sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Casamento inusitado e um beijinho para o recalque

Tarde de 1º de janeiro de 2015. Sem muitas opções, em casa, resolvi começar uma encomenda da loja e por esse motivo deixei de colocar um filme na tv, não prestaria a devida atenção. Torci o nariz quando vi a cerimônia de posse da presidente, mas me dispus a escutar como seria, para entender o raciocínio da linha de governo...


Os comentários do jornalista Alexandre Garcia tornaram a cerimônia um pouco mais leve e interessante contando histórias dos bastidores presidenciais. A que mais me chamou a atenção foi do Marechal Hermes de Macedo, pontuada por traços inusitados para a época.


Em 1913, casou-se com a cartunista Nair de Teffé, primeira mulher dessa profissão no Brasil - traço de ousadia e personalidade. Conheceram-se meses após o falecimento da primeira mulher dele e o pedido de casamento foi feito durante uma queda de cavalo, Paixão para valer!

Nair era uma mulher brilhante e encantadora, e como tanto, despertava alguma rejeição da sociedade... inteligente e de beleza incomum, transformou costumes no Palácio do Catete - antiga sede da presidência. Introduziu o uso francês de calça para as mulheres e o maxixe para alegrar os festejos de gala... abriu inclusive as portas para apresentações da cantora e pianista Chiquinha Gonzaga, Apaixonado, o marido permitiu e incentivou.  

Apesar de alguns socialites e familiares não apoiarem a união, o sorriso do Marechal  na foto, emoldurado por seu longo bigode torcido, transpira uma alegria autêntica, distante do seu sisudo uniforme de gala. Ora, quem tem o direito de julgar um amor que traz alegria para a vida de alguém que passou por tamanha perda?

Quando o amor e a alegria se sobrepõe à rigidez das normas limitantes da sociedade sempre rendem histórias encantadoras e por vezes, polêmicas. Garanto que boa parte das senhoras da sociedade que mostraram repulsa pelo casamento ou novos costumes não conheciam de fato o que era ser amada e ser feliz. Penso que em alguns casos quando alguém julga ou acusa com veemência outrem há um traço de recalque, uma vontade insana e contida de fazer o mesmo.

Podemos admirar algo que o outro faz e não fazemos por não poder ou não querer... o recalque é uma admiração às avessas, é a depreciação do outro pelo que não posso ou não devo fazer. Acredito que todos já vivenciamos esse sentimento em algum momento, reflexo de baixa estima e imaturidade. Quando a gente cresce pra valer, descobre que também pode... ou aprende a respeitar o que cada um faz da sua vida. #liberdade


Um brinde ao amor vivido, à liberdade de escolha e um beijinho no ombro para o recalque!

E você, conhece alguma história de amor inusitada? Ou já foi vítima do recalque de alguém?


imagem daqui


Fonte de informações e imagem ---> aqui.


43 comentários:

  1. Oi Bia

    E quem não foi vítima de recalque em algum momento? Viver em grupo exacerba a inveja.

    Vivemos na sociedade do politicamente correto, onde somos autorizados e incentivados a apontar e rechaçar os "erros" dos outros como se fossemos um exército de justiceiros que sentem-se menos pecadores quando repudiam e atacam o semelhente porque ele fez ou falou algo supostamente hediondo. As mazelas humanas são usadas para formar uma turba bestial que tem de pensar igual e usar, inclusive, as mesmas palavras para tudo. O que sair fora disso é preconceito.

    Pobre humanidade que nem percebe o quanto é usada para fins que não são os seus e vai da rígida moral castradora para a rígida imoralidade doutrinadora.

