próprio abraço é sinônimo de proteção e segurança. Que no aconchego quente e sincero nada pode nos atingir, magoar ou derrubar, e aos poucos, abraçá-la tornou-se um ato tão natural que até hoje abraço carinhosamente as pessoas que gosto. Há linhas que defendem um número mínimo de abraços por dia (8, 10, 12...)... eu defendo a tese de que não há um número que defina a qualidade de se sentir abraçada - é a entrega, o carinho e a verdade com que é dado.

Com o tempo e uma alma sensível demais para esse mundo a tia decidiu morar em uma comunidade distante e não a vi mais nos últimos dez anos que antecederam sua partida. Mas o efeito daqueles pacientes e demorados abraços se desdobram até hoje em torno das pessoas que amo.

Há pessoas que sabem como ser sementes.

Eu acho que vou fazer uma plaquinha dessa! :)

Vídeo da campanha Free Hugs que distribui abraços gratuitamente. Conheça a história do projeto aqui
Leitura complementar linda recomendada, aqui. 


*Nome da tia trocado.
*As imagens foram retiradas do Google. Direitos sobre imagem, por favor, entre em contato para que eu dê os devidos créditos.



[à parte: quando terminei esse post estava precisando muito de um abraço. a campainha tocou e era minha sobrinha de quatro anos. ela veio com meu pai buscar minha filha para uma festa e disse que precisava subir porque a tia gostava dela "desse tamanho" e me deu um longo abraço. é fantástica a continuidade da vida.]

82 comentários:

  1. Bia, especial mesmo estar ao lado de teus pais neste dia de homenagens aos que já partiram.
    Especial também foi o abraço assim surpresa e imenso em amor de tua sobrinha!
    Quando eu morava na av Paulista, vi um movimento desses de "abraço grátis" e não tive dúvidas - fui lá ser abraçada!
    Indescritível a sensação: não era um abraço rápido, mecânico ou sem emoção. Tinha uma força, uma energia. Realmente marcou!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Hoje tenho consciência do quanto é necessário valorizar esse convívio.
      Nossa, você nem imagina mesmo a surpresa da visita! Minha filha já havia decido e pensei que havia esquecido algo... quando ia falar vi aquela pessoinha sorrindo com os bracinhos esticados, logo quando eu estava prestes a clicar em "publicar"... foi mágico.
      Adorei seu depoimento sobre a participação no movimento! Tenho mesmo a impressão de que aquele que se dispõe a segurar uma placa publicamente dizendo que oferece um abraço, a quem quer que seja,s eve fazê-lo de forma especial.
      Um abraço!

      Excluir
  2. Olá, querida Bia
    As crianças sempre nos reconfortam à alma... elas têm inocência e nos infundem amor puro, genuíno sem impasses e rancores...
    Hoje é um dia abençoado pois nos remete à VIDA PLENA...
    Seja alimentada na essência do seu ser!!!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosélia!
      Por isso adoro as crianças, sobretudo as pequenas. Conservam uma inocência e uma sinceridade ímpar.
      Um abraço!

      Excluir
  3. Oi Bia,
    Eu fui criada sem abraços, mas não sem amor; minha mãe vivia me beijando e eu não gostava, mas deixava. Fui sentir o gosto do abraço quando adotei meu filho e até hoje com 30 anos me da aqueles abraços apertados tão gostosos.
    Que tenha muitos abraços
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli!
      Também tive amor dos dois, e muito carinho do pai. Minha mãe é mais reservada até hoje nesse sentido, mas melhorou bastante, hahaha!
      Que lindo ter o reconhecimento de um filho, ainda mais aquele de coração! Abraçá-la até hoje é um gesto genuíno de agradecimento!
      Vou querer todos os abraços desejados. :)
      Um abração pra você também!

      Excluir
  4. ... Pois, sinta-se envolvida pelo um quente e fofo abraço cheio da boas energias!
    Bia, bela reflexão, realmente morremos e vivemos a cada segundo, a vida segue seu curso natural, cada ser opta por viver conforme seus preceitos, acredito na causa e efeito. Espero um dia deixar boas sementes para ser eterna.

    Tenha um ótimo domingo!

    Bjãoooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Esse abraço tenho certeza que vem cheio de boas energias! Você me parece aquela pessoa que dá um abraço firme e cheio de calor, me lembra minha amiga Sandra, que abraço todos os dias quando chego ao trabalho à tarde!
      Tenho tentado deixar muitas sementes por aí... sabemos que nem todas vingam, mas as que vingarem que sejam frondosas, duradouras e perpetuem-se por mais pessoas.
      Um abraço!

