quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Um oferecimento... sua sabedoria!

Gentchy!! Algumas pessoas me procuram para desabafar e pedir ajuda na resolução de seus dilemas. No meu serviço voluntário recebo também inúmeros pedidos de ajuda em várias modalidades emocionais. No primeiro caso ajudo sempre que posso, no segundo caso não é possível, por questões éticas, e por não conhecer a fundo quem está do outro lado, é muito tênue a linha da ajuda e do conselho errado, e optamos pela reserva.


imagem daqui

Uma vez a conhecida joaninha Chica me deu uma das ajudas mais preciosas que tive até hoje: "abra a porta". Simples e certeiro! Troféu joinha pra Chica! ;)

Então hoje eu resolvi pedir a ajuda de vocês. Poderia escrever um post com respostas, mas considero muito enriquecedora a opinião dos meus leitores e tenho certeza que a troca será ainda mais produtiva. Coloco então algumas das questões mais abordadas em conversas virtuais ou reais e gostaria que cada um escolhesse uma ou mais para responder. Quem sabe pelo sempre sábio acaso as pessoas chegam até aqui e acende-se aquela luzinha que está faltando?



imagem daqui

Peço respostas com soluções práticas = atitudes, pois o objetivo não é filosofar, mas dar uma direção consistente e por favor, sob a perspectiva positiva e se possível bem humorada, não vejo ajuda no derrotismo, pois geralmente quem pede ajuda está confuso e inseguro, e o objetivo é buscar diminuir isso. Let´s go!

a) Sou homossexual, gostaria de assumir minha escolha mas tenho medo da reação da minha família e amigos, acabo me reprimindo e ficando muito triste. O que devo fazer?

b) Estou insatisfeito e tenho sonhos e planos realizáveis para mudar a minha vida, sinto que isso é importante pra mim, mas não consigo dar esse passo, o que me deixa angustiado. Como agir? Como vencer o medo e a insegurança?

c) Tento conversar com minha mãe (ou filha), mas não consigo dialogar, parece que nunca conseguimos nos entender. Como posso conversar e ter minha opinião ouvida sem que haja discussão?

d) Amo muito um (a) garoto (a), mas sou tímida (o) e tenho dificuldades para expôr o que sinto. Também tenho medo de não conseguir fazê-lo (a) feliz e perdê-lo (a). Como devo agir?

e) Como fazer para que a receita do biscoito amanteigado não vire um mingau ou uma pequena tábua?

Aqui estão as questões mais frequentes. Agradeço muito e tenho certeza que as respostas serão bastante enriquecedoras! Quem sabe uma dessas não é a sua dúvida também?

Obs: vale também deixar a sua pergunta que eu tento responder, certo? :D



29 comentários:

  1. Bia, em primeiro lugar obrigadão pelo carinho em me citar. Nem precisava,rs...

    E eu pelo visto , como é meu costume, de resposta curta. Aqui vou tentar ajudar :Vamos por letras:



    a) Até quando vais conseguir te esconder? Assume como és e ASSUME o que vais ouvir. na certa entenderão, ainda que talvez surpresos ou quem sabe,m até esperavam de ti isso para colocar o tema em pauta!

    b) Vai firme, AÇÃO!!! Senão não saberás nunca! O medo não pode bloquear!

    c) Vai conversar com tua mãe de peito aberto. Se tiver que escutar broncas, as deve merecer. Depois é tua vez de falar.E tudo, em geral, acaba num abraço( Nem sempre,mas...)

    d) Não te bobeia! Quem muito espera, outra chega e VAPT! Já o pega e literalmente come,rs..

    e) Coloca um pouco mais de farinha...


    beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Chica, como vai?
      O carinho é meu por sempre contar com seu conhecimento simples e sábio. Lembro-me bem do episódio da porta, em um post seu, onde se mostrava uma porta com uma fresta onde poderíamos ver do outro lado... e eu comentei que me sentia assim, que quase podia sentir a maçaneta na minha mão, mas que eu não conseguia abrir a porta e isso me deixava triste. E quando veio ao meu blog, você disse as palavrinhas que fizeram uma diferença positiva na minha vida. Só tenho a agradecer!
      Assim como agradeço suas contribuição e generosidade.
      Abração, tudo de bom!