    Feliz aquele que conseguiu se colocar acima destas imposições de seus tempos, este sim se aproximou do que é ser livre.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Van!
      Em alguns momentos a hipocrisia dos julgamentos me indigna tanto quanto a você. É estranho, isso, não é? As pessoas são "autorizadas" a fuçar e especular sobre a vida alheia, mas não tem o direito (se não, o dever) de ser feliz... como se a felicidade fose um modelo pré-moldado, criando assim felicidades efêmeras, artificiais.
      Talvez por isso histórias como essa me encantam.Amor autêntico produz felicidade autêntica e duradoura.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Se vivemos hoje a sociedade do politicamente correto, imagina em 1950 uma mulher de 35 anos se casar com um homem de 20? Pois foi o que aconteceu com meus pais. A minha mãe foi deserdada e seus pais proibiram os seus irmãos de irem em seu casamento e jamais conversarem com ela, que no passado havia rejeitado os melhores partidos para escolher um homem, que além de mais novo, era pobre e negro - na verdade, sua pele era parda por causa da descendência árabe. O casamento só foi possível pq o avô de minha mãe se compadeceu de sua dor. Nessa história toda, lembro da minha mãe nos contando o que havia acontecido e repetir as palavras de meu bisavô quando ela lhe disse os motivos pq estava quieta e amuada em sua visita à casa dele:
      - Seu pai não quer o seu casamento, mas eu posso passar por cima de sua autoridade, pois eu sou pai dele!
      Ele entrou com minha mãe na igreja. De um lado da igreja, os familiares de meu pai e do outro lado, somente as amigas de minha mãe que não eram poucas.
      Essa é a história de amor que daria um livro por tantas situações ocorridas também depois do casamento e que foram superadas somente porque o amor existia. Convivi apenas 4 anos com meu pai, pois ele veio a falecer, mas tenho tantos relatos de quem ele era, que talvez, se ele ainda estivesse vivo, eu não saberia.
      Ele era uma Nair de Teffé com a alma de Chiquinha Gonzaga - Desenhava jóias durante o dia e compunha músicas durante a noite - Daí se vê os motivos que a minha mãe o amou tanto e outros motivos para que a família tão tradicional de minha mãe o odiasse mais ainda.
      O exemplo de vida de minha mãe carrego comigo e acho que devemos tudo para sermos felizes, afinal, só se vive uma vez!
      Beijus,

      Excluir
    3. Lumaaaa!!!! Ontem eu queria responder seu comentário mas havia perdido. :p Hoje achei, é porque estava em cima, hahaha.
      Menina, que história LINDA. Com certeza daria um livro que venderia muito, muito... pelo menos eu compraria. Já pensei em escrever um post falando sobre as evoluções que não enxergamos... pensamos que a sociedade é ignorante mas esquecemos que já foi muito, muito mais. O teu avô foi corajoso, amoroso e justo ao ficar ao lado da felicidade de sua mãe. O apoio dele com certeza foi fundamental para essa história com final feliz.
      Tão poucas pessoas escolhem a felicidade como caminho porque, por motivos alheios ao nosso conhecimento, em geral esse é o caminho mais trabalhoso e difícil... talvez justamente para que tenha maior valor. Por outro lado, traz satisfação. Li esses dias a diferença entre prazer e satisfação.... vivemos em tempos de priorização do prazer, são momentos de euforia, porém efêmeros. Por outro lado, geram sempre uma sensação de vazio lá no fundinho que não é preenchido. A satisfação, ao contrário, é a sensação de tranquilidade permanente, a sensação de que tudo está no seu lugar, que torna a pessoa mais forte para lidar com as dificuldades e feliz inclusive por coisas simples.
      Seus pais escolheram uma vida satisfatória, onde foram felizes porque o amor prevaleceu. Em outro comentário eu disse que não sou do tipo amor coleira, que sufoca, mas sou completamente a favor do amor companheiro, que está ao lado, que compartilha, onde um quer a companhia do outro, apoia os projetos do outro, fortalece a estima e a personalidade do outro, quer estar na companhia do outro não por obrigação, mas porque é um prazer...
      Ah, eu ficaria horas comentando admirada essa história. Mas como cheguei ao estágio do sorriso misturado com lágrima, melhor parar por aqui.
      Amei sua partilha!!!! Iluminou minha tarde! "Luz de Luma" que teve pais iluminados!
      Abração!

