sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Alinhamento dos "eus"

Responda rápido: o que é típico de final de ano além de peru, pernil, farofa e brinde? R: Autoanálise.. quase inevitável! Rever o que deu certo, o que não deu, o que fazer para melhorar, planejar, replanejar... faz parte e eu diria mais, é necessário.

imagem daqui

Prometi que "Mude sua vida em 7 dias", de Paul McKenna será o último livro de autoajuda lido por enquanto, comprado porque o primeiro capítulo disponibilizado na internet me convenceu... inúmeras técnicas práticas sem ser surreal. Já me autoajudei demais esse ano, kkk, foi eficiente, mas agora é preciso que as coisas simplesmente aconteçam.

O ponto crucial do livro trata da autoimagem pessoal de cada um. Quanto mais próxima a autoimagem é do verdadeiro eu pessoal, maior as probabilidades de uma vida satisfatória e produtiva. Sabemos que a tendência, para sermos aceitos socialmente é criar um eu dissimulado para disfarçar o que consideramos inadequado em nós, e com isso vamos estrangulando nosso verdadeiro eu. É possível viver bem por um tempo, porém não para sempre.

Como o período é propício para rever posturas, o livro traz perguntas que ajudam a investigar se o seu eu essencial de fato é o que tem comandado sua vida:

1. Eu dissimulado: imagem que projeta ao mundo para encobrir o que tem medo de ser.
  • Como você gosta de ser visto?
  • O que espera que as pessoas percebam em primeiro lugar?
  • O que é mais importante que todos saibam a seu respeito?
2. Autoimagem negativa: o que tem medo de ser (traços que não são realmente seus, foram programados em sua mente).
  • Qual é o oposto de cada um dos traços do eu dissimulado?
  • Quem é a pessoa de que você menos gosta e por quê? (por projeção o que desaprovamos no outro é o que tememos encontrar em nós mesmos)
3. Eu verdadeiro: quem você realmente é.
  • Quem você é desperta sempre a sensação de voltar para casa?
  • Quem você é quando ninguém está olhando?
  • Se você estivesse toalmente seguro, o que faria de maneira diferente?
  • Quem você seria se vivesse sem nenhum medo?

De posse de respostas sinceras, sem julgamentos, vergonha ou culpa, basta alinhar objetivos, autoimagem, o eu verdadeiro, e... voilá! Rumo ao sucesso em 2015! :DDD

Sei que me sinto muito mais próxima do que sou realmente do que há anos atrás, o que é bom. Talvez meu medo surja do medo de perder essa sensação, o que é ruim, hahaha. E então entram os outros capítulos do livro, que fortalecem a segurança - estou no capítulo 4. Bingo!

Volto dia 1º com o Blog Retrô!!! Alegrias, amor, saúde, paz, conquistas, realização... um brinde a tudo de bom! Você merece!


35 comentários:

  1. Boia, essa reflexão de final de ano, cabe sempre e muito bem a cada final de dia, à noite, antes de dormir. Faz muito bem, nela observamos erros, acertos, o que valeu ou não fazer. É a reflexão pitagórica.Gosto muito! Um lindo e feliz fim de ano e que 2015 nos proporcione o que desejarmos, sobretudo, saúde pra sempre continuar! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica!!!
      Após ler o livro "A magia", sobre gratidão diária, aprendi a agradecer todas as noites pelas pessoas que fazem parte da minha vida, pelas coisas boas que tenho... ler seu comentário me fez pensar em acrescentar como reflexão, o que no meu dia me aproximou de quem sou de fato e o que me afastou... como uma bússola em direção ao eu essencial. A pior coisa é quando nos afastamos de nós mesmos, ou nos rejeitamos como pessoa. Abraços, obrigada pelo carinho do ano todo!

      Excluir
  2. Grande texto, para ler e reler!
    Feliz ano, querida Bia!
    Beijo da Nina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nina, bom vê-la por aqui! Agradeço, abraço!

