sábado, 30 de setembro de 2017

#30Acabou - Tirando o pó das sandálias


Primeiro, quero agradecer quem esteve comigo durante o mês de setembro nesse desafio, foi bom, muito bom, estarem aqui, e agora volto à rotina de postagens mais espaçadas.


Essas são minhas sandálias preferidas, porque além de bonitas tem um saltinho perfeito de 3 cm que não cansa e ao mesmo tempo, mantém a postura alinhada. Recomendação do osteopata. Sobre o título, literalmente não só limpei o calçado devido aos dias mais quentinhos como também já encomendei dois pares do mesmo modelo, rsrsrsr, pela saúde, claro!

E a ligação com o termo "acabou"? Bater as sandálias era um gesto que os judeus faziam quando saíam de um território pagão. Independente da religião a Bíblia traz várias passagens que citam o gesto como exemplo de seguir em frente.

Todos temos o Sistema de Recompensa, um dispositivo neurocerebral. Esse Sistema pode ser usado de maneira inadequada, por exemplo, quando compensamos nossas frustrações e carências com aquisição material e/ou desenvolvimento de compulsões. Porém, uma de suas funções mais interessantes é que o Sistema dispara dopamina - substância que causa a sensação de bem estar - no organismo sempre que ajudamos alguém gratuitamente, sem interesse de parecermos bonzinhos  ou recebermos  retorno. Quanto mais ajudamos, mais dopamina, maior bem estar de forma natural.

Porém ajudar nunca pode ser algo imposto ou realizado simplesmente para atender ao alívio do ego. Omitir ajuda quando podemos ajudar nos causa consequências negativas, por outro lado, se oferecemos ajuda e o outro não quer, insistir em demasia é invadir seu livre-arbítrio. Daí o termo: Jesus, quando passava por uma cidade e seu trabalho de evangelização acabava, independente de quantas pessoas deixavam de acolhê-lo, "batia suas sandálias para tirar o pó", e seguia em frente para oferecer ajuda ao próximo povoado.

Independente de ter ou não religião ou religiosidade, de acreditar ou desacreditar, o Todo derrama o tempo todo amor incondicional em todos. Por pior que esteja a situação há sempre alguém fazendo isso pelo outro, mesmo que este não consiga enxergar, cego pelas circunstâncias ou pessoas à sua volta. O amor está em todo o lugar, com o intuito de que o ser compreenda que é possível que se aprenda pelo amor (Solutio). Mas caso após um longo tempo isso não aconteça, o amor passa a ser direcionado a outros seres e aparecerão mais situações de dor (Calcinatio) para provocar o aprendizado pois é impossível escapar da tendência natural ao crescimento.

Quando conheci essas perspectivas logo soube que se  em 2017 optei por trilhar o caminho do conhecimento, isso só foi possível porque na Calcinatio eu tive por perto o meu amor, o que justifica minha escolha por voltar à Solutio. Ajudar sempre que possível tem sido um meio de retribuir esse amor ao Universo, com a consciência de que devemos oferecer nosso melhor a quem for, mas se nossa ajuda não for bem recebida, não há nenhum problema pessoal nisso, e sim uma escolha que não nos cabe convencer a modificar. Oferecemos uma, duas, três vezes... depois, é só bater as sandálias, e seguir em frente, com o coração aberto para quem precisar e desejar.

27 comentários:

  1. Que linda foto ficou com as sandálias e adorei as palavras todas. Tens mesmo razão...Por vezes há quem não queira ser ajudado...Importa á a certeza de que tentamos e estamos no caminho do amor! Lindo OUTUBRO! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica, que bom que gostou! Às vezes imaginamos estar fazendo o melhor quando queremos ajudar, mas podemos estar errados pela perspectiva do outro, mesmo se estivermos certos, rsrsrs... Como diz, o importante é o caminho do amor. Abraços!

      Excluir
  2. Bom dia Vane,
    Uma foto magnífica!
    Tirar o pó das sandálias e seguir em frente fazendo o bem!
    Uma atitude que é um desafio para todos. Como o mundo seria diferente se todos agíssemos assim!
    Bom domingo e feliz Outubro!
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime, a filha ajudou na foto, rsrsrs! É mesmo um desafio superar todos os resquícios de sentimentos negativos e escolher o melhor que podemos fazer pelo outro, sem interesse. Abraços!

      Excluir
  3. Não sabia dessa tradição judaica. Gostei muito de ler o seu post. Concordo com a sua conclusão.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elisabete, que bom que gostou. É interessante conhecer as perspectivas de outras tradições principalmente quando se trata desaber a origem de uma expressão muito popular como "bater as sandálias". Abraços!