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis!
      Sempre estamos diante dessa dualidade... escolher o que deseja escolher, ou o não escolher que também é uma escolha. Não há saída, né, ou se segue por uma via, ou por outra.
      Todos temos medo de errar e com o passar do tempo, mais ainda, pois já erramos e não desejamos repetir os erros, porque sofremos e queremos acertar. Mas não dá para ficar presa à essa roda porque lembremos, a não escolha é uma escolha. hahaha, Que coisa!
      O importante é que buscamos acertar, e quando buscamos com a sinceridade do coração, acertamos.
      Eu nunca vi a campanha, nem na capital próxima da minha cidade, mas gostaria de fazer isso um dia. Quem sabe... se eu fizer eu volto para contar, hahaha.
      Sabe, Felis, ontem eu estava inquieta, com vontade de escrever sem saber muito bem o que, e conforme as lembranças foram vindo, as lágrimas também, como se esse abraço que estava guardadinho estivesse ganhando vida, de forma que até agora o efeito é o mesmo, :') Chorando e sorrindo, sou grata por ter aprendido a me doar e a como olhar a vida de uma forma diferente com ela. Me fez muita falta nos anos finais da adolescência.
      Um abraço, obrigada sempre.

      Excluir
    2. 웃Olá!Bom dia, Bia,
      "Escolher é excluir"...e é difícil saber que isso é uma realidade, ( não escolher, também, é uma escolha)...e só faz escolhas,quem toma decisões... basta não ter medo de errar, mas erre tentando acertar... e como não há como prever todo o futuro ,só com a escolha, é preciso estar preparado para, muitas vezes, ter de ajustar o caminho,
      ... a capacidade contínua da renovação, nada acontece por acaso, por ruins momentos, coisas boas estão por vir...
      Eu abraço essa campanha , *Free hugs *sempre... Estamos tão desacostumados , que, na primeira vez, levei um susto,quando me vi cercado de pessoas com essa placa...웃 웃
      Ah, Tia "Vânia"... o seu abraço podia ser de conforto, amizade, carinho ou amor.. Mas ficou lá..guardadinho no peito, e te aquece quando dá aquele gostinho de saudade…!
      Sua sobrinha sabe o que é bom..
      Agradeço pelo carinho!
      Belo domingo!
      Beijos e abraços, 웃 웃

      ((((((( sorry, eu exclui o anterior, hehehe,nossa, ficou uma bagunça ,o meu comentário , que será q aconteceu para repetir o comentário? Mistério!!!!!!!
      Aqui, na praia, tem uma turma de estudantes ,com a placa "Free Hugs", sempre! Só saio deles quando estou com a pele ardendo pelo sol tomado, e quando estou cheio de areia, eu que corro para eles, hehehe! #brincs
      Agradeço!
      Bela semana!
      Beijos

      Excluir
  6. Esses rituais devem ser cumpridos sempre que houver nossa vontade. Lindo homenagear os que se foram. Bom poder fazer isso com a família,né? E ao final esse abraço veio em forma de um agradecimento da tia Vânia!...Lindo demais! beijos,chica e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica!
      Admito que gosto de rituais, penso que são elos importantes que sustentam e fortalecem sentimentos em comum.
      Esse abraço recebido da minha sobrinha de forma tão especial está no holl dos inesquecíveis, foi um momento surpreendente e marcante.
      Obrigada pelo carinho, um abraço!

      Excluir
  7. Bom dia Bia.. acho sublime este lembrar.. eu não tenho costume a ir em cemitérios para tal.. pq é um lugar de uma energia um tanto carregada.. mas respeitar sempre claro.. é como ouço as vezes cada dia que acordamos nascemos de novo pq ao dormirmos nossa alma sai de nós.. ou seja a gente morre pela noite e nasce pela manha.. e que todos os dias possam ser sempre melhores.. muito gente tem medo de falar da dama de capa preta.. eu adoro e não a temo pq um dia ela virá mesmo.. então faço minha visão.. tem um livro que se chama o livro que mata a morte- de mario roso de luna.. explica muito bem.. mas é muito profundo e temos que ler e reler.. bjs e um lindo dia pra ti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samuel!
      Compreendo que há pessoas que não se sentem bem em cemitérios e respeito isso, acho que devemos ir/fazer aquilo que nos faz sentir confortável.
      Em leituras na adolescência li muito sobre essa tese de que a alma sai do corpo durante a noite e seria ligada ao corpo por um cordão prateado... penso que há muitos mistérios e todas as linhas de pensamento podem ser possíveis.
      Admiro a serenidade com que aguarda a morte, isso mostra uma grande evolução espiritual.
      Obrigada por compartilhar uma visão tão peculiar sobre o post.
      Um abraço!