      Excluir
  3. Oi Bia!
    Refletir sobre o SER e SENTIR é sempre bom! O Fechamento de um ciclo sempre nos põe em xeque-mate, sempre digo que todo ano é bom, estou viva! Mas, na verdade tem uns anos que a gente fica torcendo para acabar, e este é um deles rsrsrsrsrsrs...
    Linda, te desejo muita luz, amor e saúde! Boas festas p/ vc e família. Um grande abraço energizado!
    Bjossssss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Ah, que pena que seu ano não foi espetacular, a admiro muito como mulher corajosa, empreendedora, simples... então, que acabe logo, e que venha um muito melhor de presente. Ano retrasado tive dias muito difíceis no final de ano e não via a hora que acabasse... ano passado foi bem mais alegre e suave... esse ano... está acabando tranquilo, e melhor aguardar para ver o que me aguarda ano que vem, kkk.
      Obrigada pelo carinho e pelos desejos cheios de boas vibrações! Abraços, feliz 2015!

      Excluir
  4. Oi Bia.
    Essa analise interna é mesmo necessária. Gostei da dica de leitura.
    Feliz Ano Novo, com muita saúde, felicidades e sucesso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris!
      O livro vem com um CD de hipnose, kkkk, descobri que sou uma pessoa bem suscetível, kkk... mais no sentido de relaxamento, mesmo. Para quem gosta de - ou precisa - se ajudar, é uma boa... mas eu não estou fazendo o programa em 7 dias, são muitas dicas práticas para fazer em um dia só... vou fazendo num ritmo que dê para absorver tudo.
      Agradeço o carinho, um abraço!

      Excluir
  5. como você disse è inevitável, fazer balaço no final do ano,
    esse ano o meu balanço foi positivo em umas coisa e negativos em outras,
    Querida Bia vim deixar o meu carinho para você e sua família, desejar que e desejar que o ano novo lhes traga muita alegria, saúde e paz.
    baci e fique com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Pelo que escreveu houve equilíbrio em seu ano... penso que não há um ano inteiro sem algum percalço, a diferença é a maneira como lidamos com eles, ou se os positivos superam os negativos. Ano arrastado é aquele em que os negativos superam os positivos... dá vontade que chegue logo o próximo.
      Desejo que os melhores sentimentos transbordem em seu novo ano! Um abraço, tudo de bom!

      Excluir
  6. Boa tarde querida Bia..
    um ótimo tema para o final do ano onde muitos só pensam em beber, comer, viajar.. acham que tudo é festa.. esquecem dos seus corpos, pensamentos..
    vc falou bem.. lemos muitas coisas boas, auto ajuda nunca é demais.. mas temos de dar tempo ao tempo.. somos impacientes as vezes por não vermos as coisas acontecerem.. só é hora na hora, antes da hora ainda não é hora..
    te desejo um lindo dia e lindo final de ano abraços meus e até sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samuel!
      Festar é bom, para aliviar os pesos, hahaha... mas esse olhar para si, esse reacomodar de sentimentos e objetivos, fundamental.
      Sabe, penso que paciência não tem me faltado, pelo contrário... já errei por impaciência e isso me ajuda a agir de outra forma. Mas autoajuda também tem um limite, para que não acabe se tornando um processo banal, rotineiro.... assim como tenho consciência de que há um limite de atuação, até onde você pode ir, até onde não depende de autoajuda.Obrigada pelo carinho do ano todo, tenha um ano especial.

      Excluir

      Excluir
  7. Um ano novo cheio de magia e luz beijo Lisette.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que assim seja para nós, Lisette, Abraços!

      Excluir
  8. Bia,

    Sobre promessas que fiz, nem todas pude cumprir por motivo de força maior (sobrenatural, anormal, contraria, etc rsss). Fui numa medica ao entrar Dezembro para mudar meu estilo de vida, e olha, mesmo com perus, gluglus, panetones, etc..., entrei na academia, reduzi o que como, nunca é tarde. Não pude realizar meus maiores sonhos em 2014, mas nunca desisto e acredito que vou conseguir em breve.

