domingo, 21 de agosto de 2016

O que vi das Olimpíadas

Trabalhando em casa e com tv por assinatura, este ano pude acompanhar mais de perto as Olimpíadas. Entre as provas que mais gosto estão hipismo e ginástica olímpica. Luiz Fernando Monzon, especialista em cavalos, deu um show de conhecimento nos comentários das provas de hipismo.

imagem freepik

Em uma delas, classificatória, um dos competidores campeão e candidato ao pódio errou em um salto logo no início do percurso. No ato o comentarista explicou que quando o cavaleiro comete um erro o cavalo perde a confiança em seu condutor o que pode prejudicar toda a prova. Dito e feito: segundos depois, o cavalo refugou, recusando-se a saltar outro obstáculo. Fim de prova para o atleta, ponto para Monzon, rsrsrs.

No hipismo o cavalo acompanha o cavaleiro como se fosse sua extensão. Por não ter um cavalo à altura e com a aposentadoria do imponente Baloubet du Rouet, Rodrigo Pessoa, um dos nossos melhores cavaleiros, deixou de competir este ano. Saber reconhecer uma limitação faz parte de um bom competidor, e trabalhar para superá-la, uma grande qualidade.

Já no pentatlo moderno, prova que entre outras traz o hipismo, o competidor conhece o cavalo somente 20 minutos antes da prova. Este ano Monzon fez parte da equipe que selecionou os animais para a competição, buscando exemplares no mesmo nível técnico. A campeã olímpica anterior, lituana Laura Asadauskaitė, não conseguiu impôr sua liderança ao seu cavalo, que refugou quatro vezes!* Conclusão, seguiu na competição mas foi eliminada dessa prova, sem chances de concorrer a medalhas.

Já na ginástica olímpica, cujo único cavalo era o aparelho de alças, rsrsrs, os ginastas não refugaram e embora muitos tenham sofrido quedas durante a apresentação, se levantavam, acertavam sua postura, voltavam ao aparelho e continuavam sua prova. Por exemplo, o ginasta  holandês Epke Zonderland ---> aqui  também candidato a medalhas, caiu da barra fixa com o rosto no chão, levantou com o nariz vermelho e continuou dentro dos 30 segundos limites para o retorno, mesmo sem chances de medalhas.

É interessante a analogia cavalo x ser humano. O cavalo, destituído de confiança, age por instinto e simplesmente, desiste. Seu medo e instinto de proteção são maiores que sua imponência. Já o ser humano, dotado do sentimento de garra e superação, levanta, se restabelece e retorna para concluir o que começou, mesmo sabendo que não irá ganhar. Há algo de muito bonito nisso, ainda que pareça injusto que o trabalho de anos se perca por uma falha de momento.

Outras belezas das Olimpíadas: talento aliado à alegria e simpatia dos jovens Nory e Flavinha Saraiva (ginástica brasileira), dos japoneses ganhando prata no revezamento 4 x 100 m e de Usain Bolt (atletismo), Simone Biles (ginástica) e Michael Phelps (natação), que mesmo sendo estrela absoluta teve a educação e gentileza de agradecer ao Brasil pela acolhida. Outro exemplo de superação, Phelps retornou às piscinas após se recuperar do vício alcoólico, sem dúvida sua maior vitória.

Fiquei feliz pelo comportamento respeitoso da torcida, que até incentivavam competidores estrangeiros. só senti falta do "eeeee leleô leleô leleô leleô BRASIL!" durante a final de futebol de ontem, mas... talvez foi justamente o que instigou os jogadores a darem um show em campo há muito não visto, rsrsrs. Lado ruim do brasileiro: só fazer algo memorável quando não se acredita mais nele, rsrsrs. Isso precisa mudar.

Outro ponto positivo para o Brasil foi a seleção dos voluntários para a premiação, pessoas de todas as etnias, alturas, pesos, características físicas, ilustraram perfeitamente nossa diversidade e o quanto o preconceito está out.

Seria necessário um livro para escrever todos os exemplos positivos e negativos de garra, superação ou desportividade, mas deixo como exemplo a reportagem de Haydy Morsy ---> aqui, de 16 anos, que terminou em último lugar no Pentatlo Moderno. Após inúmeras dificuldades nas provas anteriores, Haydy concluiu muito bem sua última prova e comentou:

"Estou aqui para ganhar experiência. Ultrapassei algumas adversárias. Minha melhor prova é o combinado. Tive problemas no hipismo, mas estou aqui para aprender. Sou muito jovem ainda, tenho apenas 16 anos. Talvez em Tóquio 2020 eu ganhe medalha. Estou aprendendo com meus erros aqui. (...) A preparação para Tóquio começa agora (...) vou em busca de medalha. Quatro anos é tempo suficiente para eu me preparar para isso."