      Excluir
  8. Puxa Bia, vc comenta a visita ao cemitério que me fez arrepender por nunca, nunca mesmo ter ido visitar alguém morto. Mesmo os mortos amados.
    Obrigada.
    A gente morre um pouquinho todo dia e aprende,as vezes pouquinho, todo dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Liliane! Essa questão de visitar é cultural, penso ser uma tradição que passa de geração para geração, é compreensível que algumas pessoas não a adotem. Até porque muito mais importante é a ligação que se teve em vida.
      Aprendemos mesmo, um pouquinho, ou um montão, todos os dias.
      Um abraço!

      Excluir
  9. Bia, outro dia eu conversava com uma amiga sobre isso. como as pessoas mais antigas eram endurecidas e tinham dificuldade em expressar carinho. Muitas mal conseguiam abraçar.
    Nossa geração mudou isso, graças a Deus! Acho lindo ver pessoas se cumprimentando com abraços. Faço isso com minha família e amigos pq acho importantíssimo demonstrar afeto.
    Um beijão, curti mto o movimento Free HUgs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty!
      Minha mãe é assim pela dureza com que foi criada por minha, avó, que também sentiu as consequências de uma vida dura... sinto-me abençoada por ter tido em minha vida pessoas tão diferentes, cada uma me ensinou a seu modo.
      Ler seu comentário me fez pensar como é bom identificar, numa sociedade tão fria e egoísta, um gesto generoso que se tornou natural.
      Eu achei o movimento maravilhoso! :)
      Um abraço!

      Excluir
  10. Um abraço lapida o coração, envolve a alma em segurança, doa a certeza de que os sentimentos unidos elevam a qualidade da vida na Terra! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ives!
      Lindo escrito, como andamos carentes dessa qualidade de gestos genuínos, não?
      Um abraço!

      Excluir
  11. Olá Bia, passei para agradecer sua visita e o comentário que deixou obrigada, volte sempre.
    Lindo e emocionante mensagem. Num abraço cabe uma vida e uma saudade. Parabéns querida!!
    Quero te deseja que você tenha uma noite abençoada e
    Onde estiveres...
    DEUS te guarde!
    Por onde andares
    DEUS te guie!
    O que decidires...
    DEUS te ilumine!
    Em todos os dias de sua vida
    DEUS te abençoe!!!
    Beijos
    Boa Noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lourdes!
      Obrigada por seu carinho, que essa oração se estenda a todos que passarem por aqui. Um abraço!

      Excluir
  12. Respostas
    1. Oi, Ricardo! Muito obrigada pelo carinho, conservar a sensibilidade é um desafio diário. Um abraço!

      Excluir
  13. Bia,

    Não gosto de visitar cemiterios, especialmente em Finados. Perdi primeiro uma Tia muito querida e que não me esqueço, depois meu Tio irmão de meu pai, este fez muita companhia quando viúvo para mim, irmã e mãe. Era um tio muito bacana. 4 anos depois, o meu pai que tenho enorme saudades, no mes seguinte minha Tia (prima-irmã-amada de meu pai - acho que ele morreu antes de desgosto por saber que ela estava tão mal) 3 anos depois a namorada dele que eu e minha irmã amávamos. Em dezembro passado, a Tia que nos criou e não era tia de sangue, só de amor. A minha família é meio invertida, porque meu pai era muito idoso, assim meus primos de primeiro grau tinham a idade de minha mãe. Os primos que brincavam eram o de 2o grau.

    Sobre abraço, era meu pai o carinhoso, minha mãe nunca deu sequer um beijo.
    Adoro abraço, carinho, olhar nos olhos, conversas, e isso tudo se foi quando meu pai partiu.

    Adorei a tal plaquinha, vi isso na TV um dia, achei bárbaro. Boa idéia e não é 51! hahahah

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      Já teve muitas perdas significativas na vida...é como eu disse acima, o importante não é cumprir ou não uma tradição, essa uma questão de escolha e cultura, mas o carinho que transpassa a maneira como descreveu os amados que se foram. Para lembrá-los com saudade não há necessidade de visitar um cemitério.
      Percebi a grande falta amorosa que seu pai lhe faz e o que eu posso oferecer é meu abraço e meu olho no olho quando estiver por perto! :D
      E nesse encontro, podemos fazer umas plaquinhas dessas, o que acha? hahaha
      Um abraço!

      Excluir
  14. Bia não creio que a morte seja o fim em si. Abraços e beijos aproximam almas. Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eder, não acredito também que a morte signifique o fim. Ainda não tenho certezas sobre a reencarnação, mas acredito firmemente que há uma continuidade.
      As mortes das quais falei são as cotidianas e por que não, saudáveis.
      Quero as almas que amo bem pertinho de mim, muito abraço e beijo a ser distribuído sempre!
      Um abraço!