    Desejo a voce, familiares e amigos um FELIZ ANO NOVO. Com toda a paz e saude.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fadinha!!!
      Sei e nunca duvidei que nossas vidas caminham paralelas. Como disse a Nestor esses dias, vocês dois são meus irmãos virtuais, rsrsrs...
      Entendo bem sobre as travessuras da "força maior", kkk... Sabe, eu estava pensando que ao final meu saldo está positivo... cumpri as metas a que me dispus, sustentei minhas posturas adotadas conscientemente, ajudei o quanto pude, enfim, fiz o que havia de ser feito, e obtive resultados positivos.
      Mas sem contar alguns momentos pontuais maravilhosos e inesquecíveis que guardo com todo o amor do mundo como preciosidades, o ano não deixará saudades, o que acaba causando uma sensação de que se passou grande parte do tempo em vão. :p Faz parte...
      Parabéns pelo seu projeto saúde, sei por experiência o quanto faz bem... estou me sentindo novamente motivada e retomando os meus.
      Que os nossos maiores sonhos finalmente se realizem, Sissym... sei que a sinceridade do seu coração é tão límpida quanto a minha. :)
      Abraços, viva tudo o que puder em 2015 e que o desfecho seja memorável!

      Excluir
    2. Feliz Ano Novo, mana rsrsrs... e para a Sissym também. Vocês são demais.

      Excluir
  9. Estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes, mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
    O livro deve ser muito bom, pelo texto que descreve aqui.
    Vim também desejar um Ano_Novo cheio de paz,saúde e grandes vitórias.

    São os votos do Peregrino E Servo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Antônio!
      Obrigada pelas felicitações, desejo que seu 2015 seja um grande ano... um abraço, tudo de bom!

      Excluir
  10. Ao fim de cada ano que passou, geralmente fazem-se as contas, e confesso que essa "febre" de reflexão que me invade me retira um pouco a capacidade para sentir-me verdadeiramente em festa. só sei que tentei fazer o melhor que pude, mas nunca li nenhum livro de auto ajuda.Deixo tudo acontecer sem grandes preceitos ou grandes tomadas de posição.
    Feliz 2015, Bia!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Laura!
      Partilhei desse sentimento dividido, entre festa e reflexões nem sempre confortáveis, até o Natal... essa semana tenho buscado me concentrar no que é bom, para que 2015 venha com tudo! :D
      Ler livros de autoajuda é uma questão muito pessoal, há aqueles que não se identificam com os escritos, ou tem seus meios próprios de realizar balanços, planejar objetivos... eu gosto de livros de reprogramação mental, o que não quer dizer que sejam 100% eficientes, kkkk. Esse me ajudou a perceber que estou em paz comigo mesmo e a realimentar sonhos.
      Tenha um 2015 genial... um abraço!

      Excluir
  11. AAAh Bia..
    Esse ano foi tão conturbado que hoje não sei como quero ser vista e nem sei como as pessoas me vêem .
    Sinto que estou muito negativa. Nesse 2015 não sei como será. Mas tenho fé em Deus será bom. Eu espero!


    Um ótimo 2015 cheio paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. =/ Que chato, Nathália!
      Também passei por conturbações, ao que me parece, 80% dos blogueiros também, rsrsrs.
      Estou me recuperando da negatividade, que com certeza não combina comigo. Também não sei como será 2015, mas precisamos acreditar no melhor! :D Com fé em Deus, então, a coisa vai...
      Tudo de bom, alegria e suavidade em seu novo ano! Um abraço!

      Excluir
  12. Gostei dessa reflexão de fim de ano, Bia. Interessante mesmo. E essa época é muito gostosa, mas também provoca tristeza. É uma mescla de sentimentos. Bjão e até a volta! Bom 2015!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sérgio! Sempre me pergunto por quê essa época suscita essa revirada de sentimentos! O importante é lembrar do que foi bom para entrar um novo ano com energias renovadas!
      Eu já recuperei minha alegria e estou em contagem regressiva! Ainda que seja só uma data, é preciso respirar a positividade que pode ser extraída da possibilidade de um recomeçar. Um abraço!