Aprender com os erros e não desistir. Ouro em sabedoria!

E você, o que viu das Olimpíadas? :)



*nas provas de hipismo, se o cavalo refugar uma vez, o competidor está fora. Já no pentatlo é dada a chance de quatro refugos para que o condutor consiga impôr sua liderança ao cavalo, visto que não o conhece e não tem entrosamento anterior. 

30 comentários:

  1. Bia, assisti muito pouco delas, mas destaco o Bolt, o nosso Isaquias, o Tiago,rapaz do salto na vara e as histórias de superação que ouvi! Achei que o Brasil, valeu pelos esportes menos badalados e espero que não se "achem" muito no futebol, pela vitória, já que penso o Brasil não pode voltar a pensar apenas no futebol. Deve ser um país que busque ganhar olimpíadas dem segurança SEMPRE( não só em festas), saúde , educação ao povo e respeito aos direito de ir e vir tranquilas em nossas cidades! Enfim, estou feliz que acabem, que tudo volte ao normal, apesar de terem sido dias bonitos, coloridos, de festas!
    Mas agora, trabalhar é preciso pra MUDAR não só os esportes, que aliás, devem ser incentivados sempre... beijos, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Chica, ótimos pontos de vista!
      O Tiago teve uma vitória linda, que mostrou o valor da ousadia e da autoconfiança, mostrou que sair da zona de conforto pode valer ouro - literalmente! rsrsrs
      Das coisas que mais gosto nesse tipo de evento, as histórias de superação são as mais emocionantes. Concordo contigo em tudo: o Brasil jamais pode se prender à ideia de que é somente o país do futebol - que aliás ainda precisa trabalhar muito ainda para recuperar minha confiança e credibilidade. As pessoas se "vendem" muito fácil, basta uma medalha para ficar tudo certo, não é bem assim, quanto maior o tamanho das "pisadas na bola", maior e mais constante precisa ser o empenho para reverter a desconfiança. O mesmo vale par aos governantes.
      Esportes precisam de investimentos porque mudam caminhos tortos de muita gente, que o país precisa oferecer boa estrutura sobretudo quando não há visita em casa, visto que os membros mais importantes do nosso país, somos nós, rsrsrs.
      Abraços!

      Excluir
  2. Bela postagem querida Bia!
    Gostei muito de ler e aprendi um pouco mais, um abraço e feliz semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria, que bom que gostou! Seja bem vinda sempre! Abraços!

      Excluir
  3. OI BIA!
    ACOMPANHEI TUDO O QUE ME FOI POSSÍVEL, FUI ATLETA EM MINHA JUVENTUDE, ENTÃO SOU APAIXONADA POR ESPORTES. POR CAUSA DESTA PAIXÃO, INCENTIVEI MUITO MEUS FILHOS MAS, CADA UM FAZ ALGUMA ATIVIDADE FÍSICA,MAS NADA MAIS SÉRIO, JÁ, PARA MINHA ALEGRIA, MEU NETO MAIS VELHO O PEDRO, ADORA ESPORTES E EU FICO TORCENDO POR ELE.
    PENA TERMINAR HOJE, QUERIA MUITO MAIS.
    PARA NÓS BRASILEIROS, ALÉM DA ALEGRIA DAS MEDALHAS TEMOS TAMBÉM O ORGULHO POR HAVER DADO TUDO CERTO QUANTO A ORGANIZAÇÃO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Zilani!
      Que interessante, como atleta seu ponto de vista sobre a competição deve ter alguns bônus que desconhecemos. É diferente quando a pessoa conhece determinado esporte pelo lado de dentro. Eu fiz natação quando criança (sem competir), adorava, e vôlei na escola, mas nisso eu era (e sou) péssima, kkkkkkkkkkkk! Mas sempre estou mexendo o corpo de alguma forma. E você, parou? rsrsrs
      Tomara que seu neto siga em frente no caminho do esporte! :D
      Confesso que hoje foi estranho chegar em casa e não correr o controle pelo canais de esporte para conferir a programação, rsrrs!
      Eu concordo contigo, ao contrário da Copa, dessa vez o clima foi muito agradável o que mostrou de maneira límpida a beleza que é nosso país e o povo brasileiro! Por esse motivo, é primordial conservar nosso esperança de um futuro melhor.
      Abraços!