      Excluir
    2. Ah, e quanto à letra E, se eu coloco mais farinha vira a pequena tábua, kkk, estou com uma receita que me enviou aqui bem guardada, ainda não tomei coragem para fazer, kkk! :)

      Excluir
  2. Bia,
    a abertura desta roda de conversa será frutífera e trará uma circularidade proveitosa, creio.
    Escolhi opinar, sobre as questões apresentadas na letra B:

    São inúmeras as situações que nos paralisam diante de escolhas a serem feitas, lembrando que ao escolher-se uma ou duas atitudes, descartamos outras e é aí que reside o entrave, aquilo que amedronta, que nos paralisa.Sugiro que faça-se uma listagem das perdas e dos ganhos( sejam materiais ou sentimentais) mediante os novos passos e a partir daí avalie-se qual pendor trará mais satisfação e até mesmo se o desejado é realmente o fator que fará diferença numa mudança.
    Coração e razão devem ser ouvidos.

    Espero ter contribuindo.
    Mil bjkas e bom final de semana.
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu!
      Espero mesmo ajudar, não gosto de ver ninguém triste ou desanimado.
      É uma sugestão, esse tipo de lista não funciona muito bem comigo, mas pode funcionar com outras pessoas.
      Não me lembro de ter colocado entraves materiais na minha vida ou de outras pessoas, acredito que estar bem materialmente não é garantia de estar bem emcionalmente, já quando estamos bem emocionalmente conseguimos administrar bem o material.
      Coração e razão precisam estar concomitantes, só a razão endurece, só o coração paralisa.
      Obrigada pelas colocações, Calu!
      Um abração!

      Excluir
  3. Bia,

    Eu acho que existe uma placa na minha testa que diz: INFORMAÇÕES AQUI.
    Já contei isso algumas vezes. Sempre tem alguem me perguntando alguma coisa em qq lugar publico. Quando vou ao Forum me tratam como "doutora". Penso que existe algo em mim que passa muita confiança nos outros. Eu nunca me nego e respondo com atenção e detalhes.

    Sobre seus questionamentos, para responder, prefiro pensar mais profundamente e dar minhas opiniões com mais calma. Sei o quanto é importante lidar com trabalho voluntário, fez muito bem em pedir ajuda.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      Na minha vida pessoal também procuro responder com atenção e sinceridade, procuro compreender o outro lado... Há pessoas que já me agradeceram muito por algo que falei em algum momento difícil, outras pareceram não entender, mas sempre o faço com a intenção de ajudar, assim como você, tenho certeza.
      Para responder pode pensar à vontade, Sissym! :) Percebi que nesse post há bastante acessos, compartilhamentos, e poucas opiniões, sabemos que os temas são delicados e exigem discernimento para responder de forma direta e positiva.
      Abraços, ótimo final de semana!

      Excluir
  4. Oh Bia, tão interessante este seu abrir de porta;))!!
    Vou dar minha modesta opinião sobre alínea C):
    A mãe, a filha são pessoas distintas! Cada uma tem a sua própria personalidade e há que respeitar!
    O diálogo na verdade se torna quase impossível muitas vezes e penso que aconteceu em todas a gerações! A mãe, porque não entende que sua filha cresceu e está procurando a sua própria identidade!
    A filha pensa talvez que a mãe é “velhinha” e não entende os problemas dos jovens!
    Penso que o importante é tentarem fazer uns programinhas juntas que ajude a relaxar e até quem sabe venham a se conhecer melhor!
    Um cineminha juntas, uma praia, um shopping, .
    A mãe poderá pedir ajuda para a filha nalgum problema que porventura tenha e a filha deverá confiar na mãe! Penso que alguns destes tópicos poderão aproximá-las e o diálogo começar a ficar mais fluente!
    Não sei se ajudei, mas tentei;))
    Um beijinho e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ailime!
      Achei muito boa sua colocação sobre esse assunto que torna-se um problema para tantas famílias!
      Faz todo sentido essa questão da identidade que a mãe projeta na filha, sem perceber que é um ser humano com sentimentos e pensamentos. A filha, por sua vez, está confusa dentro de sua própria identidade e fica ainda mais com as interferências da mãe... respeito e saber sair de si são fundamentais para um bom relacionamento.
      Fomentar essa troca de confiança é muito importante, bem colocado! Esses dias comentei isso com quem amo, minha filha de 19 anos está tomando conta da cozinha, meu território, kkkk, e preciso me vigiar para respeitar e não fazer interferências negativas. Os pais também precisam aprender a humildade.
      Agradeço muito as sugestões práticas, abração!

