domingo, 23 de março de 2014

Uma proposta: diz aí...




Dia gostoso de  outono... convite à cama, cobertor levinho e passeio por histórias e lembranças. Essa semana profissionalmente foi um pouco conturbada, mas emocionalmente foi feliz e surpreendente. Apesar dos percalços profissionais, a alegria dos carinhos é o que deixo predominar em mim. O resto é "pinto", hahaha. 

Escrevi um post e anexei esses quadrinhos, mas depois comecei a pensar em várias linhas de interpretações sobre eles e resolvi propôr um exercício: gostaria de saber o que você, leitor, compreendeu dessa história e na próxima semana publico o que havia escrito.
Ou...

Ler essa frase:

"O que não enfrentamos em nós mesmos acabaremos encontrando como destino."  

Carl Jung

...e me contar se já passou por uma situação interna que evitou e que tornou-se inevitável.

 Que tal? Topam? Diz aí...
Vou adorar ficar de espectadora - e aprendiz - dos seus pensamentos!!! 

****

Em abril tem Book Crossing Blogueiros. Saiba mais acessando o blog da Luma

Tem sorteio de Páscoa da Loja na fanpage, quem quiser participar clica aqui


53 comentários:

  1. Que legal! Minha interpretação dos quadrinhos foi a seguinte:

    Tantas vezes ficamos parados na vida, vendo tudo e quase nós afundar, nem lembramos que temos ASAS pra poder voar, mudar!


    beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! Ter asas é algo da qual sempre me lembro quando leio você. Temos asas... e às vezes permitimos que elas atrofiem. É sempre bom saber que nunca é tarde para voltar a exercitá-las.
      Obrigada por participar, um abraço!

      Excluir
  2. Ver a vida passar diante dos olhos é como se despedir do mundo antes que ele acabe. De repente... um insight! E com um único gesto, uma atitude! Um voo para a liberdade com confiança em sua capacidade de mutação! Em busca da própria felicidade!!!
    Um beijo e abraço cheio de saudades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que linda interpretação, Gracita, poética! Penso como você, permitir que a vida passe sem vivê-la é como morrer antes do tempo.
      Esse voo é a distância entre a vida e a morte em vida.
      Obrigada, um abraço!

      Excluir
  3. Bia,
    Olhando para a prancha, imediatamente me vem à ideia que, muitas vezes, aquilo de que carecemos está dentro de nós, apenas basta ousar.
    Uma excelente semana!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade... a maioria não se dá conta da força propulsora que carrega dentro de si, e que inúmeras vezes, vem de atitudes que deveriam ser naturais. Diferente interpretação, obrigada, um abraço.

      Excluir
  4. Boa noite Bia.. tudo bem amiga querida.. sobre teu comentário. é bem verdad.. já deixei de visitar muita gente por não poder sequer ler o que estava escrito e comentar nem se fala.. de que adianta seguirmos muitos se poucos podemos ir e vem até nós. que bom que teu blog tá levinho senão saia correndo e falo sério srs
    sobre teus posto.. quem nunca teve algo assim.. eu tive uma envolvendo dinheiro.. tive que levar uma rasteira para aprender a lidar com ele.. só quando a gente eprde que desperta.. me fez muito bom.. sei que tenho muitas coisas por resolver mas esta estou sabendo lidar melhor hj em dia.. abraços e uma linda noite

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samuel!
      Blogs pesados realmente são uma complicação em dias em que o tempo está escasso. Muitos tem bom conteúdo, mas pela demora no carregar, acabo desistindo. Outra coisa chata é quando você está comentando e o formulário pisca e seu comentário some, tem que começar tudo de novo! =/
      Ainda bem que o meu tá levinho! :)
      Também já tive problemas com dinheiro e precisei aprender a duras penas a economizá-lo... mas conheço pessoas que passam uma vida ostentando, não aprendem. O importante é que pra nós, serviu. Penso que uma lição é válida quando vem a seu propósito, o de ensinar. Costumo dizer muito isso... posso cometer novos erros, mas raramente cometo os mesmos, sou tolerante com minhas falhas, mas não tanto com minhas reincidências.
      Esse saber lidar melhor com o tempo é o ganho que o passar dos anos dá para os que desejam evoluir.
      Agradeço a participação, um abraço!