      Excluir
  4. Muito interessante essa explanação sobre os jogos olímpicos e os cavalos.
    Assisti pouco pela tv, não vi que o atleta bateu o rosto no chão e feriu o nariz. Todos são vitoriosos. O fato de terem sido selecionados para os jogos já é uma vitória. Eu me sinto assim como o cavalo que perdeu a confiança no seu cavaleiro. As festas foram boas, mas agora que tudo terminou ficam os lastros dessa festa. Qual será o resultado ? A mim me preocupa a falta de segurança, de cuidados com a população em termos de saúde. Tudo estava um caos. A festa mascarou. As dificuldades são imensas. Haverá dinheiro para pagar a todos ?
    E que voltemos ao trabalho. Meus ganhos foram poucos . Teve feriado demais. A cidade congestionada por turistas e tudo ficou voltado para a festa.
    Mas foi bom. Deu uma certa alegria. Eu mesma saí para ver a maratona em meio de uma chuvinha. Oportunidade única.
    Que essa felicidade e cultura ( aprendi muitas coisas ) possa fluir mais tempo nesse país .

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Zizi!
      Obrigada por compartilhar seu ponto de vista como moradora local!
      Eu concordo contigo, quem esteve aqui já carrega uma vitória imensa, são poucos atletas perto dos inúmeros talentos que certamente existem mundo afora.
      "Eu me sinto assim como o cavalo que perdeu a confiança no seu cavaleiro." Boa colocação, como sempre digo, confiança é coisa séria, dá bem mais trabalho recuperá-la do que perdê-la, rsrsrs, é algo para o qual dou muito valor. De fato, os governantes, apesar de aparentemente ter corrido tudo bem, estão devendo e muito para o povo brasileiro. Se conseguem organizar uma estrutura de Olimpíada, como não conseguem fornecer o básico para o próprio país?
      Fez-me pensar inclusive nos voluntários, óbvio que participar de uma Olimpíada é uma chance única, mas vi ontem que nenhum deu baixa do serviço, mesmo sendo gratuito. Certamente se tivéssemos também mais voluntários ajudando ao próxima, nossa situação estaria menos caótica - isso, claro, sem eximir em nenhum momento a obrigação de provedor do governo.
      Espero que recupere rapidamente seus ganhos, é uma pena que tenha saído prejudicada!
      Sobre a cultura, acredito ser o maior legado num evento como esse. É como se tivéssemos viajado para várias partes do mundo ao mesmo tempo, só que ao contrário, rsrsrs. Adoro observar e conhecer novas culturas, teria sido o máximo se pudesse ter acompanhado de perto, que bom que pôde! :)
      Abraços!

      Excluir
  5. Olá Bia boa tarde,
    Depois virei aqui manifestar a minha a opinião. Para já digo que adorei.
    Só que hoje estou um pouco cansada e amanhã aqui estarei.
    Obrigada pela sua visita e comentário.
    Sobre castelos, em Portugal é raro o local onde não há um;))!!
    Deixo dois links do Castelo dos Mouros em Sintra (próximo do sítio onde moro) que visitei em janeiro.
    http://ailime-ecos.blogspot.pt/2016/01/castelo-dos-mouros-sintra-1.html
    http://ailime-ecos.blogspot.pt/2016/02/castelo-dos-mouros-sintra-2.html
    (As fotos são de celular;))!!
    É lindo e as paisagens vistas de lá são de cortar o fôlego.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ailime!
      Hoje eu estou cansada, rsrsrs, no Brasil passa de meia-noite e eu estava trabalhando até agora, kkk, sério!
      Por aqui temos pouquíssimos castelos, pelo que sei, tenho muita curiosidade de ver um, não só pelas arquiteturas belíssimas, mas porque gosto de imaginar quem viveu ali, como eram os costumes...
      Então já sei, quando quiser conhecer castelos, mais um motivo para ir à Portugal, rsrsrs!
      Amanhã estarei de folga, darei um pulo nos links indicados!
      Abraços!

      Excluir
  6. Oi Bia.
    Vi pouco das Olimpíadas.
    Trabalho e estudos estão me consumindo.
    Alguma coisa vejo, escuto, leio.
    Gostei muito de sua postagem e vou acessar alguns links que você indicou.
    Bela analogia entre o homem e o cavalo.
    Que sejamos assim... levantar com garra mesmo sem saber quando será a vitória.