      Excluir
    4. Obrigada pela resposta, Bia! Assim como misturou o sorriso com lágrimas, eu agora estou à beira delas com o que escreveu. Foi um amor que valeu todas as dificuldades e que hoje, mesmo os dois não mais aqui, sinto esse amor!
      :)
      Beijus,

      Excluir
  2. Linda e bem contada história aqui e recalques, nem merecem nossa atenção.Ignorá-los é melhor...E tá cheio!! bjs, praianos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chica, sim, está cheio... e pegamos os lances nem sempre em relação à nós, mas quando percebemos como alguém fala de outro alguém que nao está peto... vamos conhecendo o lado mesquinho das pessoas, infelizmente. Um abraço!

      Excluir
  3. Olha só acho que em todas épocas existe ou
    existiu uma mulher forte, rsrsr gostei desse recalque
    e o beijinho no ombro vai para tantos né não
    Elogios pelo belo post

    Bom final de semana

    Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rita! Sim, que bom que existem mulheres fortes que sabem dar compartilhar alegria e amor! :) Agradeço o carinho, um abraço!

      Excluir
  4. Olá Bia, sempre com temas cada vez mais interessantes!
    Adorei conhecer a história desse amor inusitado;)) que decerto causou muitas invejas nas senhoras da sociedade de então!
    História assim não me recordo de nenhuma relevante, mas no que respeita ao outro aspecto nem imagina o que é quase todos os dias ter alguém de família muito chegada sempre com coisas do género. Isto habitualmente por sms e se tento ignorar, pergunta se estou aborrecida, o que aconteceu, que me acha estranha! Estou é cansada daquelas conversas! Está imaginando o martírio? Por ouro lado não posso deixar de dar o meu apoio a essa pessoa devido a várias circunstâncias da vida, mas é muito difícil e até triste para mim!
    Deixo-lhe um beijinho e os meus votos de um bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ailime!
      Tenho suspeitas de que as senhoras da sociedade que repudiaram o maxixe no palácio estavam morrendo de vontade de balançar os cabelos e a saia ao som da música! hahaha
      Não deve ser fácil viver com o recalque diariamente... trabalhei há anos com uma moça que gostava muito. Percebi que ela copiava algumas coisas minhas, mas via como admiração... até que anos depois comecei a perceber que ela estava passando um pouco do limite, com atitudes como assediando meu namorado na época, armando situações estranhas no serviço...
      Para resumir, ela me prejudicou no serviço e depois, tentou me prejudicar em outro serviço. Foi triste, porque era alguém em quem eu confiava, de quem gostava...
      Hoje ela tem a vida dela e ao que parece, cresceu e melhorou como pessoa. Mas descobri que o recalque pode fazer estragos na vida do outro, é preciso estar atento para saber escolher em quem confiar e quem deve estar do nosso lado. As pessoas podem ser dissimuladas e nos enganar por anos.
      Desejo que essa pessoa do seu convívio se dê conta de que sua atitude não faz bem - nem a você, nem a ela. Penso que aquele que vive depreciando o outro, não é feliz.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Olá Bia, muito obrigada sempre pela gentiliza da suas opiniões que muito prezo.Penso que a maioria das pessoas tenta aprender com situações vividas até de afastamento de amigas pelos motivos que indiquei, mas preferem levar a sua avante a ceder! Assim é bem mais difícil ajudar (estas pessoas não se deixam ajudar) e no caso em questão é mesmo um caso difícil! Vou tentando ajudar aos poucos! E claro a pessoa a que me não é feliz nem deixa que os outros sejam! Bem complicado.
      Um beijinho e uma boa semana. Ailime

      Excluir
  5. Bia, não conhecia essa historia. Mas conheço varias historias de amor inusitadas. tenho um amigo que foi noivo por oito anos de por nada a menina terminou com ele. Durante alguns meses ele achou que não conseguiria superar esse relacionamento. só que o inusitado foi que meu marido apresentou uma colega de faculdade a ele, começaram a sair e 3 meses apos resolveram casar. A família dele foi contra, mas nós resolvemos dar uma força para ele. Pois bem, casaram, tem uma filha linda e estão juntos faz seis anos.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Liene!
      Ah, que delícia de história! AMO finais (que tem continuidade a dois) felizes!!! Esse negócio de tempo é muito relativo... penso que quando há amor e afinidades, não há necessidade de esperar anos a fio, Claro que o tempo faz com que conheçamos melhor as pessoas, mas não é o determinante para fazer ou não feliz. Eu amo o mesmo homem há anos e a cada dia mais... tenho certeza que se casasse com ele três meses depois de conhecê-lo o amor continaria o mesmo. Quando é A pessoa, o tempo não muda isso.
      Um abraço, felicidades para o casal!