      Excluir
  5. Oi Bia, agora é tarde, preciso dar atenção ao meu marido, mas amanhã eu volto e escrevo. Tá.
    Beijos
    Mundo dos Inocentes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beijo, Dorli, quando puder. Marido em primeiro lugar! ;)
      Uma braço!

      Excluir
  6. Olá Bia!

    Eis-me aqui, por fim.
    Desculpa ausência, problemas informáticos ainda por resolver e muito trabalho para fazer.
    Achei óptima a ideia!

    A minha versão da história:

    "A gaivota parou na ilha deserta para descansar. Andava cheia de stress e isso, perturbava-a. Estava com a inspiração bloqueada para compor novas canções e farta de críticas de amigos, da família e até do seu amor, decidiu viajar. Precisa colocar os pensamentos em ordem, assim foi meditar para se acalmar.
    Uma semana passou e não fez mais nada além de meditar e de contemplar a natureza. Então, durante uma meditação a energia renovou as suas forças criativas e a inspiração voltou. A gaivota sorriu, fez as malas e regressou a casa voando. Estava feliz, tinha composto uma nova canção e apetecia-lhe compor muitas mais.

    Fim"

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris! Ah, achei muito doce a ideia de escrever um pequeno conto! Quantas vezes nos pegamos nessa situação, de estar no limite, querendo fugir de tudo e de todos.
      Quando não estamos bem corremos o sério risco de magoar quem não merece e quem tem a oportunidade de viajar, se reencontrar, certamente volta mais leve e pronto para retomar a vida com alegria e tão importante, inspiração.
      Um abraço, obrigada por estar aqui.

      Excluir
    2. Olá Bia.

      Obrigada por responderes. Como estás?
      Posso levar a imagem e o conto, que é a interpretação do que fiz da imagem e postar no meu blog?
      É que escrevi o conto de improviso, apenas olhando para a imagem ;)
      Obrigada, voltarei amanhã com mais tempo para ler a tua interpretação.
      Estás com problemas para que sigam o teu blog?
      Escrevi um post sobre uma solução improvisada.
      Fica aqui, no caso de quereres ler...

      http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.pt/2014/03/solucao-provisoria-para-o-botao.html

      Beijos,

      Cris Henriques

      Excluir
    3. Oi, Cris! Pode levar sim, é uma honra pra mim ter despertado a ideia de um conto! :)
      Assim que houver um tempinho, darei um pulo por lá.
      Um abraço!

      Excluir
    4. Olá amiga Bia.

      Só hoje consegui vir aqui.
      Vim trazer-te o link onde escrevi o mini-conto, interpretando a imagem.
      Queria ler os posts, mas hoje não posso... Desculpa. Tentarei vir amanhã com tempo. Gosto de te ler com atenção.

      Beijinhos,

      Cris Henriques

      http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.pt/2014/04/a-gaivota.html

      Excluir
  7. Quando tudo parece igual e não mais nos agrada, é preciso usar a criatividade e sair por aí (heheheheh). Já estive assim, pensando, pensando, pensando, enquanto percebia que nada ia mudar sem que fizesse algo. Cabia-me decidir se permanecia submissa e infeliz ou se abria a janela e voava sem olhar para trás, enfrentando o medo da liberdade. E foi aí que descobri o significado da palavra coragem.

    ResponderExcluir
  8. Que distraída, não me despedi (rss)! Estava envolvida com o que me levou a essa interpretação dos quadrinhos. Tenha uma linda semana, Bia. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marilene!
      Nossa, ler esses escritos está me chegando de um jeito tão gostoso! Exatamente como imaginei, tantas partilhas diferentes surgem de uma imagem!
      Pois é, passamos por muitas fases que lembram essa reclusão/isolamento do pássaro, e há mesmo essa confusão, de achar que esperar o tempo das coisas é não tomar atitude, não é bem assim.Há o tempo, há a atitude, e há o momento de aliá-las com a coragem para buscar o que nos falta.
      Interessante o que escreveu... "enfrentando o medo da liberdade". Interessante! Quantas vezes ficamos cativos com medo de algo que deveria ser natural.
      Obrigada, Marilene, um abraço!