      Excluir
  4. É isso mesmo, Vane. Fazermos a nossa parte, ajudar, limpar o pó das sandálias e seguir sempre em frente. O universo conspira para o bem de quem faz o bem incondicional.

    Um abraço e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon, com certeza, o Universo conspira para o bem quando mudamos o foco do nosso sentimento. Leva um tempo, mas por observação - em relação à mim e em relação às outras pessoas - quanto mais nos rendemos ao negativo, mais problemas surgem, e o inverso é diretamente proporcional. Seguir em frente, se perdoar - parte difícil - e viver com amor, é o que vale. Abraços!

      Excluir
  5. Olá, querida amiga Vane!
    Não só tiro o pó mas ainda dou brilho... vale a pena,querida!
    A felicidade de se viver feliz não tem esforço que deixe de valer a pena!
    o Todo Poderoso é incondicional e nos vale ouro para o interesse em nossa felidade maior... como estar no contexto do mundo como protagonista da nossa própria história com o que somos... com o que restou... com o que ainda pode vir a ser (MUITA COISA BOA)...
    Gosto de meditar com você e seu post!
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosélia!
      Quando se tira o pó da sandália, naturalmente o brilho surge, rsrsrs.
      Sim a vida pode ser muita coisa boa, como pode ser muita coisa ruim, e um ou outro só depende dos sentimentos, pensamentos e atitudes pessoais. Nada está fora, quando resolvemos o que há dentro (o que demanda tempo, disciplina e capacidade de acreditar), os contextos começam a se desdobrar.
      O amor do Todo está sempre nos dando apoio mesmo quando achamos que estamos sozinhos... há sempre alguém que nos ama com todo o coração. Abraços!

      Excluir
  6. Olá, querida Vane!

    Quero te dizer que adorei teu post.

    Misturaste, inteligentemente, uma série de assuntos, onde as "personagens" principais foram o amor e a dor, que estão relacionadas com a ajuda ao outro, não esquecendo a parte histórica.

    Ai, a Dopamina! Sempre que faço algo de bom por alguém e essa pessoa aceita, me sinto bem, "cheia" de mim, como diz um amigo meu, mas quando danço, escrevo, escuto música francesa ou como um doce, então aí a minha Dopamina triplica ou quadruplica. Tenho de falar a verdade, né?

    Gosto de sandálias confortáveis, em pele e com palmilha macia, tipo ortopédica, mas têm de ser fechadas no calcanhar, pke me sinto incomodada sem proteção lá. Meu osteopata me disse que se estavam formando esporões calcâneos. Ora vida! Velhice chegando! Bem, lá terei que bater as sandálias (rs).

    Eu só posto uma vez por mês, pke preciso inspiração, tempo e acho que meus comentaristas já me apanharam o "fraco", então, pertinho de fazer um mês, lá aparecem os atrasados (rs). A gente se vai falando, de qualquer jeito, tá, Vane?

    Beijinhos, linda menina de sorriso sincero e "lavado".

    BOA SEMANA E EXCELENTE MÊS DE OUTUBRO (MÊS ROSA)!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Céu!
      Interessante perspectiva, a de que o post trata essencialmente de "amor" e "dor"... no fundo o blog tem boa parte de conteúdos autobiográficos... todos passamos por períodos de dor e amor, a pedra filosofal da vida é aprender com um e/ou outro e principalmente, que nós determinamos o tamanho que um ou outro impacta em nosso interior.
      Tudo o que no faz bem ativa dopamina, também gosto de dançar, ir a shows, escrever, claro, rsrsrsr, só quis fundamentar a questão da ajuda incondicional. Muitos não vêem benefício nisso, sem compreender o benefício que indiretamente levamos.
      Minha mãe tem esporões há anos, são um bocado dolorosos, né? Não os tenho, mas sei que independente da constituição física, saltinhos baixos são bem vindos para a musculatura e circulação.
      Você chegou aqui em um mês em que postei quase todo dia, mas minha rotina há alguns anos é escritas em geral semanais, podendo aumentar esses períodos (ou diminuir)... inspiração raramente falta, mas há a questão de retribuir as visitas o que nem sempre é possível fazer rapidamente e não considero justo somente receber sem retribuir - esse tem sido um fator determinante na distância entre as postagens. Tentei seguir seu blog mas não encontrei o campo de seguidores... me avisa quando escrever! :)
      Abraços!

      Excluir
    2. "linda menina de sorriso sincero e "lavado"... Obrigada! :D

      Excluir
    3. Oi, querida Vane!

