sábado, 14 de março de 2015

Lições de Bisteca*

Contei em outubro ---> aqui quando adotei em uma ONG meu cachorro, Bisteca, sem dúvida uma das atitudes mais acertadas na época. Tenho aprendido muito com ele e resolvi partilhar com você algumas dessas lições.

acervo pessoal

Bisteca foi abandonado ainda bebê. Resgatado pelo ONG, foi tratado e encaminhado a outra família, onde estava sendo mantido na corrente. Resgatado uma segunda vez pela ONG, foi encaminhado para mim e hoje é um dos seres mais amados e bem cuidados desse mundo.
1ª lição: se as coisas não dão certo na primeira ou segunda vez, não desista, talvez venha algo muito melhor depois.

Ele cresceu bem mais que o previsto, está bem grande para um apartamento. Saio com ele diariamente para não ficar estressado. Esses dias fui à casa da minha mãe que tem um grande quintal para soltá-lo para correr um pouco e coloquei uma tábua na porta para ele não entrar, pois minha mãe não gosta de cães dentro de casa. Em vez de correr, ele ficava na porta sentado e olhando para nós, chorando baixinho, querendo nossa companhia.
2ª lição: mesmo que esteja livre, quando ama alguém, é perto desse alguém que você vai querer estar.

Justamente por ter crescido e estar bem gordinho kkkk Bisteca, que sempre teve o hábito de pular em nossas pernas quando chegamos especialmente quando fica um longo tempo sozinho, acaba deixando uns arranhões e marquinhas roxas em nossas coxas (hábito que está sendo educado).
3ª lição: saudade em demasia pode machucar. kkkkk

Num desses pulos exacerbados em minha filha, Bisteca caiu de mau jeito sobre a anca e começou a gritar muito de dor. Ficamos desesperadas achando que ele tinha quebrado algo e começamos a alisá-lo para ver se não havia nada fora do lugar e para acalmá-lo. Mas logo ele se acalmou, foi só o susto.
4ª lição: chore, grite, ponha sua dor para fora, mas tenha paciência que a dor passa. E se deixar alguém cuidar de você, passa mais rápido ainda.

Acostumado a ficar sozinho somente à tarde, Bisteca está se adaptando em ficar sozinho de manhã e à tarde, pois os horários da minha filha mudaram. Embora eu o deixe com vários brinquedos, em alguns dias chego em casa e pego o tapete da sala e alguns tacos que estão soltos todos revirados, coisa que ele nunca havia feito antes.
5ª lição: cuidado com a carência, ela pode levar você a fazer bobagens, kkkkk.

A 6ª lição? Certeza que Bisteca é o reflexo da dona. :)


E você, já aprendeu alguma lição com um bichinho de estimação?


*Bisteca é o codinome do meu cão. :)

42 comentários:

  1. Que lindo o Bisteca e suas lições! Eles são geniais mesmo! Adoro e o contato com eles nos faz melhores sempre! bjs, tudo de bom pra vocês e pro BISTECA! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! É uma alegria chegar em casa e vê-lo me esperando! E sua Cuca, é uma graça, sou superfã dela, não sei se já lhe contei, meu sonho era ter uma cocker! :) Um abraço!

      Excluir
  2. Olá,

    O Bisteca (que codinome legal! rsrs) tem uma carinha de cão meigo e levado, será mesmo? As lições dele são sábias, rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marly, meigo e levado, não poderiam ter adjetivos mais apropriados. quando resolve brincar pula que nem um cabrito... tanto que no "lar" haviam dado o nome de Brito, kkk. Um abraço!

