terça-feira, 24 de novembro de 2015

A máquina de fazer sorvete

imagem daqui

Estava lembrando que quando eu tinha cerca de 8 anos, minha mãe comprou uma dessas máquinas de fazer sorvete usada e colocou na garagem de uma casa onde minha avó morava, atrás de um condomínio conhecido na cidade como "Pombal".

Como sempre fui habilidosa, apesar de ser pequena, era minha função limpar os garrafões, preparar o xarope (eu deixava bem forte para ficar mais saboroso, rsrsrs) e fazer os sorvetes. [quando digo que trabalho desde nova ninguém acredita, rsrsrsr]. Ficava na sala da casa da vó vendo TV de onde podia enxergar a garagem e quando alguém chegava no portão, ia  atender. Nos dias quentes vendia muito bem.

Um dia a máquina começou a soltar uma espécie de óleo diluído em gelo que acabava respingando em volta da massa da sorvete na confecção. Quando uma cliente foi comprar o produto, reclamou do óleo e não tive dúvidas: peguei meu dedo e passei em volta do sorvete, "limpando' a camada suja, e devolvi o sorvete. Com cara de nojo, a moça disse que assim não queria, kkkkk, e foi embora.

Como criança fiquei magoada sem entender o que havia de errado com meu dedo, que a meu ver, estava limpinho, kkkk!!!!! Afinal, eu não havia resolvido o problema? Onde eu tinha errado? Para uma criança a recusa foi um gesto muito difícil de absorver. E assim vai se perdendo a ingenuidade, e ganhando conhecimento - o preço vale a pena? Acho que eu não queria ter aprendido a "enxergar", porque dói, rsrsrs.

Ao final da história venderam a máquina. Fiquei triste porque não poderia mais tomar alguns sorvetes de graça, rsrsrsrs, mas aliviada por não me preocupar mais com medo de que o sorvete saísse manchado.

Que bom se resolvêssemos as coisas assim, sem perder a capacidade de acertar as coisas de um jeito simples - por que a vida nos complica? E/ou nos preocupássemos em cuidar do coração do outro sendo mais gentis, rsrsrsrs.

Talvez tomar sorvete seja tão bom porque nos lembra como pode ser leve.


[há o que não se venda nem se compre]


17 comentários:

  1. Bia, tive que rir de seu gesto infantil. Por certo, adulta, você também o recusasse. O sorvete nos faz parecer crianças (kkk), é o que sempre penso. Doce e leve como a infância. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marilene! Hoje em dia, após algumas infecções intestinais, sou bem seletiva em relação a condições de higiene de venda de alimentos, kkkk! Mas acho que eu seria mais gentil na recusa, ou se bem me conheço, era capaz de comprar o sorvete mesmo assim e jogá-lo em uma lixeira distante só para não constranger a criança. :p Lembrei dessa história tomando esses dias um delicioso sorvete aqui na cidade... queria ter aproveitado mais minha infância. Abraços!

      Excluir
  2. Que terno e meigo, Bia. Me remeteu também a minha infância, lembro dessa maquina. Muito praticas e em toda esquina. Bem visuais, lindas! Lembrei até do barulho que fazia. Se brincar ainda dá pra encontrar nos subúrbios distantes. Literalmente, doce lembrança. Delicia de texto, que viagem! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fábio! Contando essa história para minha filha ela lembrou que na rodoviária local tem uma! :) Quando o xarope é bem preparado, sem muita diluição, fica muito saboroso!
      Acho que a infância é sempre um lugar seguro para onde podemos voltar, independente do contexto. Abraços!

      Excluir
  3. Olá,querida Bia
    Tomei desse sorvete e me deu saudade... hoje em dia,tomo do Mac de casaquinha (misto) com netinhos... sempre... legal!
    Leveza e compreensão faltam-nos demais e o mundo fica carente...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rosélia! Eu adoro o sorvete do Mac, o meu preferido de longe é o sundae de chocolate!!! Sempre que vou à capital faz parte do meu cardápio!
      Falta, sim, leveza, compreensão e atenção. Uma pena!
      Abraços!

      Excluir
  4. As crianças têm essa capacidade, de resolver qualquer problema, de maneira simples e nem sempre muito correcta.
    Se puder, passe pelo Sexta. O dia deve unir mulheres e homens de bem.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elvira! Tem razão, a simplicidade jamais deveria deixar se perder do que somos, mas a própria educação e sociedade nos levam pra outros caminhos.
      Obrigada pelo convite, em breve estarei lá! Abraços!

      Excluir
  5. Boa noite Bia, você sempre nos fala sobre temas muito interessantes e este aparentemente simples tem muito para "saborear"! Não é só o sorvete, mas também a sua atitude de estar atenta à chegada de alguém para vender os sorvetes! Incrível mesmo nessa idade! Este aspecto me tocou.
    Sobre passar o dedo para limpar o sorvete um gesto inocente de criança que os adultos muitas vezes sem explicação recriminam como foi o caso.
    Assim se vai crescendo começando a entender que o mundo não é tão puro como o idealizamos.
    A venda da máquina resolveu o problema. Assim tenhamos a capacidade de contornar certas situações por mais difíceis que sejam.
    Um beijinho e continuação de boa semana,
    Ailime
    (Ainda fiquei a admirá-la mais pelo que contou. Obrigada pelo seu exemplo.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ailime! Sempre estive muito atenta a tudo e sempre fui educada para prestar atenção no outro. Já trabalhei muito e continua sendo assim, rsrsrs, e gosto quando percebo que meu trabalho está agradando.
      Gostei da sua colocação porque compreendeu o que eu quis dizer... a venda da máquina foi um alívio para o eu criança. Às vezes há problemas que parecem bobos para alguns, mas trazem grande angústia para outros. Cada um sabe dos seus parâmetros e do que é importante para si, e isso jamais deve ser ironizado, mesmo que seja um gesto, ou uma palavra.
      Obrigada pelo carinho! Abraços!

      Excluir
  6. Bia,

    sou eu, a Fada desconectada hahahahah! ri um bocado do seu dedinho limpando o sorvete. Ser criança é tudo de bom. Acredite, eu aceitaria! Ia rir um bocado.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,Fadinha! Continua com problemas na net? Sabe que eu também acho que aceitaria, e também riria, kkkkk! Bom humor é tudo de bom ainda mais numa situação que exige compreensão!
      Abraços!

      Excluir
  7. OI BIA!
    GOSTO MUITO DE VIR AQUI, TEUS TEXTOS TEM SEMPRE MUITA VERDADE E TUA SENSIBILIDADE TRANSPARECE EM CADA PALAVRA.
    ABRÇS AMIGA
    -
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zilani, é um prazer recebê-la e saber que gosta de estar aqui! Abraços!

      Excluir
  8. Uma lição de vida, Bia, em todo o seu esplendor. É que, bem vistas as coisas, há nesta história tantas pistas que... creio que daria inspiração para vários textos. :)

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o olhar sensível que você tem... de fato há vários prismas para essa história, perspectivas infantis, mescladas às perspectivas adultas, muitas vezes errada, ou ainda, desejosa de retornar no tempo, rsrsrsr! Mas conservo ainda um olhar infantil que me permite amar se ser alegre! Abraços!

      Excluir
  9. Hi, Nice post thanks for sharing. Would you please consider adding a link to my website on your page. Please email me back.

    Thanks!
    Angela
    angelabrooks741 gmail.com

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.