      Inteiramente de acordo com tua resposta.
      O importante é irmos escrevendo e retribuindo na mesma proporção, embora eu dê mais do que receba, mas sempre me dei mto aos outros, mas se tiver de cortar, integral e abruptamente, ah, contem comigo. Ainda não sou santa e duvido que haja santos (rs).

      Por opção, meu blog não tem Painel de Seguidores, mas há lá uma forma de colocares tua foto, embora não fique visível, mas eu não sei como isso se faz e nesse momento, eu tenho 7 seguidores. Ah, mas t, Ah, mas tee vou explicar o motivo: de k adianta colocar lá a foto ou símbolo, deixar uma vez um comentário, dizendo já "tou" te seguindo, me segue tb (acho de uma petulância e egoísmo, isso, que nem dá pra explicar) e depois nunca mais lá aparecem? Assim, eu vou aos blogs dos amigos, qdo posto e qdo não posto, e dá tudo certinho.
      Não tenho Google+, Face, Twitter, nem afins, pke acho tudo um pouco vulgar e "desventrado" (rs). Tenho um blog e isso me satisfaz.

      Qto aos esporões, eles chegaram por volta dos 35 anos, mas menina, desde os 11 até lá, usei sempre saltão de 10/12 cm, embora tivesse sido mto avisada. Estou pagando, agora, meus excessos.

      É verdade! Tens mente e sorriso "lavado". Não te bajulei, pois é aquilo que sinto e vejo nas fotos.

      Porquê envias sempre abraços e não beijos? Não sei se era Freud ou não, que dizia que o abraço era mto mais envolvente e abrangente do que o beijo, en passant. O que te parece?

      Beijos e dias coloridos.

      Excluir
    4. Oi, Céu, bem colocado, generosidade, compaixão, tolerância, altruísmo, não significam que deixamos de ser humanos, continuamos tendo sentimentos por vezes negativos (raiva, frustração) e atitudes firmes quando necessário. Até porque há uma grande distância entre a imagem de santo e a santificação de fato, rsrsrs. Na intenção cada um está fazendo o seu melhor, mas e na prática?
      Hahaha, interessante sua explicação sobre o painel de seguidores, tem razão, há muito mais números de seguidores nas redes do que acesso. Nunca fui de colocar comentários do tipo "me segue que eu te sigo", e hoje em dia me preocupo "nada" com esses números. Minha interação social se resume ao blog, Instagram e Pinterest. Facebook só tenho de enfeite, rsrsrs, e whatsApp somente para os que são muuuito chegados.
      Eu pago os excessos de trabalho, mas estou me recuperando cada dia mais e aprendi a conhecer meus limites. Dores são resultados de somatizações que geralmente eclodem após um período de extremo negativismo e reverter esse quadro na raiz é bem trabalhoso, rsrsrsr, mas possível. E só aprendemos... depois dos excessos, kkkk!
      Você me leu perfeitamente... sou transparente, mais ainda para as pessoas que amo e com quem tenho forte ligação - será que eles também me vêem assim?
      Gostei muito de sua explicação sobre beijos e abraços, rsrsrs, quem sabe Freud me explica? Sei que fui cuidada mas não fui muito beijada/abraçada na infância o que me fez um pouco retraída, porém aprendi com uma tia o valor do abraço (fiz um post sobre isso, um dos meus preferidos, que se chama "num abraço cabem uma vida e uma saudade") e talvez por esse motivo eu o considere tão valoroso. ;)
      Abraços!

      Excluir
  7. Oi querida Vane ou Bia ( confesso que ainda não me acostumei...) rsrs

    Belíssimo tema, gostei demais de saber da tradição judaica de bater as sandálias para deixar o pó...
    Engraçado que a vovó Zilda sempre bateu as sapatilhas dela desta forma e eu ficava curiosa observando...
    Agora hei de perguntar a ela se tem um significado especial ou o bater de suas sapatilhas é só mesmo para limpar/ higienizar o calçado ...rsrs

    Lindo seu par de sandálias! Realmente muito confortáveis!! O que importa é a saúde dos pés e do corpo, sem dúvida nenhuma!!!
    Sempre aprendo aqui e com uma forma generosa de carinho que deixa no excelente conteúdo de postagem!!
    Obrigada querida!!

    Um grande beijo e boa semana!!
    Sempre!! :)))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana!
      Fiquei imaginando sua avó batendo as sapatilhas, rsrsrs, seria somente um hábito higiênico ou dotado de significado? Fez-me lembrar que no Japão as pessoas deixam os sapatos logo na entrada para que não levem para dentro de casa a carga energética que trouxeram da rua.Já na Índia anda-se muito descalço para aumentar a conexão com a terra, estar centrado). No final, as tradições acabam ligadas.
      Não ganhei nada pelo merchandising rsrsrsr mas essas sandálias são mesmo muito confortáveis, já chegaram meus outros dois pares, estou munida para o verão!
      Obrigada pelo carinho sempre!