      Excluir
  3. Oi Bia!
    Como diz o ditado popular: "Se Maomé não vai à montanha..."
    "O Maomé" aqui resolveu ir até a essa montanha, onde curto muito ler os posts.
    Gosto de postagens extensas, que me colocam para refletir e as tuas são exatamente assim.
    Senti tua falta na Coluna da Mi, encerrei para iniciar um novo. Sou desse jeito: completamente viciada em recomeços! Mas preciso manter o foco para não fazer o que muitas vezes fiz: não terminar o que comecei.
    Agora espero aquietar a cabeça com meu novo blog que, cá entre nós, agora sim está a minha cara.
    Sobre o Bisteca... Como não amá-lo? Como não amar um animal de estimação, não é?
    Eu os vejo como filhos.
    Aqui em casa só temos gatos, mas já tive cachorros anteriormente e ambos são incríveis, cada um com suas peculiaridades.
    Adorei a lição número 3, hahahahaha!
    Se eu aprendi algo com algum bicho de estimação?
    Com meu último cão, a morrer com dignidade.
    Ele estava doentinho e meu pai não queria a eutanásia (como era ele que mantinha, não pude fazer nada, afinal, acho uma judiação prolongar o sofrimento) e o meu queridinho foi-se embora em silêncio, sem chorar, nem gemer, em meio à uma fria madrugada de junho.
    Já com os gatos, eu aprendi que independência é tudo, que precisamos de um tempo sozinhos sem nenhum nhem nhem nhem pra cima da gente. E também aprendi a cair e cair sempre de pé! E com minha gata, além disso, sair rebolando e divando depois do tombo! hahahahaha!
    Beijos e um bom fim de semana para ti.

    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mi!
      Interessante suas divagações sobre recomeços... bons, importantes, mas sempre após as finalizações apropriadas.
      Os blogs que tenho hoje são a minha cara e penso que no momento em que se sentir assim, à vontade com seu projeto, será porque reflete o que você é.
      A lição 3 na verdade foi uma brincadeira, kkkk, ele é muito amoroso. Agora está aprendendo a não pular tanto,na verdade eu nem ligava para suas patadas, mas me preocupei quando caiu de mal jeito.
      Fiquei pensando na história do seu cão, de morrer com dignidade... só de imaginar ver meu bichinho sofrer, ou ficar sem ele, já fico com um aperto no coração.
      Gosto de gatos também... cresci vendo vários deles na casa da minha tia... e achei o máximo a lição de sair rebolando que nem diva, kkkk! Gata esperta (as duas!)!
      Um abração!

      Excluir
  4. Bia que bonito seu texto eu acho que todos aprendemos um pouco com os animais e
    Esse nome é bem original não é mesmo gostei.......

    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rita!
      Tem razão, os animais são sábios em sua natureza perfeita. Um abraço!

      Excluir
  5. É muito bonito o Bisteca.
    Infelizmente eu não tenho animais de estimação, por causa das alergias.
    Um abraço e bom Domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elvira! Eu pensei bastante antes de pegar o Bisteca, minha filha é um pouco alérgica a cães, mas por enquanto está tudo bem. Uso muito vinagre branco na desinfecção, tem sido eficiente.
      Um abraço!

      Excluir
  6. Eu não saberia expressar de maneira tão límpida e poética como você o fez, o que aprendo com nosso cão.
    Acho que nunca tinha pensado assim em relação a uma carência, a uma segunda o terceira chance.
    Amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana!
      Penso que de todas as lições, essa da segunda ou terceira chance foi a mais significativa pra mim. Talvez se ele tivesse ficado no primeiro lar, que o degradou, estaria com fome ou sendo mal tratado. Descobrimos há pouco tempo que veio com início de sarna e com verme, que só não se desenvolveram gravemente por estar bem cuidado. Agora está tratado.... já imaginou se ainda estive nos lares anteriores? Assim somos nós... em determinado momento não entendemos algo, mas não podemos deixar de acreditar que a vida pode ser generosa um pouco adiante. O importante é valorizar as pessoas que amamos e as que nos amam de verdade.
      Um abraço!

      Excluir
  7. hahahahah Bia,

    acho que os bichos são nossos reflexos, são meio como filhos, aprendem com nossos exemplos, imitam algumas coisas.

    Eu adotei um novo gatinho e aqui em casa está na fase de adaptação, ou seja, a gorda baleia Lola ter a paciencia de aceitar o bebezinho cheio de vitalidade.