      Excluir
  5. Olá, querida Bia
    Será que quem pergunta quer mesmo ouvir uma resposta ou só quer se questionar?
    Mas isso não vem ao caso em seu post...
    -Eu confesso que não tenho experiência de nenhum caso de homossexual em família... isso me dificulta porque pimenta em olhos alheio é refresco...
    O único menino prendado da família (na minha época era chamado erradamente de 'florzinha') é hoje um excelente chefe de família e muito bem resolvido como homem mesmo... O tempo lhe veio dando parâmetros da sua verdadeira opção sexual...
    Nem sei o que dizer, além disso...
    Particularmente, me choquei na primeira vez que vi duas mulheres se namorando (há uns 10 anos)... Agora, só na tele, por aqui não tenho visto casos similares de homossexualimo...
    -Muitas vezes, eu ia morrendo de medo mas ia... o medo paralisa, todos sabemos bem... então o jeito é reagir: enfrentar... e me saí bem de tudo ao longo da vida... mesmo quando caí, pude me levantar e continuar a caminhar... com menos medo daquilo que fiquei conhecendo (depois de ter enfrentado)...
    -Com qualquer pessoa, eu tento, tento e, com algumas eu desisto... é malhar em pedra fria... Abraço? Nem sempre, mas a consciência reta é o que conta...
    -Se veio outro(a) e comeu a fruta primeiro...era porque a fruta não era pra mim... tudo o que tem que ser meu vai ser... é a lei da vida... o que não é, acolho resignada se, depois de ter lutado, vejo, nitidamente que é melhor deixar pra lá... Coisas melhores me virão... certamente!!!
    -Bem aqui vou te dizer que tinha uma tia que sempre colocava um prato a mais na mesa... no mínimo, dizia ela, Jesus está conosco...
    Desculpe-me pelas respostas espontâneas pois não gosto de ficar pensando demais nestes casso... forjar e me cansar não é a minha área... rs...
    Bjm fraterno


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rosélia, como vai?
      Sobre sua pergunta inicial, acredito que há os dois casos. Há a pessoa que precisa se questionar para chegar à uma conclusão, mas em geral ela descobre o próprio caminho quando conversa e expõe o que sente. E há casos em que a pessoa se questiona, não consegue chegar à uma direção e acaba angustiada.
      Li seu comentário sobre ter respondido à algumas respostas da Chica e não, da pergunta, hahaha, tudo bem, afinal, tudo faz parte do mesmo assunto e tema!
      Agradeço muito a gentileza nas respostas, tenho procurado interferir pouco por considerar qualquer ponto de vista válido aqui. Estamos falando de pessoas diferentes e quanto mais vertentes surgirem, penso que mais podemos ajudar, pois alguma há de se identificar com a(s) pessoa(s).
      Na verdade todas as situações ilustram um ponto em que há a necessidade de mudar um contexto insatisfatório, e mesmo que às vezes até saibamos o caminho, não conseguimos enxergar quando estamos sob pressão.
      Destaco que tem razão, em geral depois que enfrentamos algo, torna-se menos pavoroso do que imaginamos. Que coisa, não?
      Eu continuo com minha dificuldade de enfrentar a confecção de amanteigados, hahaha.
      Abraços e um lindo domingo!