      Excluir
  9. Oi Bia! Madrugando... Nem acredito! Vou ser a primeira cobaia rsrsrsrsrsr.
    Vamos lá, sobre os quadrinhos:
    As vezes a vida se torna tão "blasé", tão rotineira, tão certinha, que esquecemos o essencial, o que nos move, e por ser tão óbvio, as vezes não enxergamos: Precisamos sempre dar sentido a vida, simplesmente para VIVER feliz com nós mesmos.

    Bella, tenha uma semana maravilhosa!

    Bjãooooooooooo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Madrugando mesmo...
      Esse esquecimento do essencial certamente assola-nos a todos de vez em quando. Inteligente é aquele que consegue perceber isso e se reencontrar sempre, reencontrar esse sentido na vida, que pode estar bem debaixo do nariz - ou dentro do coração. Que também fica debaixo do nariz. ;)
      Um abraço!

      Excluir
  10. Olá! Gostei dos quadrinhos: era só voar! Assim pode ser o que devemos superar, bem leve, como um cobertor de outono! abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ives. Só voar... a metáfora "cobertor de outono" me soou como um afago poético. Agradeço. Um abraço!

      Excluir
  11. Bia,
    o que leio na mensagem:
    "a acomodação tolhe nossas asas, acabrunha os sentidos naturais e nos converte em carcereiros de nós mesmos.Só quando se dá a consciência de que somos capazes de mudarmos as circunstâncias, renascemos para as infinitas capacidades que dispomos."

    Uma agradável semana pra ti.
    Bjinhos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu!
      A tomada de consciência de nossas limitações e compreender a necessidade do desatrofiar das asas são os primeiros passos para o voo libertador e recompensador.
      Sei que muitas vezes não damos crédito à nossa própria capacidade. O pássaro da imagem, deu.
      Seu escrito, sempre recheado de elementos da língua culta, é lindo de ler!
      Um abraço!

      Excluir
  12. Olá, Bom dia ,Bia
    começo do Outono, caminha,cobertor levinho, ventinho e gripinha!
    ...hum... infindáveis contextos, mas como estamos nos "divertindo"...
    ...há momentos de apatia,acomodação, procrastinação e ócio, mas os momentos de maior relevância em nossa existência são os momentos da própria vida...conscientemente, sabemos disso , mas sentimos sem força, sem ânimo, sem alma...temos nos que agarrar na menor partícula de atitude que tiver e voar ... não perdes tempo, perderes, nunca perdes, talvez aprendas a observar de forma diferente o que te rodeia e ganhas experiência na liberdade de agir...
    sim, obrigado por gostar de meu Blog Dois!A minha essência está lá, sem a preocupação
    dos "ruídos "que a Blogosfera, por vezes têm!
    ...Pelo carinho,belos dias, bela semana,beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis!
      Gripinha não é nada divertido... espero que a essa altura ela já tenho ido embora.
      É verdade, não perdemos tempo, até a própria quietude, o ócio podem ser muito benéficos, quando os períodos de recolhimento nos fazem aprender a observar de forma diferente, como bem lembrou.
      Há fases em que nos sentimos sem força... sim, e o que seria essa partícula então? A fé? Há tantos que dizem não tê-la, mas acho que é a fé que dá esse impulso para que o ser humano não desista.
      Gosto muito do seu blog 2 e penso que é muito bom ter um espaço onde você pode mostrar sua essência sem se importar com julgamentos ou interpretações erradas. Também tenho um espaço assim, leve, sem deixar de ter como base, o amor.
      Um abraço, ótimo restinho de semana!

      Excluir
  13. Bia,
    Lendo seu post, lembrei de uma musica: "Nunca vi rastro de cobra/Nem couro de lobisomem/Se correr o bicho pega/Se ficar o bicho come..."
    lol

    Nos anos mais recentes fantasiei situações como uma prece para que acontecesse o melhor, mas o pior veio mesmo. Acho que é o teste da vida, a tal provação.

    Vou ver suas indicações.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      Eu gosto muito dessa música desde sempre, lembro-me que gostava de ver os clips do Ney, hahaha. E até hoje, em algumas situações, lembro do famoso "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come". O imprevisível, o inevitável.
      Também aprendi a me cercar de bons pensamentos, mas concordo contigo, às vezes não é bastante para evitar o mal - aí fiquei pensando, vai ver que tem alguém pensando no mal mais forte que eu, hahaha. Falando sério, é isso... ainda prefiro acreditar que tudo acaba se justificando e que virá o melhor, mas tem momentos na vida em que as tais provações trazem uma leseeeira...