    Acho que é muito bom termos algum bicho, porque temos muito o que aprender e eles são maravilhosamente bons para a gente.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      É verdade, minha filha diz que ele é muito parecido comigo... amável, carinhoso, metódico, kkk, e às vezes "fervedor", kkk (leia-se:brincalhão).
      Ah, eu vi fotos do gatinho, kkk, como são territorialistas, penso que inicialmente deve ser mais difícil para um gato aceitar o outro. Deve ser interessante observá-los. Tenho vontade de ter um outro animal para fazer companhia ao Bisteca, mas em um apto, sem condições, kkkk!
      Eles dão amor gratuitamente e isso não tem preço. :)
      beijo, fadinha!

      Excluir
  8. Bia,

    Linda a história do Bisteca. Ele teve sorte em ter sido adotado por vocês.
    Tenho aprendido muito com meu gatinho adotivo (é do vizinho), mas desde que, aqui vim morar, ele nunca mais voltou pra casa. rs Quase 6 anos.
    No começo, eu me sentia muito só, e vivia lá no Deck, olhando pro nada. Ele vinha quietinho, e ali ficava, até eu sair. Foi virando rotina, e depois de algum tempo, mais intimos.
    Ele ama meus pés, e quando não estou em casa, ele procura os meus sapatos e dorme ao lado.
    Aprendi que, nunca estamos sozinhos. Deus enviou um gatinho pra me tirar da solidão e me ensinar a amar ainda mais os animais.
    Aprendi muito com as lições do Bisteca também.
    Um lindo Domingo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucinha!
      O homem que eu amo sempre diz o mesmo, rsrsrs, que ele teve sorte por ter sido adotado aqui em casa.
      Fiquei imaginando o gatinho chegando de mansinho para lhe fazer companhia e a doçura de imaginar ele dormindo em seus sapatos. Sabe que me emocionei? O Bisteca apareceu em minha visa na hora certa, quando eu já vinha alimentando a ideia de um cão há alguns meses... acredito que Deus envia esses pequenos companheiros em momentos decisivos para nos ajudar a perseverar no que somos um pouco mais até que as coisas acabam se acalmando dentro da gente.
      Abração!

      Excluir
  9. Oi Bia, matando a saudade dos seus textos, e este está primoroso, pequenas ações que nos remete a sentimentos e comportamento complexos...
    Amo esses bichinhos, tenho dois, digo aqui no cafofo que eles só faltam falar, conhecem o som do carro de longe, pedem para sair para fazer xixi, são vigilantes extremamente fieis, são viralatas, uma é mãe e o outro é o filho: Nenê e Saci (o nome quem deu foi meu filho).
    Bia, um começo de semana cheio de boas realizações para vc!
    Bjosssssss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Saudades de você também!
      Saci... um barato o nome, kkk! O meu é supereducado, só faz as necessidades no "banheirinho" dele, cuidador - anda para lá e para cá caçando e capturando pequenos barulhos, quando está fazendo sua ronda noturna o chamamos de "capitão do mato", kkkk! Gosto quando fala do seu cafofo, dá uma ideia de aconchego.
      Um abraço!

      Excluir
  10. Olá Bia,

    Não tenho cachorro ou outro animal de estimação por aqui, pois é complicado mantê-los em apartamento. Contudo, conforme já tive ocasião de lhe falar, temos quatro cachorros em nosso Chalé. De tudo que já pude observar dos animais, sejam ou não de estimação, eles estão sempre nos presenteando com lições e exemplos importantes. Achei muito bacana esse seu aprendizado com o Bisteca. É preciso ter sensibilidade para captar esses ensinamentos. Todos se constituem em uma ótima e acertada filosofia de vida.
    Viu como valeu adotar esse fofo?

    Ótimo restinho de domingo e feliz semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vera!
      Com certeza, valeu a pensa adotá-lo. Sempre que tive cachorros foi somente um em casa, imagino que observá-los em grupo também deve ser interessante. Um pouco antes de pegar Bisteca vi dois brincando em frente ao teatro quando fui assistir uma peça, uma graça a maneira como brincavam e depois, faziam carinho um no outro. Pareciam mais amáveis que pessoas.
      Um abraço!