      Excluir
    2. Voltei para comentar que gosto demais da espontaneidade, fique tranquila! :)

      Excluir
    3. Voltei pra te dizer que tenho uma excelente receita de amanteigados... se desejar, lhe envio por e-mail.... sempre dá certo e a adquiri num curso de Patissèrie... Bjm

      Excluir
    4. Olá, Rosélia, com certeza quero sua receita! Sou boa de cozinha mas biscoitos não são muito minha praia, mas não desisti, vou testar a sua receita e a da chica. Abraços!

      Excluir
  6. Olá,Bia
    ... até estava querendo responder à todas as perguntas, tinha até copiado ,mas me atrasei todo, então vou responder aqui, a primeira, se der responderei outras mais, tá?
    ...a) Sou homossexual, gostaria de assumir minha escolha mas tenho medo da reação da minha família e amigos, acabo me reprimindo e ficando muito triste. O que devo fazer?
    - Uma decisão tão importante tem de ser bem planejada.Antes de abrir o jogo com a família, você precisa estar muito seguro e ter uma auto-imagem bem positiva de sua própria homossexualidade. Auto estima é indispensável para ser feliz...
    Boa noite,Obrigado pelo carinho, belo domingo,beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Felis!
      Gosto da maneira como expõe o que pensa, com sabedoria e clareza, acredito que isso pode ajudar, portanto, se quiser voltar e responder mais alguma (s), sinta-se à vontade.
      Achei interessante sua resposta porque a auto estima é sem dúvida o topo dos dilemas de todas as questões. A fragilidade da auto estima é o que trava por guardarmos um sentimento de que não merecemos ser felizes.
      Fortalecendo a auto estima conseguimos colocar nossos desejos e pontos de vista sem receber cobranças e acusações, que em geral surgem nesses momentos, sem retroceder e sem dar espaço à culpa. Não vejo sentido na vida se não for para viver feliz, e as pessoas que nos amam de verdade sentem e compreendem isso.
      Agradeço, abraços, ótimo domingo!

      Excluir
    2. Olá,Bia...
      sim....perfeito... fortalecida a auto estima, o travamento inexiste e nem pensamos em retroceder...para toda causa há um efeito... ou um defeito, e é nessas horas que desistimos de ser feliz.
      A resposta para a B, da Calu e para a C da Clara...estão bem de acordo com meu pensamento.
      A "D" parece o meu caso...hehehe!
      A "E' não tenho a mínima ideia!
      Obrigado pelo carinho,bela semana,beijos!

      Excluir
    3. Olá, Felis! Penso que desistir de ser feliz é um preço alto demais para se pagar na vida. Quando estamos felizes, isso repercute no mundo que está em nossa volta. :)
      Se a "D" parece seu caso, tem algumas sugestões boas aqui, hein?!
      Abraço, obrigada!

      Excluir
  7. Cá estou com minha opinião, na letra c. sobre o diálogo.

    O que eu acho é que primeiro aprenda a ouvir,sem questionar nada, sem fazer cara feia, sem ser irônica, nem nada. ouça! Simples. Depois, qdo for dar sua opinião, não a imponha.Ela é só sua e de mais ninguém. Se houver críticas, ouça as críticas. E complemente com o "isso é o que acha e não o que eu acho". Sem aumentar a voz,sem brigar, sem xingar nem nada. Diálogo é isso, um ouvindo o outro e vice versa.
    Já viu como na internet todo mundo é muito ouvidor? Porque todos "ouvem" e todos "falam", cada um no seu tempo, sem interrupção.
    Será que ajudei?

    Beijos, Bia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Clara!
      A capacidade de ouvir é algo que aprendemos a desenvolver, todos podem. Percebo o quanto as pessoas estão carentes de serem ouvidas, de verdade, com os olhos e com o coração.
      Ler sua resposta me fez lembrar o quanto discuti com minha mãe na adolescência, em muitos momentos tive razão, mas desconhecia o fato de que ela era mais "infantil" do que eu, e acredito que isso acontece em vários relacionamentos pais/filhos, os pais querem impôr coisas sem olhar o outro lado.
      Quando eu mudei minha postura, o relacionamento melhorou.
      Falta maturidade para essa troca de saber ouvir e saber a hora de falar. Às vezes um lado até sabe ouvir, mas o outro, não, só quer impôr.
      Agradeço muito, tenho certeza que ajudou, sua resposta cabe em outros itens também.
      Abraços!