      Gosto demais de você, fadinha.
      Um abraço!

      Excluir
  14. Adorei Bia, as vezes a solução está em nós mesmo e por medo de tentar não vemos, adorei, tudo pode ser mais simples do que pensamos! Bjossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kellen. Aí você falou tudo, às vezes, eu diria mais, geralmente é mais simples do que pensamos. A arte do descomplicar é algo que venha tentando implementar em minha vida há tempos... aos poucos, vou conseguindo. Um abraço!

      Excluir
  15. Bia, um beijo no seu coração minha querida. Desculpe se demoro a comparecer por aqui, mas sempre que o tempo me permite fazer uma viagem pelos blogs, o seu tem que está dentro desse roteiro virtual. Gosto das coisas que você coloca e compartilha aqui com seus leitores e, porque não dizer, fãs, entre os quais por sinal me incluo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pc!
      Obrigada pelo carinho de sempre... essas questões do tempo também tem prejudicado minhas visitas, faz parte. Um abraço!

      Excluir
  16. Olá Bia,

    Estive aqui ontem, mas sem ânimo para comentar devido a uma gripe que me pegou desprevenida. Estive observando os quadrinhos e fiquei pensando que quando nos isolamos em busca de respostas, elas sempre chegam. Depois, é só partir para a ação. (Não sou boa nesse tipo de exercício, Bia-rs.) .

    Creio que todos passamos ou iremos passar por uma situação interna que evitamos num determinado momento, mas que tornou-se inevitável em outro. Costumamos, por princípio, fugir de conflitos internos ou de determinadas situações que, se não resolvidas e enfrentadas, nos levarão a confrontá-las de qualquer maneira em determinado instante da vida. A própria vida se encarrega de nos colocar frente a frente com o que mais receamos e aí percebemos que perdemos muito tempo por falta de atitude e de coragem. O que não enfrentamos em nós parece ter um super poder de atração 'como destino', pois são questões que exigem aprendizado e por isso chegam por bem ou por mal.

    Não se preocupe com o livro. Mande-o quando puder.

    Ótima semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vera! Demorei para responder, me desculpe!
      Espero que a essa altura sua gripe já tenha ido embora há tempos! Eu achei que você foi muito bem em seu ponto de vista! Esse isolamento é o que eu chamo particularmente de "fundo do poço", até porque lá também é silencioso e quietinho. Acho que mudarei para a alusão da imagem à ilha, bem mais agradável, kkkk. Enfim, disse tudo, esse isolamento faz com que encontremos a resposta lá no íntimo, bem guardada. Penso que o maior desafio é, após encontrar a resposta, partir para um novo voo, ou no meu caso, para o topo do poço, em busca de retomar a vida de forma muito mais feliz. Essa é a etapa que exige mais coragem e fé.
      O seu segundo parágrafo está perfeito!! Sim, é isso mesmo... "percebemos que perdemos muito tempo por falta de atitude e de coragem"... mas chegar a esse ponto, mesmo que um pouco mais tarde, ainda é uma vitória sobre a falta de atitude. Outra coisa que aprendi é o que disse: adiar enfrentamentos que vem por bem pode fazer com que mais tarde, venham por mal, o que é bem pior.
      O horário dos Correios da minha cidade está bem complicado, não abre mais aos sábados, isso realmente me complica um pouco, mas seu presente chega, com certeza.
      Um abraço, ótimo final de semana!

      Excluir
  17. Oi Bia, aqui a imagem não apareceu. bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Yasmine, travessuras do Google. Um abraço!

      Excluir
  18. Muito bacana mesmo Bia minha interpretação foi a seguinte:
    Muitas vezes ficamos parados estagnados esperando as coisas acontecerem, mas esquecemos que muitas vezes depende só de nós. No caso acima se ela não voasse ficaria nesta ilha pro resto da vida até morrer.....e sabe tem muitas pessoas que já estão assim e nem se dão conta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia! Conheço muitas pessoas assim, que aguardam uma mágica acontecer, ou que alguém resolva suas vidas por elas, e só reclamam por insatisfação. Conquistas às vezes vem devagar, às vezes vem rápido, mas precisam de atitudes para acontecer, precisam ser construídas.
      Acho que todos nós já passamos por isso e vencedor é aquele que descobre a tempo, que tem asas.
      Um abraço!