      Excluir
  8. OI VANE!
    SE JESUS NOS DISSE QUE ASSIM TEM DE SER É ASSIM QUE DEVEMOS FAZER. A AJUDA AO PRÓXIMO SEM PENSAR EM RETORNO, APENAS POR AMOR MESMO, É MUITO GRATIFICANTE E NOS ACALENTA A ALMA.
    ADOREI A FOTO DAS SANDÁLIAS E QUANTO AO SALTINHO, É O IDEAL, DEIXA ELEGANTE SEM SERE DESCONFORTÁVEL. AS RASTEIRINHAS SÃO ÓTIMAS MAS, NÃO TÃO BOAS PARA AS ARTICULAÇÕES.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zilani!
      Muitos deixam de ajudar porque é frequente as pessoas abusarem da boa vontade de outro e até, se prevalecerem, e os gestos de bondade gratuita acabam virando obrigação. O importante é manter no coração a certeza de que estamos fazendo o que é certo, ainda que o outro não faça o melhor disso, e saber perceber quando é hora de redirecionar o foco do amor e da disposição para a ajuda.
      Sem dúvida, quando trabalho com esse saltinho vejo o quanto é mais confortável, ainda mais que caminho bastante.
      Abraços!

      Excluir
  9. Acho que estive aqui em todos, hein.... rs Encerrou em grande estilo. E vc deve ter se divertido muito fazendo mesmo. Falando em recompensa, deve ter te dado muita. Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio, é verdade, muito obrigada pela companhia!
      Foi bom, me remeteu a um tempo, no início do blog, em que eu postava e visitava todo dia, mas naquela época era uma fuga, um escape da realidade, hoje não mais, hoje uso o blog de forma equilibrada e saudável. Foi muito bom interagir, eu gostaria de postar com maior frequência, mas preciso intercalar com as visitas. :)
      Abraços!

      Excluir
    2. Entendo perfeitamente, Vane. Bjão!!!

      Excluir
  10. Oi, Vane!!
    A satisfação de ter contribuído para o bem-estar de outras pessoas é recompensador. Podiam as pessoas viciarem na atitude de dividir para somar, pois somos todos pedaços de um todo.
    Muito bom te ver sempre inspirada! Aprendo sempre quando venho aqui :)
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luma!!!
      "Podiam as pessoas viciarem na atitude de dividir para somar, pois somos todos pedaços de um todo"... é verdade. Infelizmente boa parte do dividir para somar está ligado a jogos de interesse. Fazemos partedto todo através de princípios como não-localidade e entrelaçamento quântico, conceitos que parecem impalpáveis, mas que se resumem em sua frase.
      Eu também aprendi e aprendo muito com você, muito mesmo.
      Abraços!

      Excluir
  11. Vane,
    Vou confessar !
    Depois de ler o riquíssimo texto, eu corri ver um site das sandálias Mississipi, rs
    Quantas sandálias bonitas ! cada um com seu encanto de dopamina ! ah me perdi em todas, são muito bonitas . E se realmente são confortáveis, vale o preço pela comodidade de não sentir dores nos pezinhos ou joelhos !
    Lavar as mãos, bater as sandálias, nessa simbologia e seus significados, vamos todos seguindo a vida ! Alguns amam demais, outros menos .
    Eu ando na onda do Calcinatio. Sinto dores, mas logo expulso todas. Meu pensamento é bem forte .
    Vane, abraços !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zizi, a coleção é mesmo linda! Recomendo esse modelo de salto, com cerca de 3 cm que pega toda a base do calcanhar. Tenho uma outa sandália deles com o salto de mesma altura porém com desenho pegando mais o centro do calcanhar, não é tão confortável, rsrsrs. Ah, sim, e com a sola almofadada, faz a diferença. #ficaadica
      As simbologias são interessantes quando investigamos sua origem, não por acaso o ensinamento dos antigos, baseados em contos simbólicos, sempre foram tão eficientes e tem algo a nos fazer refetir.
      Com pensamento forte e voltado para o bem, para o amor, em breve a Calcinatio acaba dissolvida pela Solutio. :)
      Abraços!

      Excluir
  12. Vane, muito interessante essa metáfora de " tirar o pó das sandalias".
    O texto desenvolve conceitos que aplico no meu cotidiano - tento, tento sempre obter uma dose extra de dopamina.
    Beijinhos

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.