      Excluir
  8. Diante de todas as questões, a do biscoito pareceu tão simples. rs É fácil falar do outro, mas a menina deveria ter coragem de falar, só que não é fácil e pode acabar rompendo uma amizade. O diálogo entre familiares é sempre complicado e palpitar isso é difícil.... Vencer o medo e a insegurança? Nossa, tb queria saber... Complicado, Bia. Bjsss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sérgio!
      Tem razão... a vida não vem com receitas como os biscoitos (que eu ainda tenho a capacidade de errar, kkk!)... deixe que ainda abro uma "Tostines"!
      Nenhuma situação é fácil (tirando a brincadeira), se fosse não se precisaria buscar ideias... porém geralmente superar é recompensador.
      Tem dicas boas nos cometários para vencer medo e insegurança (quem não os tem?), quem sabe você não encontra uma interessante? Um abraço!

      Excluir
  9. a. Conte. Sua família no início vai ter um choque, mas depois vai acabar aceitando, pois ninguém nos ama mais que nossa família.

    b. Procure uma psicóloga para vencer essa insegurança ou apenas arrisque. Há grandes chances de acertar.

    c. Se seu ponto de vista for bem lógico e se estiver certa, com respostas convincentes para cada pergunta feita, você vai fazer seu ponto de vista valer a pena.

    d. Não há outra opção que não seja falar tudo o que você sente, pois quando vamos guardando as coisas para nós elas tendem a ficar cada vez maiores. Então fale o que sente, se não for correspondido parte para outra. Como diz aquela música sertaneja: “Ficar sozinho não rola, mas amor não se implora”

    e. Quanto ao biscoito amanteigado, não faço a menor ideia, pois não entendo dessas questões culinárias, infelizmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gilberto! Grata surpresa encontrar suas colaborações aqui!
      Gostei demais!!! :D As respostas vão de encontro ao que penso.
      "Há grandes chances e acertar"... ótima frase! Trocar o medo de errar pela grande chance de acertar. E concordo que o que guardamos torna-se maior. Quando é coisa boa, ainda vai, quando são angústias, não faz bem.
      Obrigada pela contribuição! Abraços!

      Excluir
  10. Oi Bia, vamos colocar as prosas em dia? Somente hoje consegui um tempinho. Vai aqui minhas opiniões em duas partes porque o máximo permitido são 4.096 caracteres.

    a)Sou homossexual, gostaria de assumir minha escolha mas tenho medo da reação da minha família e amigos, acabo me reprimindo e ficando muito triste. O que devo fazer?

    R – Você é homossexual? Verdade! E daí cara, grande novidade! O que que eu, seus amigos e quem quer que seja tem a ver com sua opção sexual?
    Ah!!! Desculpa, o problema é que você tem medo da reação da família e amigos. Bingo! Identificamos que o problema está em você e não nos outros. Se o problema é seu, resolva! É bem provável que seus amigos já perceberam e sua família já sabe, falta você assumir, caramba! Ser homossexual não é coisa de outro mundo, viu! Sempre existiu desde que o mundo é mundo e sempre existirá. Outra coisa, família sempre acolhe, e amigos que se prezem, irão compreender. Saia deste “armário” o quanto antes e encare sua realidade! Quanto tempo você já perdeu? Quanta angústia, tristeza? Pra que isso velho? Não há nada mais gratificante do que ser você mesmo e ser uma pessoa bem resolvida.

    PS: Se aparecer na parada gay, vê se manda um tchau para todos os seguidores da Bia!

    b) Estou insatisfeito e tenho sonhos e planos realizáveis para mudar a minha vida, sinto que isso é importante pra mim, mas não consigo dar esse passo, o que me deixa angustiado. Como agir? Como vencer o medo e a insegurança?

