quarta-feira, 27 de setembro de 2017

#27PretoeBranco e uma nota de 5 mil cruzeiros


Esses dias parei com minha filha e futuro genro bem na frente dessa vendinha e lembrei de uma história de infância que me desperta uma saudade alegre e não devo ter contado aqui ainda.


Por fora a venda foi reformada com pastilhas, mas por dentro conserva os mesmo e antigos balcões que há cerca de 35 anos guardava refrigerantes em garrafa.  O local é próximo das casas onde moravam meu avô, meus tios e primos, local onde passei boa parte da infância.

Um dia eu, com cerca de 7 anos, e minhas primas saímos para comprar pão numa chuva que Deus mandou, nos espremendo embaixo de sombrinhas. No caminho vi voando em meio ao toró uma nota de 5 mil cruzeiros!!! Corri na chuva para apanhá-la e voltei para a sombrinha feliz da vida: "olha o que eu achei, olha o que eu achei!!!!"

Naquela época esse valor era muito dinheiro para uma criança. Voltamos correndo para casa, minha prima, um pouco mais velha, teve a ideia de passar a nota a ferro para secá-la, e pareceu novinha. Voltamos ao caminho para comprar pão na vendinha levando o dinheiro conosco.

Nos sentimos muuuuito ricas gastando todo o dinheiro em um pacotão de papel branco de balas  e chicletes escolhidos naqueles baleiros enormes que rodavam, artigos de luxo para nós, kkkkkkkk!!!! Lembro-me até hoje de voltar para a casa delas carregando o "tesouro" feliz da vida, aliás, acho que foi um dos dias mais felizes da minha infância, kkkkkkk, o que me faz pensar como era fácil nos agradar em uma geração onde nada vinha fácil na mão, nem balas.

Lembro-me da alegria de todos - cinco primos, eu e meu irmão -  compartilhando nossas relíquias pois certamente se minha mãe estivesse por perto o dinheiro teria sido confiscado, kkkkkkkkkk!!!!

Por acaso tenho uma nota igualzinha aqui em casa.... quem já usou uma dessas na vida põe a mão aqui!



12 comentários:

  1. Adorei te ler e que bom lembrar das artes de crianças...E claro, teria sido confiscada essa nota,rs...beijos, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica, é verdade, boa parte das minhas lembranças de infância foram passadas com eles. Não daria tempo nem de secar a nota a ferro, rsrsrsr!
      Abraços!

      Excluir
  2. Vane, isso não é coisa do meu tempo... Rs rs rs... Brincadeirinha! ... Muito legal rememorar as aventuras de infância, esses tempos que não voltam mais.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon, aaaah bem, boa parte das pessoas não irá admitir que já usaram essa nota, kkkk! Abraços!

      Excluir
    2. Sou do tempo do Real R$ Rs rs rs... Mas, respondi seu comentário lá no blog com um vídeo, uma sugestão para você cantar para o seu amado.

      Um abraço e um bom fim de semana.

      Excluir
    3. Apon, estive lá, ouvi, respondi e agora estou toda derretida, kkkkkk, isso não se faz! ;) Muito obrigada por colocar poesia musical no meu dia! Ele é muito mais amado do que imagina.
      Abraços!

      Excluir
  3. Oi Bia, bn!
    Que legal, eu lembro bem dessa nota kkk. Minha amiga, uma "infanto milionária" kkk.
    Bia, adorei a dica p/caramelizar a forma com açúcar mascavo. Vou experimentar com certeza.
    Bjsssss e obrigada pela dica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dinha!!! "Infanto milionária", rsrsrsrs, essa é nova!
      Experimente sim a dica do açúcar mascavo, verá como é libertador não precisar ficar rezando em cima da calda para não queimar, rsrsrsr! Serve também para os mesmos bolos com abacaxi. Abraços!

      Excluir
    2. Bjsss Bia e maravilhoso FDS p/vcs

      Excluir
  4. Muito hilária essa historinha ! Ri por aqui . Imagino o pacotão com balas e chicletes. Se eu fosse sua mãe confiscaria o dinheiro sim , hahaha
    Já passei por tanta circulação de moedas brasileiras que não recordo quase nada.
    Mas lembro de uma passagem da vida: eu eu cursava o ginásio e São Paulo era glacial. Eu não tinha agasalho para ir ao colégio e eles exigiam o uso de um blusão como uniforme. Quem não comprasse não podia entrar na aula. Até que eu achei um dinheiro enroladinho no pátio do colégio. Exatamente o valor do blusão. Alguém perdera. Como descobrir quem perdeu! Eram 800 alunas no período da tarde. Só lembro que naquele dia eu vim para casa aquecida num blusão novo e bonito , mas sob um interrogatório da minha mãe , de como eu havia comprado.....
    Não lembro das cédulas. Rs

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Confesso que viajei no tempo lendo seu texto. Senti minhas girando aqueles baleiros. O tempo era bom mesmo.

    ResponderExcluir
  6. Adorei, Vane. rsrsrs Aliás, minha mãe achou há algum tempo várias notas antigas e eu vontade de chorar...Podia ter trocado tudo... bjssss

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.