      Excluir
  15. Oi Bia,

    Esse texto me tocou profundamente....me lembrei de tantas coisas....tantas coisas boas.....que bom!

    Um gesto de carinho, um abraço e um beijo tem poderes milagrosos...

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa, fico muito feliz que o texto tenha despertado lembranças boas em você, isso já vale cada palavra escrita!
      Um abraço!

      Excluir
  16. " Todos os dias morremos para algo..." Perfeita essa frase, ainda não havia parado para pensar assim. Parabéns, texto maravilhoso. Um bj querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nádia. O importante é sempre lembrar das possibilidades de renascimento. Um abraço!

      Excluir
  17. Olá Bia adorei a sua reflexão que também tocou bem fundo no meu coração.! O seu texto fez-me lembrar um cântico que diz " se o grão e trigo não morrer na terra é impossível que nasça fruto! E a sua tia soube ser semente que germinou tanto carinho! Abençoada. E cada criança que nasce é uma dessas sementes maravilhosas com que Deus nos presenteou! Delas emana o mais puro amor e são genuínas! Imagino como o abraço dessa criança a deve ter deixado tão reconfortada! Acho que o abraço das crianças é diferente de todos os outros! Um bejinho e uma boa semana. Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime!
      Até na morte da semente para o nascimento do fruto há o mistério da vida. Minha tia me ensinou a enxergar o mundo de uma forma diferente, sem preconceito, com fantasia e generosidade. Escrever esse texto mexeu comigo também.
      Eu abraço muito meus sobrinhos e recebê-la num momento em que eu estava tão sensível foi especial.
      As crianças em geral trazem essa carga de verdade e espontaneidade em suas atitudes.
      Um abraço!

      Excluir
  18. Bia que delicia de abraço né mesmo rsrsr e como nos faz bem.
    Essa semana perdi um primo que iria completar 56 anos dia 5, ele se foi dia 31..... faz 25 dias que descobriu que tinha câncer, já passou mal foi pro hospital, fez 3 cirurgias e na ultima já saiu em coma e não voltou mais. É claro que esses baques nos faz pensar e pensar e pensar no que estamos deixando morrer dia apos dia....as vezes somente um susto como esse acende aquela luz que as vezes teimamos em apagar.
    Apesar de tudo fico feliz que enquanto estiver com folego de vida posso começar, recomeçar e comer....e recomeçar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia!
      Sinto muito por sua perda, ainda mais por ter sido tão repentina. Essa é uma doença que castiga demais a pessoa. Essa minha tia que citei morreu de câncer de pele, ela foi para uma comunidade plantar alimentos para serem doados às pessoas carentes e a pele clara não suportou os castigos do sol. Meu pai chegou a visitá-la dois meses antes de sua partida. Perdi uma outra tia queridíssima para a doença, essa eu acompanhei seu sofrimento de perto por um ano, não foi fácil...
      E como disse, acompanhar essa dor me fez repensar muitas coisas na minha vida, em como nos preocupamos com bobagens e como deixamos que pessoas e prioridades vãs tomem nosso tempo e nossa vida. Então passei a pensar que não desejo ter uma doença para lembrar da especialidade de estarmos vivos, embora às vezes me perca um pouco pelo caminho.
      Patrícia, que bom que apesar de tudo seu fôlego continua disposto a sacudir a poeira e dar a volta por cima.
      "Acende aquela luz que as vezes teimamos em apagar"... essa sua frase me fez pensar como às vezes somos tão resistentes para o óbvio, não?
      Quero que se sinta longamente abraçada e confortada em sua perda. Obrigada pelo carinho, sempre!

      Excluir
  19. Nunca gostei de acompanhar minha mãe, pois achava muito estranho, é como se fosse um culto à algo ruim (à morte), além de ter medo de almas penadas hahahahaha
    Acredito que o abraço é aceitação, aceitar o abraço é aceitar a pessoa que o lhe oferece.
    Bjos!
    http://amonailart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Val!
      Eu nunca tive problemas em ir ao cemitério, mas o que comentou me fez lembrar meu sobrinho de oito anos, hahaha, ele foi conosco e estava bem tenso, hahaha. Aí fiquei explicando as coisas de uma forma mais leve e parece que ele se aquietou um pouco, hahaha. Já a pequena morreu (trocadilho tosco) de curiosidade!
      Linda sua definição sobre o abraço... é mesmo um gesto de aceitação. Tanto que sua recusa é em geral um gesto de autoproteção de algo que não nos sentimos à vontade para receber.
      Adoro quando vem aqui! :)
      Um abraço!

      Excluir
  20. Olá, Bia.