    R – Deixe-me ver se entendi seu problema: Você tem tudo para ser uma pessoa feliz, realizada, ir para frente e “empacou”, é isso? Tem sonhos, planos, está insatisfeito, angustiado... é simples: solte o “freio de mão!” Não pense que eu ou outro alguém vai ficar com pena de você e vamos lhe dar um empurrão, afim de que você pegue no tranco, muito menos vamos dar os passos por você. Ok, estou pegando pesado. Imagine que você gostaria de comer um pão com manteiga, mas não dispõe de pão. O que você faz? – Vai à padaria e compra o bendito pão! Simples né! Com os sonhos da gente, é a mesma coisa. Escolha um de seus sonhos e vai atrás, assim como você foi atrás do pão na padaria. Comece resolvendo o primeiro e depois todos os outros, um a um. Capacidade eu sei que você tem de sobra, mexa-se. E lembre-se disso: Com o passar do tempo, se não realizado, os sonhos podem adormecer.

    c) Tento conversar com minha mãe (ou filha), mas não consigo dialogar, parece que nunca conseguimos nos entender. Como posso conversar e ter minha opinião ouvida sem que haja discussão?

    R – Não acredito no que estou lendo/vendo/ouvindo. Vocês parecem duas “aborrecentes”com 13 e 14 anos, tentando provar uma para a outra, quem é a mais gostosinha. Que feio isso! É evidente que a opinião de uma mãe em relação a de uma filha, diverge e muito. O que tem de errado nisso? Você mamãe, a sua realidade é de trabalho, obrigações, deveres, responsabilidades.... e você quer passar isso para sua filha, o problema é que a realidade de sua “pentelha”- com carinho, é: namoradinho, facebook, amiguinhas, dormir fora de casa, usar microsaias, celular, shopping, até pintar o cabelo com papel crepom essa menina já fez ... São as fases da vida! Não se desespere! Isso passa. Em relação as fases, não há muito o que se fazer, a não ser compartilhar conhecimentos. Feliz do filho que sabe escutar o que uma mãe tem a dizer. Feliz da mãe que consegue aprender com seus filhos. Dialogar é colocar-se ao lado, é saber ouvir, mas sem essa história de que tudo tem que ser do jeito que uma quer. Menina, conselhos nunca são demais! Aproveite os conhecimentos de sua mãe, porque ela já percorreu um longo caminho. Encarem-se, vocês não são rivais, são mãe e filha. Tenho certeza que amanhã ou depois, sua mãe vai lhe pedir um monte de opiniões, principalmente como lidar com instagram, iphone, ipad... essas coisas todas que você sabe de cor e que ela não sabe devido seus afazeres. No fundo mesmo, vocês são duas grandes amigas.

    ResponderExcluir
  11. Segunda parte, espero que dê certo:

    d) Amo muito um (a) garoto (a), mas sou tímida (o) e tenho dificuldades para expôr o que sinto. Também tenho medo de não conseguir fazê-lo (a) feliz e perdê-lo (a). Como devo agir?

    R – Nãããããããããão! Não acredito que você é tímida! Eu adoro mulheres tímidas! Sabe que, uma vez, nos bailes da vida, eu inventei de dar uma “cantada” em uma menina... sabe esses pimentões vermelho que a gente compra para culinária... pois é, ela ficou assim e sumiu da sala. Não sei se a “cantada” foi ruim ou se ela era tímida. O fato é que, com aquele rosto vermelho, para mim, ela ficou muito mais linda ainda, mas evaporou, literalmente.
    Sendo você tímida, use ela a seu favor. Vai por mim, todo o homem gosta de uma mulher que esconde seus mistérios por detrás de uma certa timidez. A gente fica instigado, imaginando, o que será que se passa com essa mulher? Vamos ao seu caso: Então você ama um garoto!hummmmm, danadinha você, imagine se não fosse tímida? Calma, não fica vermelha! Mesmo sendo tímida, você deve ter uma amiga, confidencie isso a ela e peça que ela faça um tipo “meio de campo,” é para isso que servem as amigas. Outra dica: Coloque aquele salto que você tanto gosta, seu batom, seu perfume predileto, passe pela frente de seu pretendente e apenas olhe para ele (você sabe do que estou falando). Se ele estiver afim, certamente irá lhe procurar. Mas não vale sair correndo viu! Outra dica, seria você encarar de frente o que tanto teme, sua timidez. Que tal chegar no garoto e dizer, estou a fim de você! O máximo que pode acontecer a você é ficar vermelha, mas e daí? O mais importante foi você quebrar o gelo. Ou ainda, que tal lhe enviar um bilhete? Quanto ao medo de fazê-lo feliz ou perdê-lo, nesse primeiro momento, esquece. Concentre-se na melhor forma de como chegar até ele ou se fazer notada por ele. O resto, com o tempo se ajeita.