    Abraço e uma semana abençoada.

    AnaVi
    filhadejose.blogspot.com
    cartashoje.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana!
      Se recuperando da jornada? rsrsrs
      Eu sou suspeita em falar do tempo, como você o meu está sempre consumido e eu sempre estou com muitos planos para executar, rsrsrsr! Ou seja, todo o tempo nunca será o suficiente, rsrsrs!
      "Levantar com garra mesmo sem saber quando será a vitória." Bela colocação, até porque a vitória raramente é algo certo. Por outro lado, se não tivermos esperança e confiança, deixamos de viver.
      Abraços!

      Excluir
  7. Eu cá gostei da nossa Telma Monteiro, medalha de bronze no judo.
    Adorei a prestação da Simone Biles. Fico sempre encantada com a ginástica.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elisabete, ótima lembrança! Lembrou-me Rafaela Silva, nossa primeira medalha de ouro desse ano. Acompanhei o momento da vitória e o choro contido que explodiu, quase doloroso, ilustrando quanta batalha e superação foram necessárias para que ela estivesse ali. O mais importante, sem dúvida, é que apesar da origem difícil era não desistiu do seu sonho.
      A ginástica é sempre um espetáculo à parte, rsrsrsrs! Achei um charme também os pais da Simone Biles na plateia, que sempre comemoravam uma medalha com um beijinho carinhoso, rsrsrs.
      Abraços!

      Excluir
  8. Bia, acompanhei por muito tempo minhas sobrinhas amazonas. Hoje a égua está aposentada e elas não querem mais praticar. Ganharam muitas competições e tem muitas medalhas e trofeus. Com isso, aos poucos, fui aprendendo sobre os condutores e seus cavalos. E então nos apaixonamos. Os cavalos são animais esplendidos. Uma vez minha sobrinha mais velha deu uma queda em slow motion hahahahah até hoje nao sei como fez aquilo!

    Hipismo é belo de se assistir, especialmente para quem ama estas criaturas divinas.

    Sobre o que voce falou do Phelps, que retornou às piscinas após se recuperar do vício alcoólico, uau, não sabia! Vou torcer para jamais ter uma recaída, porque é devastadora. Ele é um grande atleta e tem muito o que ensinar aos mais jovens.

    Amiga, amei tudo o que assisti, nossa, como torci. Agora aguardo o dia 07 com os super atletas que vão nos honrar com muitas medalhas.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sissym!
      Que história interessante, ter amazonas na família! Sempre gostei de cavalos, acredito ser um dos motivos de gostar de hipismo, e sabemos que esses animais de treino e competição são muito bem tratados, me dá dó dos que carregam carga. Nunca tive a oportunidade de assistir o esporte, quem sabe um dia.
      Então, soube do Phelps enquanto lia curiosidades sobre as Olimpíadas. Também torcerei para que não tenha uma recaída! Todos merecem uma segunda chance, ainda bem, assim ele pôde voltar a mostrar todo seu potencial!
      Aguardarei também ansiosa pelo jogos Paralímpicos, sempre um show de garra e superação!
      Abraços!

      Excluir
  9. Assisti quase tudo, Bia. Mas quase nada do que vc descreveu. rsrs E foi tão bacana acompanhar. O clima melhorou tanto. Pena que durou tão pouco e agora estamos vivendo esse vazio. Fiquei mt triste pelo vôlei feminino e futebol feminino. Adorei o texto. bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sérgio! Que bom que teve a oportunidade de assistir a boa parte do espetáculo! De pertinho deve ter sido ainda mais emocionante!
      A atmosfera ficou mais leve, ao que percebo através do comentários, bem mais próxima do que merece viver nosso país.
      Fiquei triste também em relação ao vôlei e ao futebol feminino, mas percebo que o Brasil ainda precisa evoluir no equilíbrio emocional, basta algo sair errado para o time se desequilibrar e perder. Vejo esse como grande diferencial do vôlei masculino, sabem retomar o foco, a estratégia e a técnica, mesmo quando estão perdendo.
      Abraços!