      Excluir
  11. Bia, o ser humano não faz ideia do quanto ele pode aprender através dos belos exemplos de carinho e de dedicação dos animais. Eu amo cães. Tenho dois aqui em casa. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paulo! Fico chocada quando vejo imagens de maus tratos aos animais... não entendo que prazer o ser humano pode sentir a partir disso. Quem sabe se parecem para analisá-los, aprenderiam a ser melhor.
      Um abraço!

      Excluir
  12. .

    O cão é melhor que o ser humano.
    Se você me manda embora eu vou e
    não volto mais, mas se você, mesmo que
    sem razão, bater no seu cão e meia hora mais
    tarde o chamar de volta ele baixa a cabeça
    e volta abanando o rabo como se desculpando
    por algo que não fez.
    Eu também tenho um cachorro, mas de nós
    dois o cachorro dele sou eu.

    Um beijo e parabéns pela matéria.






    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sílvio! Essa humildade e sempre pronta disposição para perdoar, para permitir que o amor prevaleça, é das características mais preciosas que o cão pode oferecer. Parecem term sempre um coração muito puro.
      Achei um barato sua frase, kkk "Eu também tenho um cachorro, mas de nós
      dois o cachorro dele sou eu.", kkkk! Acho que isso um pouco que acontece aqui em casa!
      Um abraço!

      Excluir
  13. Ah o Bisteca é lindo!
    Depois de de duas fases de vida infelizes, lá conseguiu encontrar um lar onde é amado e feliz. Os cães devolvem o amor que recebem, têm uma dedicação sem limites e uma gratidão imensa, coisa que muitos humanos nunca saberão o que é.
    Eu só tive um cão há muitos anos já, e quando ele morreu nunca mais consegui ter outro... mas olha que até ando a pensar adoptar um.
    Achei gira forma como retiraste as lições de vida a partir do próprio comportamento do Bisteca!
    Boa semana, Bia!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laura!
      Eu já tive três cães, mas não vi nenhum deles morrer. Talvez por isso ainda tenha coração para ter arranjado outro. Mas o Bisteca de longe é o mais carinhoso e obediente.
      Tenho esse costume de ficar buscando lições no cotidiano, kkkk, e ele além de me ensinar, me dá um carinho que não tem preço.
      Um abraço!

      Excluir
  14. Eu aprendi que a saudade não tem tempo. Pode ser de 5 min ou de um dia inteiro, tanto a saudade deles com a gente como da gente com eles. É incondicional.
    Eu confesso que sou uma péssima educadora de cachorros. Eles acabam fazendo oque querem. Não os deixo mais dentro de casa, somente da cozinha pra fora, senão não dou conta mesmo, mas não consigo ir perto deles e não dar um afago ou um abraço em cada um. Isso tbm aprendi. Carinho nunca é demais. E paciência também.
    Tenho 3. Todos peludos e que soltam pelos na gente... rsrsrs
    Beijos, menina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Clara!
      É verdade! Essa coisa de saudade parece funcionar em alguma espécie de tempo próprio paralelo! São poucas as pessoas que tem todo meu amor, mas dessas eu sempre sinto falta, e mesmo ele não sendo uma pessoa, faz parte desse grupo!
      E os cães também são assim... a alegria que ele manifesta quando vou jogar o lixo (5 minutos) é a mesma de quando chego depois do trabalho!
      O meu solta bastante pelo, kkkk, mas é uma delícia aquela coisa gordinha, macia e quentinha encostando na gente! :3
      Um abraço!