    Somos espíritos imortais, vivendo momentaneamente uma experiência biológica, mortal. As pessoas que abraçamos e que nos abraçam, no até logo de sua viagem, nos deixam o doce abraço de sua lembrança. E na certeza de que não existe adeus, aguardamos um dia, o reencontro de tantos abraços.

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon!
      Eu acredito nesse reencontro, quando há o amor sincero entre as partes. Penso que o amor é um sentimento capaz de transcender as barreiras entre vida e morte e tem força suficiente para ter continuidade.
      Um abraço!

      Excluir
  21. Achei lindo e muito significativo a sua frase sobre a nossa morte, a partir de cada escolha. Talvez eu nunca tenha pensado nessa metáfora. Muito legal Bia.
    Eu, confesso, que por muito tempo detestei abraços e qualquer tipo de proximidade com as pessoas. Mas eu também tive a minha Tia Vânia. Hoje, sou dependente de abraços e talvez apenas um abraço de quem amo seja capaz de mudar o meu semblante e o meu coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, é que morte geralmente sugere algo ruim, mas se pensarmos assim, muitas mortes que sofremos diariamente são boas, a partir delas é que vamos nos construindo e construindo nossa felicidade, mesmo que haja dor inicial.
      Que bom ter tido uma tia Vânia em sua vida :D para quebrar essa barreira que levantamos de proteção! Penso que só pessoas especiais reconhecem o valor de ensinamentos de pessoas como elas!
      "... apenas um abraço de quem amo seja capaz de mudar o meu semblante e o meu coração". #tamojunto
      Um abraço!

      Excluir
  22. Oi Bia, saudades!

    Eu, devido ao meu psicológico, não mais tenho seguido esse ritual do dia 02/11...

    Abraços? Penso eu que nada fala tão alto ao nosso coração...amo abraçar, ser abraçada, principalmente pelos meus filhos.

    Esse abraço de sua sobrinha, abriu um sorriso gostoso no meu coração.
    E, mesmo virtual, aproveito para deixar o meu pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Majoli!
      Saudades de você também!!
      Cada um sabe quais são seus limites e o importante é que não os force para cumprir um ritual, é preciso respeitar-se acima de tudo.
      Minha sobrinha é uma pessoinha que abre sorrisos por onde passa, é um docinho em forma de gente, que bom seu gesto ter despertado um sorriso em você!
      E agradeço demais o abraço oferecido, pode ter certeza que mesmo enviado virtualmente, chegou até mim! :D Outro para ti!

      Excluir
  23. Bia!
    Só tenho uma frase para você.
    Eu nunca vi uma pessoa ainda jovem tão sensata!
    Você tem que se orgulhar disso.
    Admiro-a cada dia mais.
    Um beijo
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por seus elogios, Dorli, sei que são sinceros. A cada dia enxergo mais sobre o que se passa à minha volta, a contra-mão é que isso é um pouco complicado para quem tem um grande coração. Sensatez não combina muito bem com sensibilidade...pelo conhecimento estou buscando sensatez...talvez buscando me proteger da própria sensibilidade.
      Um abraço!

      Excluir
  24. Bia, boa tarde querida!
    Você sempre tem palavras tão cativantes...
    Sabe, parece que escreveu diretamente para mim...

    Eu não tenho o costume de visitar os cemitérios no dia de finados.Mas mantenho-me recolhida e contida neste dia, absorta em um estágio de pura contemplação ..
    Penso diretamente nos meus entes queridos que perdi e deixaram aquela marca insuperável na minha vida! Meu avô materno foi o primeiro e me deixou bastante saudosa de suas brincadeiras, de seu carinho! Minha tia Tarcila, que se foi prematumente, vítima de um AVC , até hoje corrói minhas lembranças de tanta saudade que dá! Ela sempre fora minha companheira na infância, me dando muito carinho e amor!

    Gestos de carinho, esses, aliás que não recebi de meus pais: eles nunca tiverem o costume de abraçar, de beijar! Mas sempre me amaram do jeitão afastado deles.
    Agora, com o netinho, estão mais descontraídos e o abraçam sempre! Mudaram bastante! Mas creio que quanto aos filhos, é difícil mudar de atitude , apesar de eu tentar algumas vezes e ser repelida automaticamente... rsrs Mas não os culpo por isso ! É costume há muito arraigado! rsrs

    Mas adoro o movimento Free Hugs! Gostaria de encontrar com os praticantes para doar um leve e caloroso abraço!
    E a sua sobrinha fofa? Que abracinho gostoso.. é o abraço se alimentando a cada dia!