      Excluir
  19. Boa tarde, Bia. Acredito quanto aos quadrinhos, que na maioria das vezes ficamos estagnados em uma situação procurando uma solução para sairmos dela, até que depois de muito pensarmos, naturalmente, encontramos uma solução, que na realidade, já estava dentro de nós, bastava apenas nos apropriarmos com nossos olhos visionários.
    Beijos na alma e tudo de bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia! Fala-se muito sobre "ouvir a voz do coração". Penso que essa é a voz que surge quando conseguimos nos conectar conosco a ponto de nos enxergar e ouvir. Mesmo que não faça muito sentido, essa voz raramente falha e nos traz respostas preciosas. "Olhos visionários", termo interessante! :D
      Um abraço!

      Excluir
  20. OI BIA!
    DIZENDO ALGO SOBRE OS QUADRINHOS:"PORQUE FICAR RESTRITO A UM PEDACINHO DE TERRA, SE O CÉU, TODO, ESTÁ A MINHA DISPOSIÇÃO?"
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zilani, que lindoooo! Adorei!!! Sim, busquemos o céu, lindo e vasto, das possibilidades.
      Um abraço!

      Excluir
  21. Analisando friamente, ele apenas percebeu que não tinha pq ficar triste já que não estava preso na ilha pois sabia voar. Mas interpretativamente, podemos analisar nós mesmo, pois ficamos presos diante de situações que nos assustam, ao invés de optar pelo 'mais fácil' ou então por uma simples liberdade. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio!
      ler seu comentário me fez pensar que finalmente o pássaro percebeu o óbvio. Essa questão do 'mais fácil' é bem dúbia, porque às vezes o mais fácil é optar pelo comodismo, como o pássaro fez ficando na ilha por um bom tempo... ou o 'mais fácil' seria simplesmente voar, que ele faz tão bem, mas por motivos como falta de autoconfiança, estima e coragem, não conseguia enxergar.
      Um abraço!

      Excluir
  22. Oi Bia,

    O outono é cheio de charme e encanto...

    Sobre os quadrinhos, acho que o pássaro teve a ideia de voar livre, e na liberdade realizar desejos...

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto demais do outono, Vanessa, acho charmoso, gostoso, aconchegante.
      Que bom que temos a liberdade para realizar desejos, não? :D
      Um abraço!

      Excluir
  23. Muito legal Bia. Você sempre está inovando.
    Acho que já fui como o passarinho no começo, inerte, sempre no mesmo lugar. Mas como Jung diz, o destino/a vida nos faz mobilizar, mais cedo ou mais tarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, bom saber que gostou!
      Como costumo dizer, a vida é soberana na arte de nos conduzir ao que faz crescer.
      Um abraço!

      Excluir
  24. Bia,
    Voltei para dizer uma coisa muito simples mas, quanto a mim, importante. Sou dos que acha que quando se gosta, deve-se dizer. E eu gosto muito da forma como gere o seu blogue, dos assuntos que traz à compita. Denota maturidade, verticalidade, vontade de estar na vida de forma verdadeira.
    Pronto, era isto. :)

    Um bom final de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço muito o retorno e o comentário. Dizer o que se sente, principalmente no que tange a bons sentimentos, parece simples mas para muitas pessoas é complicado. As pessoas tem medo de manifestar o que sentem e talvez não imaginam o quanto pode fazer diferença.
      Sou de fato muito entregue à vida e ao que sinto, sei que isso nos deixa suscetível de alguma forma, mas não consigo viver a vida pela metade.
      Obrigada por falar... me faz acreditar que estou certa quando sigo meu coração.
      Um abraço, ótimo domingo!

      Excluir
  25. Olá, Bia.

    A vida é o que fazemos ser. Ou não.

    Um abração e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  26. Olá, querida Bia
    Só hoje pude participar pelos motivos já lhe explicado anteriormente e achei tão interessante que resolvi criar um post fazendo a referência como fez a Chris...
    Deixo-lhe o link:

    http://www.poesia-espiritual.com.br/2014/04/retiro.html

    Bjm fraterno e quaresmal

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.