      Excluir
  6. Muito interessante o texto. Gostei de ler.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elvira, um abraço, ótimo domingo!!!

      Excluir
  7. Qualquer maneira de amor vale amar, não é o que diz a canção? Costumes idiotas foram impostas para serem esmigalhados... E que viva o amor, sempre!
    Eu acho que você contou a história com muito mais encanto do que o pseudo corretíssimo Alexandre Garcia e seus comentários tendenciosos, embora não tenha visto a tal cerimônia de posse.

    Bia do céu! Eis que vi seu comentário lindo no blog, além de um extra que havia sido removido por você. Fui remover definitivamente o extra e foi-se tudo. Buaaaaaaaaa.... Eu quero de novo! Rsrs...

    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milene!
      hahaha, Pois sabe que, por algum motivo, achei que o Alexandre Garcia estava menos tendencioso nessa ocasião... o que me espantou também. Conferi as informações no link do texto, mas ele e expôs belamente sim. Não à defesa dele, mas gosto de ser justa. E para ser sincera, me prendi bem mais aos seus comentários à parte que a cerimônia em si, até porque, fica difícil a essa altura do campeonato acreditar em alguma coisa. Depois que eu vi, a grosso modo (na cerimônia), uma frase que queria dizer "não vamos mexer no vespeiro da Petrobrás", qualquer chance de credibilidade de minha parte caiu por terra. E nesse ponto espero estar sinceramente enganada.
      Aaaaah, não creio.... às vezes uso o note para comentar e saem algumas palavras erradas, o teclado é ruim... copiei, exclui e recolei arrumando os erros... acho difícil lembrar o que senti no momento, mas vou ver se lembro. O que não esqueço é que mais uma vez, seu texto me emocionou profundamente. Menina danada!
      Um abração!

      Excluir
  8. Que história linda, essa do Marechal Hermes de Macedo! Gostei imenso da foto, onde a mais jovem e bela esposa surge com uma expressão mais contida, enquanto o marido surge com um verdadeiro sorriso de felicidade.
    O recalque e despeito sempre existirão, e é como dizes, surgirão sempre de pessoas inseguras, que porventura com alguma dose de frustração por não conseguirem ter atitudes semelhantes às que se lhes deparam; uma certa atitude de rasgar com determinadas convenções sociais, por receio de crítica, crítica que por isso mesmo elas exercem em relação a quem teve essa coragem, ou mera inveja, de alguém infeliz que não suporta ver os outros felizes.
    Gostei muito de ler, Bia.
    Bom fim de semana!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laura!
      A expressão da esposa também é um traço dos costumes da época, os rostos mais fechados, contidos (que certamente difere de sua personalidade festiva, alegre)... e o espantoso é esse sutil rompante feliz do austero Marechal. O surpreendente acaba sendo sempre gostoso.
      Penso que frustrações todos vivemos em alguns momentos da vida, mas a maneira com que lidamos com isso precisa ser o diferencial. E vejo vários "graus" de recalques... do recalcado que desdenha do outro ao extremamente invejoso e infeliz, que sabota, mina, diminui a estima do outro, algumas vezes de forma sutil, velada, ardilosa, em outras de forma direta, aberta... todas doem e prejudicam, em proporções diferentes.
      O melhor mesmo é que cada um recebesse a dádiva de sentir-se livre para buscar sua felicidade. Seria lindo um mundo de sorrisos francos. Não desejo mesquinhez nem para os que merecem, ao contrário.. que sejam felizes e engrossem a corrente do que é bom.
      Um abraço!