    Beijos querida e obriga pelas visitas constantes, desculpe se não dou o retorno em tempo hábil, mas sempre é com grande prazer que retorno aqui!
    Beijos e uma semana maravilhosa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana!
      Ler seu comentário me fez penar que sempre relembro as pessoas que passaram por minha vida com saudade... busco direcionar para aquela saudade boa, que nos faz ter vontade de sorrir com as lembranças e não chorar! Embora a escrita desse texto tenha despertado algumas lágrimas ainda não choradas.
      Também fiquei pensando através dos comentários que essa distância dos pais era uma questão cultural, pelo que me parece, da época em que foram criados. Nesse ponto as coias estão mudando, não é mesmo?
      Assim como você, se eu encontrar um membro do Free hugs não hesitarei em correr dar um abraço!
      Obrigada pelo carinho!

      Excluir
  25. Oiii Bia, Hoje não estava podendo ver um vídeo assim, chorei kkkk saudades de muitos abraços, muito lindo o vídeo, não tinha visto ainda, quanto a seu texto, faz tempo que não vou a cemitérios, sinto muita tristeza quando vou, não gosto, que bom que sua tia deixou em vc uma lembrança tão boa, bacana o acontecimento com sua sobrinha depois do texto! Adorei tudo! Bjinhossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kellen!
      Veja que interessante, você que viaja tanto ainda não havia visto esse movimento, pensei que já havia encontrado algum deles em suas andanças.
      Tem dias em que estou mais sensível e também me emociono visitando alguns blogs. Talvez um sinal de que o coração ainda não está endurecido.
      Tive muita sorte na infância, tive uma família maravilhosa e poucos episódios tristes.
      Um abraço, obrigada por estar aqui!

      Excluir
  26. Bia, é inegável o poder de um abraço. Tenho-o como a mais linda forma de se demonstrar afeto. Não fui uma criança e adolescente capaz de abraçar. Tinha vergonha, pois não os recebia. Meu pai era muito tímido e minha mãe não cultivou esse hábito. Creio que, em anos passados (rss), esse procedimento era comum. Já adulta, aprendi o quanto é gostoso estar dentro de uns braços protetores ou receber o corpo de uma pessoa querida entre meus braços. As crianças devem aprender a ser assim, carinhosas, sem policiamento. São mais felizes. Sinta-se abraçada, querida. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marilene!
      Eu também tinha vergonha... minha filha tem mais facilidade nesse sentido, talvez por não ter sido criado com esse policiamento. Por outro lado vemos tantos casos de pedofilia atualmente que infelizmente, se continuar assim, a tendência será novamente à uma criação de reserva, de ensinar as crianças a se fecharem por proteção. Ou gestos naturais de carinho serão interpretados como abuso. Difícil, né?
      Braços protetores...quem não sente falta?
      Obrigada por estar sempre comigo.
      Um abraço!

      Excluir
  27. Todos somos ángeles con una sola ala, debemos abrazarnos si queremos volar.
    Precioso Post.
    Abraços e Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos mesmo anjos com uma só asa... talvez por isso seja tão difícil aprendermos a voar sozinhos. Receber um abraço é um como receber um impulso.
      Um abraço!

      Excluir
  28. Bia, confesso que não curto cemitérios, mas acho que ninguém né? Só que no meu caso não vou mesmo... só em vou em missa de 7º dia. Bem... mas é que eu sou assim mesmo, pra evitar tristeza em excesso e de todo modo, gosto de pensar no que se eternizou de quem se foi. Abraços free são excelente ideia. Gostei das mudanças em seu blog. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbie! Muitos pensam dessa forma... na cultura brasileira cemitério lembra perda, tristeza. Por isso admiro as culturas que o tratam como uma festa, como no México, por exemplo. Assim um momento tão doloroso fica um pouco mais leve.
      Que bom ter gostado das mudanças.
      Um abraço!

      Excluir
  29. Oi, Bia!
    Dou continuidade abraçando o meu filho, que é o parente mais próximo que tenho. Não tenho mais os meus pais e nem meus avós. Como sou filha temporã e pela ordem natural das coisas - sendo meus irmãos mais velhos que eu mais de 20 anos - eles me deixarão também, mas não posso abraçá-los pois moram a mais de mil quilômetros de mim. Resta-me também os amigos que conquistei nessa nova cidade em que moro.
    Vamos aprendendo a também desapegar das pessoas, mesmo que na marra!
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luma!
      "Vamos aprendendo a também desapegar das pessoas, mesmo que na marra!" O mais difícil, na minha opinião, no exercício do desapego é aprender a desapegar sem contanto criar uma couraça de frieza. Como achar esse equilíbrio do desapegar e ainda conservar a sensibilidade para amar. Você, por exemplo, apesar da história e da ausência de pessoas importantes, consegue ser doce e sensível. Admiro ter chegado à esse ponto de equilíbrio e merece dos amigos e filho inúmeros abraços.
      Obrigada pelo carinho!
      Um abraço!