      Excluir
  10. Olá,Bia, bom dia...vou te "falar" algo que vai te surprender,eu fui para o Rio, assisti a natação,o atletismo,a final do futebol e do volei masculino e o surpreendente é que estando "in loco" nestes,quase não pude assistir as demais modalidades. Quando sobrava um tempinho, vi algumas provas pelo aplicativo Play nos Jogos da Plim-Plim e ,sinceramente,não acompanhei nada do Hipismo e os comentários do Luís Fernando Monzon e não vi muito da ginástica olímpica, mas, nessa, ainda consegui assistir alguns dos belos comentários técnicos da Daiane dos Santos e a bela volta por cima do Diego Hipólito,esse, também,um exemplo de superação e persistência. Sobre o hipismo ,posso dizer que o cavalo sempre refletirá o estado emocional do cavaleiro (ou da amazona) e que a confiança é tudo, tanto que ele somente permitirá a aproximação e comando se confia e assim,ser a sua extensão,ser parte da interação ,do conjunto homem-cavalo.
    Sobre Phelps, verdade, um verdadeiro vencedor, da depressão e do dirigir embriagado para mostrar ao mundo (e a sua família que estava aqui) que sempre é possível superar, recomeçar e vencer.
    Sobre Pentatlo Moderno, sim, creio que foi na época da eleição da porta-bandeira do Brasil na abertura,que eu soube que os cavalos são sorteados na prova de hipismo,acho que foi a Yane Marques quem explicou.
    Sobre o lado ruim do brasileiro,eu ouvi muitos dizerem aqui, "Favoritou, perdeu!",vide o volei feminino, handebol feminino,F.Murer e natação, e pior,estes tinham patrocínios , recursos e estruturas ...em compensação de quem nada se esperava, Maicon Andrade( Taekwondo) ,o Thiago Braz (salto c/vara)e Rafaele Silva(judô),esses , sim fizeram além dos seus limites anteriores.Ah claro,a simpatia e carisma do Isaquias ,mas,este , já tinha colocado como medalhista, na minha listinha de palpites...hehehe!
    Sim, a seleção dos voluntários e gostei que foram lembrados na cerimônia de encerramento.
    E por fim, o belo exemplo , citado, da Haydy -aprender com os erros e não desistir- e para mim, outro exemplo , nas Olimpíadas , que nos enche de esperança por um mundo melhor, mais unido, mais fraterno, foi dada pela Abbey D'Agostino (EUA) e Nikki Hamblin(Nova Zelândia) , quando ambas caíram na semifinal dos 5.000 metros feminino. D'Agostino ajudou a adversária a se levantar e Hamblin incentivou que ela , mesmo machucada, seguisse na prova e foi muito emocionante ver Hamblin esperar D'Agostino cruzar a linha de chegada para dar um abraço.
    Puxa, virou um comments - post,sorry!
    Obrigado pelo carinho,feliz semana,belos dias, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis!
      Realmente seria impossível estar em todas as competições ao mesmo tempo, a não ser se alguém tivesse um vira-tempos como o da Hermione em Harry Pother, rsrsrs. Eu acredito que estar lá já deve ter sido o máximo, independente da competição.
      Diego Hipólito mereceu a medalha e foi emocionante acompanhar sua vitória!
      Boa colocação sobre o estado emocional do cavaleiro influir no cavalo, tem razão. Animais são muito sensíveis e sentem até o cheiro da ansiedade, ou do medo.
      "Sempre é possível superar, recomeçar e vencer." Acredito que é uma frase que cabe não só para o Phelps, como também para todos os que tem dificuldades ou para os atletas que não atingiram seus objetivos, como a Haydy.
      O Monzon explicou que no hipismo o que vale, além da técnica, é o entrosamento, a relação com o animal. Já no Pentatlo, com o sorteio imediatamente antes da prova, a maior análise é da técnica pura, do quanto o condutor é capaz de aplicar a técnica com eficiência independente do animal.
      "Favoritou, perdeu", kkkkk, eita visão azarada da coisa! Ainda bem que tem os atletas-surpresa para virar o jogo! Isso é positivo pois mostra que a gama de talentos está crescendo! Por exemplo, apesar de geniais, provas com Bolt, Phelps e Biles praticamente perdiam a graça! kkkkkkk
      Eu não sabia da história de Abbey D'Agostino (EUA) e Nikki Hamblin(Nova Zelândia), obrigada pela partilha!!! Histórias assim me emocionam pois me fazem acreditar que muito melhor que ganhar é conservar um coração generoso e fraterno! Tenho certeza que esse abraço da chegada valeu ouro!
      Sabe que a porta do Revolta está sempre aberta para comentários que viram posts, rsrsrs!
      Abraços!