      Excluir
  9. Bia,

    neste caso, entendo que o recalque também pode ser entendido como a inveja. Lendo este interessante historia, chego a conclusão que o amor vivido e feliz sempre será alvo da cobiça daqueles que nunca souberam amar ou foram desprezados ou trocaram os pés pelas mãos.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym. Ler o que escreveu me fez pensar que tem toda a razão... por outro lado penso que estados de inveja e cobiça podem se reverter a qualquer momento, bastando uma mudança de perspectiva e atitudes por parte de quem alimenta esses sentimentos. Fico realmente feliz quando percebo que alguém assim finalmente se encontrou e passou a agir de forma diferente. Às vezes uma questão de personalidade, em outras, de imaturidade - e nesse caso, penso que uma mudança é totalmente possível.
      Abração, linda semana!

      Excluir
  10. Oi Bia.
    Eu nem assisti à posse, meu pai que estava ligadão na tv. rs.
    Estou bem desapontada com o fato do ProUni agora liberar apenas meia bolsa, conheci pessoas que tiveram a chance de fazer uma faculdade com bolsa integral o que não será o meu caso, cortou até o tesão ao pensar no curso pré-vestibular que farei pensando na "luta por uma meia bolsa". Chato isso. Mas... Fazer o quê? Fomos nós (eu não) que colocamos ela de volta ao poder.
    Eu gosto de gente que quebra estereótipos, uma de minhas melhores amigas tem 52 anos e casou-se com um cara de 22. E são evangélicos! Imagina como é o meio evangélico (tá, melhor não imaginar se não for uma). E acha que ela se importa com o que dizem a respeito? Eles querem mais é ser (e evidentemente são) felizes!
    Sobre o recalque, eu acredito que todo mundo já sentiu e já passou por alguma situação assim.
    Beijos e bom domingo para ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      Não a recoloquei no poder, e como eu disse no texto, espero mesmo estar enganada e ser surpreendida. É muita ingenuidade - e falta de informação - o povo acreditar, do jeito que está a economia mundial e de como a nossa decaiu, de que as coisas melhorariam. Ingenuidade ou ignorância?
      Se eu puder lhe dar uma dica, não deixe que isso a desanime para fazer uma faculdade. Eu só consegui terminar a minha há dois anos (hoje tenho 39) e preciso correr atrás de oportunidades que seriam mais fáceis de conquistar quando era mais jovem.
      Desejo muitas felicidades ao casal que está vivendo seu amor apesar do contexto contrário. Num caso desses a primeira coisa que as pessoas dizem é, "ah, ele está com ela por interesse, impossível ser amor..."... Impossível por que? Pessoas interesseiras tem às pencas por aí, independente da idade, isso não dá a certeza de nada.
      Admitir que já sentimos recalque me parece um sinal de crescimento pessoal. Quando admitimos algo que não é legal, conseguimos elaborar e mudar dentro da gente ou acabamos prisioneiros buscando padrões inatingíveis, que não tem nada a ver conosco.Já ser vítima dele, é preciso estar atento para perceber a tempo de não ser seriamente prejudicado.
      Um abraço!

      Excluir
  11. Oi Bia,

    A felicidade, o amor e a ousadia sempre causaram e causarão recalque de um modo geral...o mundo continua exatamente igual...

    Estava com saudades de ler seus textos...

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa!
      Não deveria ser assim... mas continua sendo há anos, embora a hipocrisia esteja pouco a pouco se dissipando, com as pessoas assumindo suas preferências sexuais e escolhas, apesar de ainda ter muito preconceituoso por aí.
      Bom vê-la por aqui!
      Um abraço, lindo ano para nós!

      Excluir
  12. O amor não se prende em convenções, não é? esta sempre evoluindo os lugares, impondo costumes e valores! Ahh tenho inúmeras histórias pra contar...rs abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ives, lindo é quando o amor se sobressai... acredito no poder que o amor tem de irradiar em volta e tornar tudo melhor.
      Fiquei curiosa sobre suas histórias, hahaha!
      Um abraço!

      Excluir
  13. Brilhante postagem que deu-me a oportunidade de conhecer mais uma, dentre as tantas, maravilhosas mulheres que engradeceram a nossa história e fizeram jus à fama...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Viviani... história de uma mulher que não se limitou às amarras sociais! E ele um homem que soube reconhecer da joia ao seu lado. :) Um abraço!