      Excluir
  13. Olá, querida Bia
    Neste fim de ano também me dedico a rever algumas coisas em muitos pontos do meu ser...
    Mas o que me toca, no momento, é a efemeridade da vida...
    Tenha um fim de ano feliz e abençoado
    Bjm festivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rosélia!
      Penso que todo o final de ano remete à essa efemeridade, do quanto o tempo passa numa velocidade muito maior do que podemos nos dar conta. E como esteve doente, penso que tudo isso deve ter mexido ainda mais contigo...
      Desejo que fique bem e que possa aproveitar agradáveis e preciosos momentos em 2015. Abraço, obrigada pelo carinho!

      Excluir
  14. O ano está a terminar, e passei para agradecer a companhia na caminhada difícil que foi este ano de 2014, e desejar que 2015 seja um bom ano, não só para mim e todos os meus amigos, mas também para a humanidade em geral.
    Um abraço amigo e até para o ano, se Deus quiser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elvira! Lindos desejos, simples porém recheados de generosidade! Que assim sejam os dias, sempre esperando que o melhor aconteça, e que 2015 seja um ano replete do doçura, gentileza, leveza e alegria. Abraços, tudo de bom!

      Excluir
  15. Oi Bia, como vai? Como foi seu Natal?

    Eu, sendo uma eterna criança, típico para mim, seria no primeiro dia do novo ano, sair batendo à porta dos vizinhos e desejar um Feliz Ano Novo e poder receber algumas moedinhas....Esse tempo bom já passou.

    Puxa vida, hoje é 30 de dezembro e você me vem com essas perguntas filosóficas que requerem um pensar mais lapidado. Não vou responder não, por enquanto...

    Não me preocupo muito com minha auto imagem, muito menos com certas opiniões. Já sou crescido o suficiente para ter minhas próprias convicções. Acredito que, a nossa verdadeira marca, deva ser a "inspiração" que deixamos por onde passamos.

    Super Ano Novo a vocês!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nestor!
      Meu Natal foi em paz, Graças a Deus.
      Acho tão interessante conhecer tradições... essa de bater de porta em porta pedindo moedas eu não conhecia.
      Essas são de fato perguntas que merecem um olhar sincero e cuidadoso sobre si... e tem razão, requerem tempo.Penso que se tratam de questões que vez por outra precisam entrar em pauta para reconhecermos se estamos na direção do nosso caminho.
      Ler seu último parágrafo me fez pensar na condensação do pensamento do livro sobre autoimagem - quando deixa-se de se preocupar com ela, é porque se está vivendo de acordo com suas mais puras tendências, ou seja, se está à vontade consigo mesmo, o que os outros querem ou pensam deixar de ser a preocupação primordial. Ser crescido o suficiente é outro ponto importante... só quando se está verdadeiramente maduro é possível viabilizar esse estado de conforto pessoal.
      Hoje me considero uma pessoa madura, embora a tendência à insegurança e autorrejeição ainda sejam pontos de atenção para mim... assim como reconhecer pontos negativos e fazer o possível para compreendê-los sem no entanto dar-lhes força é outro sinal de maturidade.
      Que as conclusões filosóficas fiquem nesse ano, e que em 2015 sobrem motivos para cada um ser como é, feliz assim, fazendo feliz assim.
      Abraços, obrigada pelo carinho fraterno! Tudo de bom ao Enzo e à sua esposa.