      Excluir
  11. Bom dia Bia,
    Conforme prometi, aqui estou;))!!
    Em primeiro lugar refiro que os Jogos foram muito bem organizados e nos proporcionaram momentos de verdadeiro êxtase, dado que a realização televisiva foi excelente! Aqui sempre elogiada pelos jornalistas da TV pública portuguesa que cobriu na íntegra as Olimpíadas.
    Depois o que mais gosto de ver desde criança: natação, saltos para a água, natação artística, ginástica artística, atletismo e desportos relacionados, hipismo, ténis, canoagem, etc.
    Acho que gostei de tudo o que pude ver. Pena os portugueses não terem aqui orçamento para desenvolver as suas capacidades. A maioria foi por iniciativa prória. Só tivemos uma medalha de bronze no judo - Telma Monteiro.
    O Brasil está de Parabéns, porque ofereceu ao Mundo momentos grandiosos. Os espectáculos de abertura e encerramento foram excepcionais!
    Foi tudo deslumbrante.
    Beijinhos e boa semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ailime!
      Obrigada por ter retornado!
      Tem razão, uma grande equipe de telejornalismo foi formada para as transmissões dos jogos e pelo que percebi, foi tudo muito bem organizado. É gosto ouvir isso de alguém que estava do outro lado do atlântico, rsrsrs!
      Eu gosto de todos os esportes que citou... natação e atletismo são encantadores por serem esportes de rápido resultado, em sua maioria. São emocionantes!
      Depois que comentou que me atentei ao detalhe de que de fato, Portugal não parece ter muita presença nas Olimpíadas. Pelo que disse o foco do governo não passar por esse setor, uma pena, todos deveriam ter as mesmas oportunidades, assim conheceríamos quem são os melhores atletas de verdade!
      Agradeço muitos suas parabenizações pelo evento em meu país! Mostra sua generosidade e reconhecimento! Eu achei mesmo muito bonitas as cerimônias de abertura e encerramento, sempre um espetáculo de criatividade!
      Abraços!

      Excluir
  12. Muito interessante o texto, especialmente para mim que quase não vi os Jogos Olímpicos.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elvira, fica como conhecimento, rsrsrsrs! Abraços!

      Excluir
  13. Bia, confesso que pouco vi. As modalidades que prefiro são a ginástica e os saltos acrobáticos para a água, mas, repito, sou pouco ligada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nina, belas modalidades! O importante é que estava aproveitando a vida, a seu modo! :) Abraços!

      Excluir
  14. Oi Bia!
    Com todas as mazelas do RJ, fiquei muito orgulhosa do meu estado, da minha cidade maravilhosa e do meu povo, que mesmo sofrido soube receber os atletas e os turistas com alegria e de braços abertos. Com toda certeza esse carinho nunca mais vai sair da mente e do coração de todos que por aqui passaram.
    Pena que nós cariocas acordamos de um sonho tão alegre e voltamos p/realidade do CAOS que está instalado nesse estado (acho que vcs não sabem da metade desse caos) tão lindo e acolhedor, e nessa cidade que mesmo com muita corrupção, má gestão e incompetência, continua a ser a nossa "CIDADE MARAVILHOSA", a mesma que deixou turistas e atletas apaixonados por ela.
    Amiga, p/mim o Michael Phelps foi o grande campeão e um grande exemplo de classe, educação e simpatia.
    Bjssss e obrigada pelo carinho lá no blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dinha!
      O povo é carioca é muito leve, alegre e acolhedor, estive há mais de uma no aí no Rio com o amor, lugar inesquecível, maravilhoso. Tanto que alguns atletas até se perdiam na noite carioca, kkkkkkkk!
      É lamentável que o governo não esteja correspondendo à altura do que o estado merece. Como disse ao Felis, esse é um post sobre confiança - em si ou no outro - e pelo que li a principal falta de confiança tem sido em relação ao descaso do governo, que apesar da linda festa, não tem cuidado bem do povo. Espero sinceramente que o país possa mostrar mais sempre, não só quando há visita em casa, pois moradores felizes e bem cuidados saberão receber bem qualquer um que chega.
      Vamos torcer que o Phelps continue bem, em equilíbrio e brilhando!
      Abraços!

      Excluir
  15. O que mais me encantou nessas Olimpíadas foi a medalha de ouro no futebol. Confesso que comemorei muito a conquista! abração amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ives, certamente por ser a primeira medalha de ouro em Olimpíadas na modalidade.
      Torci e comemorei também, mas ainda não confio na seleção brasileira, ainda vejo muita "mala" e egocentrismo. Quem sabe a medalha motive uma transformação para melhor!
      Abraços!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.