    e) Como fazer para que a receita do biscoito amanteigado não vire um mingau ou uma pequena tábua?

    R – Biscoito amanteigado? Gosto de colocar dentro do café e comer. Não sei como se faz, mas vou ficar de olho nas respostas. O meu forte é churrasco, carne de panela, risoto, massas, polenta e feijão com arroz.

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nestor!!! Com esse pequeno manual de atitudes práticas para a vida sobrou pouco para eu comentar, hahahaha.
      Sabe que admiro a clareza com que vê as situações da vida e tenho certeza que seus registros podem ser preciosos para pessoas que carreguem qualquer um desses dilemas consigo.
      Ler (e seguir) considerações suas como essas já me ajudaram muuuito, espero que ajudem a outros que possam chegar aqui também. Agradeço a generosidade da partilha!
      Abraços, tudo de bom!

      Excluir
  12. Olá Bia,

    Acho bem temerário dar conselhos em assuntos sobre os quais não se tem um respaldo. Normalmente, aconselhamos tendo em vista nosso ponto de vista, que muitas vezes não é oportuno à situação ou à vivência de cada um. Há casos delicados, como o da sexualidade, que mereceria ser discutido com um psicólogo. Nesse caso especificamente, assumir a homossexualidade é bem difícil, haja vista as consequências que poderão advir de tal atitude. Penso eu que se a pessoa está infeliz e deseja assumir a sua condição de homossexual ela deve enfrentar a situação, pois nada é mais importante do que a própria felicidade. Viver infeliz e às escuras é um processo doloroso demais. Hoje em dia a sociedade já aceita e respeita a opção sexual das pessoas e os pais que amam verdadeiramente os seus filhos não os rejeitam por tal motivo. Os amigos, se se afastarem, é porque não eram amigos e vale, no caso, construir novas amizades, onde se possa colher aceitação e respeito.
    Questões como as 'b' e 'd' envolvem medo e insegurança. Difícil responder sem filosofar. Todos sabemos que o medo nos impede de caminhar, portanto é dar o primeiro passo e arriscar, estando pronto para enfrentar as consequências, caso negativas. Não há outro caminho para saber se vai dar certo. Ou enfrenta-se ou se acomoda, permancendo na angústia e na frustração. Arriscar poderá trazer resultados surpreendentes para a satisfação pessoal e realização.
    Quanto à questão 'e' vou ficar devendo, pois não entendo nada de receitas e de culinária, a não ser o absolutamente básico-rsrs.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Vera!
      Justamente por não conhecer a pessoa e seu contexto a fundo não podemos dar conselhos em nosso trabalho voluntário. Mesmo quando conhecemos, como bem lembrou, e mesmo que nos coloquemos no lugar do outro, não sabemos como o conselho poderá ser interpretado.
      Concordo contigo, acho que conviver com a angústia de querer assumir sua opção sexual e não fazê-lo traz sofrimento, é muito difícil conviver com a sensação de que não podemos ser quem somos, vira uma autorejeição velada e constante que provoca dor. De fato a sociedade hoje está mudando, lentamente, mas mudando.
      Agradeço sua contribuição, Vera! Um abraço!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.