      Excluir
  14. Bia,

    Que delícia de história. Realmente, não conhecia, e achei muito legal o Alexandre Garcia falar do tal assunto. Com certeza, deu uma leveza enorme ao acontecimento principal. rs
    Leio no Facebook frases sobre recalque e beijinho no ombro.kkk Na verdade, não sei do que se trata. Posso imaginar que seja coisa de novela, ou TV. rs
    Uma linda história de amor, que muitos gostariam de ter vivido. Uma mulher à frente de seu tempo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucinha!
      O acontecimento principal é até bonito, o problema é a atmosfera artificial que o cerca. Abraços e mais abraços por interesses, palavras bonitas que raramente viram atos... que bom ter histórias de histórias que valem a pena ser relembradas!
      Sobre a frase de recalque e beijinho no ombro, hahaha, surgiu com uma música chamada "Beijinho no ombro" da cantora Valesca Popozuda, uma cantora de funk, que fez muito sucesso por falar do recalque. Acabou virando febre no Brasil, mesmo entre aqueles que não ouvem muito o gênero, como eu. Olha o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=73sbW7gjBeo Superprodução, kkk!
      A vida não tem sentido sem uma grande história de amor. <3
      Um abraço!

      Excluir
  15. Olá, querida Bia
    Sim, já fui avo do recalque de outrem mas em tudo me serviu de lição...
    Hoje em dia (tantos anos passados desde a juventude)... ninguém me atinge pois prefiro perder (ganhar) e ser feliz do que ficar lutando e em vão, algumas vezes...
    O amor nos alcança...
    Bjm festivo de 2015

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rosélia!
      É verdade... acabamos aprendendo, mas é melhor aprender sem que seja pelo caminho da inveja, da decepção...
      Penso que tem razão, Rosélia, a hora de desistir é a hora em que se parece que a luta está sendo em vão... e nesse caso desistir é um ganho. Até porque, quanto maior e mais bonito é o sentimento, menos combina com a palavra luta.
      Sobre o amor, o melhor mesmo é não precisar alcançar por não haver necessidade de se distanciar...
      Um abração!

      Excluir
  16. Boa tarde Bia..
    o amor tem dado lições e mais lições em todos praticamente..
    eu anos atrás passei por uma situação que não me foi nada confortável.. a pessoa namorava mais os celulares que a mim e ainda era ciumenta rsrs
    já eras né..
    hj em dia é muita gente querendo colocar coleira no outro e isso só termina de um jeito.. brigas, divórcios, separação, frustração..
    e falam de amor de boca cheia .. parece piada né.. abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Samuel! hahahaha, "Já eras, né"
      É... sair com alguém e ficar vidrado no celular o tempo todo dá a impressão de que sua companhia é pouco interessante... minha filha já sabe que quando vou a algum lugar com ela, no máximo é para dar uma olhada, postar uma fotinho, e só!
      Não é de minha personalidade esse modelo de amor coleira... serve só para sufocar. Penso que a base precisa ser a confiança, assim como gosto de ser uma pessoa confiável. Se eu estiver com alguém a quem não esteja sendo fiel, então estou com a pessoa errada. Assim como não vejo como amor o sentimento estilo Maria Martha (Império), de posse e interesse. Quem ama quer ver o outro bem, não dentro de seus próprios padrões e interesse, mas prestando atenção ao que é importante ao outro. Enfim, cada um com seus parâmetros.
      Um abraço!

      Excluir
  17. OI BIA!
    ADORO HISTÓRIAS ANTIGAS E VERDADEIRAS ENTÃO, LI E IMAGINO O QUE FOI NA ÉPOCA PARA A SOCIEDADE ESTE CASAMENTO, MAS COMO BEM OBSERVASTE PELO SORRISO DO MARECHAL ELE ESTAVA MUITO FELIZ .
    O RECALQUE É ALGO RUIM E SÓ ATINGE E DE FORMA NEGATIVA,MESMO QUEM O SENTE.
    MUITO LEGAL TEU TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zilani!
      Gosto muito de histórias antigas também, tenho uma coleção de fotos antigas digitalizadas pelo meu pai que é um pequeno tesouro para mim - imagens também contam histórias, não é mesmo?
      O recalque é mais um daqueles sentimentos negativos de via dupla... faz mal a quem sente, e a quem recebe. Mais pessoas felizes no mundo, é do que precisamos!
      Um abraço! :)