      Excluir
  30. Bia, emocionante o seu texto. A única vez que fui em um cemitério foi quando meu pai faleceu. Depois nunca mais. Mas as lembranças e a saudade ficam e nunca vão embora. E que bom que vc recebeu essa doce visita no final da sua postagem. Sincronicidade é isso. Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio!
      Sincronicidade é uma sensação fantástica quando acontece, como se as energias invisíveis aos olhos se organizassem de maneira mágica.
      Sinto pela perda de seu pai, o importante é o sentimento que guarda dele.
      Um abraço!

      Excluir
  31. Dona Bia! Também senti saudade mulher, e como gostaria de estar pessoalmente te abraçando agora! Como não dá...aqui fica meu abraço bem apertado, virtual mas com muito carinho.
    Isso de ir ao cemitério reverenciar seus mortos é tradição que eu não consigo deixar para trás.
    Penso muito nisso, nessa época do ano, porque sinto que trata-se de convenção,afinal, pensamos neles todos os dias, rezamos, então porque ir em romaria ao cemitério?
    Mas quando chega o dia lá estou...braços cheios de flores, coração comovido.
    Somos seres difíceis de entender mesmo (eu sou), portanto, tudo continuará como antes.
    Um beijo queridona, obrigada pelas lindas palavras por lá.

    ResponderExcluir
  32. Bia, fiz um comentário enorme, sumiu!
    há...não vou escrever tudo de novo!
    Obrigada querida pela carinhosa visita lá no blog.
    Deixo um abraço bem gostoso, com muito amor, saudade e alegria.
    Beijos meus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivani, não sabe o quanto eu gostaria de receber seu abraço agora! Mas sua intenção virtual chegou por aqui, não tenha dúvidas disso!
      Mais uma coisa que temos em comum: também sou difícil de entender. Ouço que sou complexa, que deixo as pessoas confusas, quando na verdade eu quero só a simplicidade das coisas que nos fazem felizes. E ainda assim sou difícil de entender... acho que me entende. ;)
      Essa questão do cemitério é muito pessoal, mas sinto como você. E sempre cobro da minha filha que quero ser visitada após a partida. Acho triste quando a última morada dos entes queridos ficam abandonadas ao léu.
      A moderação está ativada há algum tempo mas seu precioso comentário ficou bem guardado, que bom!
      Obrigada pelo carinho, gosto muito de te ler.
      Um abraço!

      Excluir
  33. Bia,
    Que post bonito.
    Tão bonito que me fez sentir abraçada.
    Em algumas fases da minha vida - adolescência e entrada na juventude - eu tinha uma implicância imensa com abraços, justamente por que parecia que com eles algumas pessoas conseguiam quebrar barrerias com as quais eu tentava me proteger.
    Mas com o tempo, comecei a ver que existem aquelas pessoas que tem o poder de em um abraço nos transmitir algo que vai muito além de demonstração física de afeto.
    Se sentir abraçado é uma dádiva!
    Hoje distribuo abraços com facilidade aos amigos e familiares... E vez por outra me surpreendo ao ver que meus abraços aconchegam meu coração também.

    Um abraço bem apertado!
    Jhosy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jhosy!
      Que bom ter se sentido abraçada, uma sensação que rompe o virtual! :)
      Pelos comentários percebo que essa retração na adolescência talvez seja normal, visto que muitos descobriram o abraço enquanto acolhedor após essa fase.
      Definiu tão bem, abraço de verdade é aquele que vai além do contato físico, quando há uma troca sincera de sensações e sentimentos e nos aquece.
      É maravilhoso quando percebemos que o nosso abraço foi repouso para alguém, não é?
      Obrigada pela doçura usual, me faz lembrar que pessoas ternas ainda existem. :D
      Um abraço!

      Excluir
  34. Bia,
    sou praticante ativa dos abraços e creio na existência ancestral deste gesto-presente que acolhe, cuida, guarda e conforta numa transcendência mágica de sentimentos positivos e como numa corrente imantada vai interligando uma alma à outra infinitamente.
    A grata surpresa num dia de vazios chegou no abraço sincero de tua sobrinha e assim segue esta rede fantástica de carinho expressivo.
    Um abraço apertado,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu!
      Tão poética e bem colocada a maneira como comenta que frequentemente me deixa sem palavras. Fico feliz por ainda conseguir observar essas conexões que a vida nos dá de presente, com a que veio junto com minha sobrinha. Pena que nem todos os abraços fazem parte dessa rede, pois muitos são repletos de interesse.
      Um abraço!

      Excluir
  35. E deixe-me lembrá-la que o primeiro passo é quase metade da jornada.

    Osho


    Beij0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza... nesse momento sinto que dei muitos dos primeiros passos que estavam ao meu alcance. Sua lembrança me faz ver o restante do caminho com novo fôlego. Um abraço!