      Excluir
  16. Como vai Bia?
    Pensei que estivesse de férias!
    Sempre gostei muito desses livros de auto ajuda e em tempos comprei muitos e estava sempre fazendo esses testes! Alguma coisa foi ficando, mas não o suficiente ainda. Muito tenho que limar;))!
    Também já me sinto mais eu, mas gostaria que os que me estão próximos me vissem dessa forma e pelo contrário reagem negativamente. Penso que a psicologia explica isso dizendo que os outros não estavam habituados a que a nossa personalidade se tornasse mais forte e dai a reação! Que pensa disto,))?
    Beijinhos e renovo meus votos de excelente 2015!
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime!!!
      Sim, estou de férias... do serviço, kkkk... ou seja, com mais tempo para a internet, pelo menos em teoria, porque até agora pouco parei, kkk!
      Esses livros são eficientes a meu ver, mas no dia a dia acabamos por regredir de novo (não ao ponto em que estávamos, mas ainda longe do ideal) e então, precisamos ler de novo, ou tentar outro meio... o preocupante é quando resolvemos nos abandonar, porque vira sobrevida, sem sentido.
      "Que pensa disto?" Ai, ai, ai... quando me perguntam eu sempre respondo, kkkk! O não responder me parece uma espécie de descaso, kkkk... vamos lá...
      Acho que a colocação tem toda a propriedade e razão. Penso que a pergunta primordial é, por que nos distanciamos do que somos a ponto de nos perder de vez em quando? Por rejeições que sofremos? Por passar de medidas e depois nos arrependermos?
      Tenho consciência de que rejeições nos modelam de um jeito que não é saudável. Arrependimentos, quando resultado de um olhar humilde sobre o que fizemos, sem culpas demasiadas, são importantes para aprendermos a pensar em nossas atitudes próximas.
      Porém, nenhum dos dois pode nos distanciar de quem somos de fato, e esse é o limite tão difícil de encontrar. Queremos nos sentir queridos e amados, mas sendo um produto somente do que o outro espera, não estamos sendo autênticos... o que é uma violação a si.
      Compreendo o que sente em relação à intolerância das pessoas, embora hoje em dia eu sinta isso de uma maneira bem menos radical do que já foi um dia. Acredito que os remédios seriam que as pessoas fossem mais empáticas, aprendessem a se colocar em nosso lugar, e a compreensão de si mesmo, de que todos temos qualidades, defeitos, e ambos merecem respeito, principalmente quando se trata de pessoas que amamos. Mas isso, minha cara, é algo que cada um precisa sentir necessidade de aprimorar, e erramos muito até acertar, kkkk.
      Tenho uma natureza autêntica, espontânea... aprendi a lapidar atitudes defensivas demais, porém não consigo mentir sobre o que sinto. Posso até ocultar, mas não consigo mentir... isso tem um lado saudável, mas esse outro lado da incompreensão sobre nossos sentimentos, pode magoar. E hoje, com quase 40 anos, não mais uma menina acuada, se eu sentir que preciso deixar de ser eu mesma, deixar de ser espontânea, prefiro me afastar, ou me fechar. Não quero que as pessoas engulam a fórceps meu jeito de ser, como também sei que o ceder tem limites.
      E aí, haverá uma contra-resposta? :)
      Gosto de quem me leva a pensar e de quem gosta de me ouvir, Ailime. Será que um dia irei a Portugal tomar um café contigo?
      Abração!

      Excluir
    2. Oi Bia, que prontidão! Muito obrigada! Peguei nesta frase "Por rejeições que sofremos?"!
      Penso que as rejeições logo na infância vão-nos (de) formando ao longo da vida e deixam marcas difíceis (não impossíveis) de resolver! Isto vai talvez criar uma certa forma de ser e estar que não ajuda muito no relacionamento com os outros! Não quer dizer com isto que não me dê bem com as pessoas, mas talvez por ser demasiado sincera e aberta, também por vezes fira sem querer! Todos estes aspectos neste momento já são bastante ténues, mas um assunto que ainda tenho que resolver!
      Não tarde em vir a Portugal, porque estou ficando velhota...Vamos ali a Sintra que é aqui ao lado à Periquita comer um travesseiro e tomar um café;))!
      Beijinhos e obrigada.
      (Este assunto tem pano para mangas como dizemos aqui.). Continuação de boas férias.
      Ailime

      Excluir
    3. Olá, Ailime!! Nossos pensamentos e sentimentos estão afinados... tenho certeza que as rejeições da infância são a grande base mal estruturada que se desdobra em fragilidades para o resto da vida, reforçada pelos tombos que vamos levando... mas como lembrou sabiamente, o difícil de resolver não é impossível! Saber perdoar sinceramente quem nos magoou é o princípio do alívio da dor.
      Também já fui bem mais reativa e impulsiva... amaciar não é deixar de ser sincera e aberta, e sim aprender a ponderar para se colocar evitando mágoas desnecessárias. Tem razão, assunto looongo...
      Curiosíssima sobre o que seria comer travesseiros, visto que no Brasil, são os suportes fofinhos onde deitamos a cabeça para dormir, kkkk!
      Olha que eu vou, hein? Um abraço!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.