      Excluir
  18. Oi Bia, como vai querida?
    Antes de tudo agradeço sua preciosa companhia em 2014!
    No final do ano passado, eu estava tão exausta que passei uns dias sem postar e encerrei o ano com a minha avó Zilda ...... Foi bom sabe? E, desde a ocasião festiva, só agora retornei! :)))
    Confesso que me fez muito bem ficar algum tempo fora do ar... A gente fica um pouquinho só, refletindo na vida! Realmente vale a pena!
    Mas quando a saudade dos amigos desponta e a vontade de interagir novamente se intensifica, aí ninguém segura não é? rsrs

    Linda, bela demais a história de amor narrada! Um casamento inusitado e repleto de felicidade! Marcou época e só de ver o sorriso iluminado, estampado no rosto do até então sisudo Marechal Hermes, já se denota sua alegria de viver renascida! :))))
    É óbvio que a sociedade torcia o nariz... todos hipócritas e até hoje continua do mesmo jeitinho... Pessoas vazias que não tem coragem de ousar, de fazer diferente, de se entregar às paixões e utilizam como válvula de escape as críticas ferinas.... E isso é repugnante!
    Por isso que a gente deve mesmo é dar um beijinho no ombro aos recalcados de plantão..hehehe...E ser feliz do jeito que a gente quer, sem se preocupar com a opinão alheia que nada acrescenta!

    Muitos beijos querida e também aproveito para te desejar um 2015 maravilho, repleto de muita saúde, muita alegria e que tenha muita história linda para contar prá gente...
    Maravilhosa semana! :))))))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Adriana, bom novo ano!
      Dar uma pausa é muito bom... eu mesma estou de férias mas me envolvendo com outros afazeres, acabo tendo pouco tempo para os blogs. Afinal, viver é preciso, reabastecer energias, para voltar a compartilhar coisas boas com os colegas blogueiros.
      Quando ouvi a história do marechal me encantei, e depois, pesquisando para contar certinho aqui no blog, gostei ainda mais pelo sorriso dele. E pelo que conta a história, foram de fato muito felizes.
      Pessoas que costumam criticar outras ou ostentar o que tem desdenhando ao outro em geral são mesmo vazias... usam esses meios para se sentirem melhor, ao invés de buscarem dentro de si o que não está bem. Uma pena.
      Desejo que seu novo ano seja maravilhoso, com a saúde em cima, sem sustos, e com muitas histórias lindas com certeza. Com amor tudo vale a pena. Um abraço!

      Excluir
  19. Bia, acho que toda pessoa feliz gera um recalque. Provoca uma inveja... Normal do se humano, mas tem uns que não ficam só no recalque, fazem algo, ou insinuações ou até atitudes piores pra atrapalhar a alegria dos outros.
    Casais felizes então... ai, meu Deus! O que mais se tem é recalque.
    Sim, já fui vítima, uma história triste que não acabou bem, mas passou.
    Não deixei de ser feliz por isso e sei que incomodo muita gente.
    Como eu disse, felicidade incomoda muito.

    Beijos, boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Clara!
      Uma colega de trabalho comentou uma vez que há pessoas que invejam pessoas felizes mas não imaginam o quanto já batalhou e batalha na vida. Invejam a alegria mas não imaginam os problemas que a pessoa também precisa enfrentar. Acham que conquistas vem com facilidade e querem o mesmo, sem se dar conta de que o caminho traçado é o que faz a diferença. Na verdade, querem o mesmo mas não querem ter o trabalho da conquista.
      Triste mesmo é quando a interferência prejudica a outra pessoa seriamente. E a melhor resposta que você pode dar é continuar sendo feliz, e incomodando, rsrsr.
      Um abraço!

      Excluir
  20. Excelente post, Bia, a revelar uma sensibilidade depurada, que se detém apenas naquilo que vale a pena, para lá dos recalcamentos que pululam pea vida...

    Um beijo :)

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.