      Excluir
  36. Querida amiga
    Hoje vim para agradecer a sua carinhosa visita ao meu cantinho!
    Muito obrigada!
    Me perdoe a minha ausência e cola e copia, mas estou passando pelo momento que preciso saber o que está acontecendo com minha saúde. Tenho certeza que não é nada serio, mas que preciso cuidar um pouquinho maia de mim. Logo voltarei para ler suas postagens com carinho e atenção que elas merecem.
    Desde já agradeço a sua compreensão e apoio.
    De todo o meu coração eu agradeço!
    Com carinho o meu muito obrigado!
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria, obrigada pela visita, um abraço!

      Excluir
  37. Também tenho o costume de visitar o túmulo dos parentes mortos, apesar de não ter feito isso esse ano.
    Com certeza aprendemos algo com cada um que convivemos. Também acho o abraço muito importante, apesar de ter um pouco de dificuldade em fazê-lo, pois certas pessoas tem receio em recebê-lo, pois acham de uma intimidade muito grande e o ligam a algo sexual, mas isso não tem nada a ver. O abraço é uma forma de carinho, não de carícia.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gilberto!
      Penso que há uma diferença entre o abraço carinhoso e o abraço sensual... o primeiro é aquele onde há o encaixe dos braços e dos corações, o segundo é aquele do encaixe do corpo todo, reservado, naturalmente, à pessoa amada...
      Não tem como confundir ou achar que todos pressupõe sexualidade, quem pensa assim talvez não tenha descoberto como é bom se deixar levar por um abraço aconchegante.
      Um abraço!

      Excluir
  38. Hoje quero agradecer por todas as vezes que você me fazer sorrir com tua linda visita em meu blog, por me fazer acreditar que existem pessoas e pessoas…
    Obrigada…
    Simplesmente obrigada…
    Que Deus te abençoe sempre…
    Um lindo final de semana.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ani, visitá-la é um prazer... obrigada pelo carinho, um abraço!

      Excluir
  39. Olá!Boa noite, Bia!
    Como vai? Uma vez,não me lembro bem qual, vc fez uma postagem,e no rodapé, citou uma postagem do blog da amiga Vera Lúcia, Recanto, dizendo que foi "a" que te inspirou para fazer a "sua", certo? Então, vou "copiar" essa ideia e colocar na minha postagem do final de semana,(não sei ainda , se sábado ou domingo) que foi essa "sua" postagem que me inspirou...é sobre "o abraço",algum problema? ...
    Obrigado, bom final de semana, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,Felis!
      Citei a postagem da Vera quando falei sobre a ternura... com certeza saber que meu post inspirou uma postagem sua será uma honra para mim, não há coisa melhor do que escritos servirem de inspiração ao alguém. Geralmente o que inspira é o que nos desperta boas sensações e sentimentos.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Olá!Bia, obrigado,já terminei, só estava esperando a sua resposta...acho que vou postar no sábado, tarde, sei lá...hehehe!Um problema com as minhas atualizações, "feeds"...Bom descanso, Bom final de semana, Beijos!

      Excluir
  40. Bia,um belo video e texto! Distribuir abraços é se doar,doar de si, de sua energia! Adolescentes tem vergonha de demonstrar afeto,mas ainda bem que essa fase passa!...rss...bjs,

    ResponderExcluir
  41. Olá Bia,

    Adorei o vídeo. Bela Campanha.
    Interessante que no início todos ficam ressabiados, mas depois funciona como na psicologia da multidão. É só alguns começarem que logo todos entram na brincadeira.
    Acho o abraço o maior dos aconchegos. Aquece a alma e faz vibrar o coração numa sintonia positiva e muito agradável. Tudo se dissolve dentro de um abraço.
    E que bom que o abraço desejado por você chegou no momento certo e através de uma pessoinha amada. Tudo de bom.
    Não nasci no seio de uma família dada a abraços e carinhos, mas adoro abraçar e ser abraçada.

    Ao contrário de você, não gosto de fazer esta visita tradicional aos túmulos de entes queridos. Sequer me sinto bem dentro de um cemitério. Só vou mesmo quando não tenho outra alternativa. Sempre penso e oro pelas pessoas queridas que já se foram, mas em meus momentos de oração.

    Um abraço forte para você.

    ResponderExcluir
  42. "a tia gosta de mim desse tamanho"... Coisa mais genuinamente linda, meu Deus! Aí a gente ganha o dia inteiro, né?

    Obrigada pelo link de leitura complementar , Bia. Você é muito generosa.

    Encantada com o seu abraço e de como fluem naturais as suas palavras.
    Sua fã.

    Beijo!

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.