      Excluir
  15. Olá Bia, outro excelente artigo e as ilações que tira a partir das reacções do seu lindo Bisteca. Faz todo o sentido o que expressa, embora ainda não tivesse convivido com animais do género aqui no apartamento, mas pelo que observo em animais que habitam aqui no terraço do piso de baixo.
    Muito agressivos pois passam todo o dia, apesar do espaço (embora limitado) sem os donos! E pelo que sei nunca os levam para espaços verdes amplos para eles poderem saltar à vontade! Como são cães de guarda, talvez seja esse o motivo!
    O que mais me impressiona nos cães principalmente é o seu olhar meigo.
    (Aqui na mesa onde escrevo tenho quatro miniaturas de cachorrinhos cada um com o olhar mais meigo que o outro,))!
    Só não tenho, porque gostaria de ter quintal para eles pularem à vontade!
    No entanto aqui em casa já passaram muitos outros animais que meus filhos apreciavam e dos quais eu também gostava!
    Até uma tartaruga que vinha buscar a comida nos meus dedos... que meu filho mais novo ofereceu ao colégio quando saiu e fiquei com imensa pena, mas admirando o gesto dele..
    Desejo que continue assim feliz por muitos anos com seu Bisteca!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ailime, amanhã te respondo, tá? :)

      Excluir
    2. Olá, Ailime! O Bisteca tem sentido a falta da minha filha pela manhã, tem roído algumas coisas que antes não roía... mas fazer o quê, precisamos tocar a vida, não é?
      Acho muito importante o cão ter o momento do passeio especialmente para aqueles que vivem em local fechado. O meu já sabe qual é essa hora (final da tarde) e fica bem variado me chamando, só falta falar! Então dou uma volta e sento uns minutos embaixo da árvore da pracinha do condomínio... ele adora.
      Quem sabe um dia arranjo um quintal para ele! :)
      Meus primos tem uma tartaruga, hahaha, chama-se Leôncio... é um barato, super dócil e corre que só! kkkk
      Abraços!

      Excluir
  16. Oi Bia,
    Eu comprei um cãozinho pequenino e ele morreu de câncer quando escapou de casa, brigou com um cachorro maior e não sei o que engoliu. Era noite, chamei o veterinário, ele estava engasgado, mas feriu o local da garganta e não teve jeito.
    Fiquei traumatizada
    Nunca mais quis cachorro.
    Saudade do meu Dique.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli! Imagino sua dor vendo o bichinho sofrendo... aqueles que gostamos deveriam ficar para sempre ao nosso lado.
      E o nome, um charme: Dique. Gostei!
      Um abraço!

      Excluir
  17. Bia!!! Que encanto, que lindo!
    Eu ri, eu me emocionei, eu gargalhei com as peripécias do Bisteca e ainda mais com o seu codinome secreto...rsrs
    E o melhor de tudo, aprendi junto com você o quanto é precioso recomeçar, tentar de novo, amar e de deixar ser amado....

    Quantos aprendizados podemos obter com um gesto tão lindo quanto o seu, o da adoção...
    Sabe, o amor de um cãozinho é sempre livre e muito verdadeiro...
    Eles são pequeninos anjos, inocentes e tem a inteligência de um bebê, quando no máximo de uma criança.. Por isso são tão pueris e sobretudo, adoram receber carinho e se sentir amados!

    Maravilhoso artigo, amei ler..
    Obrigada Bia!
    Beijinhos e uma noite maravilhosa! ♥♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana!
      A história dele mostra que nem sempre um mau começo é sinal de má sorte a vida toda. Ele é muuuito amado! A quem merece amor a vida sempre dá um jeito de arrumar a rota.
      A moça que intermediou minha adoção disse que o cão tem inteligência e comportamento similar a de uma criança de dois anos. Por isso são assim, sempre alegres, amorosos, brincalhões e perdoam as broncas rapidinho, kkkk.
      Um abração!

      Excluir
  18. Olá, Bia.

    Temos muito para aprender com os bichos e a natureza de uma forma geral.

    Um abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Antonio!
      É verdade... eu sou observadora ferrenha da natureza, quando vou ao trabalho pela manhã sempre tem canarinhos pelo chão, garantia certa de um sorriso nos meus lábios.
      Um abraço!

      Excluir
  19. Olá, Bia.

    Parabéns nesse e em todos os dias do blogueiro.

    Um abração e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que gentil, Apon, obrigada pela lembrança! Feliz Dia para você também! Um abraço!

      Excluir
  20. Como a Bisteca é linda, Bia! E todas essas lições são valiosas! Eles nos dão em triplo o amor que a gente dá. Bjs e bom fim de semana!

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.