quinta-feira, 12 de outubro de 2017

"Quero sumir" - E agora?

Você já teve vontade de sumir em alguma vez na vida?

imagem daqui


Eu já, várias, por raiva, medo, culpa, insegurança, vergonha ou rejeição. Por sensação de incapacidade de resolver meus problemas, auto-condenação, por não suportar injustiças ou por ter me perdido imaginando que me isolando, me encontraria. Tomada por angústia, vazio e tristeza incessantes eu até quis sumir da maneira mais desesperada, profunda e infeliz - querendo morrer. Em um tempo eu até pesquisei meios de trabalhar para organizações como Cruz Vermelha que me levassem para longe.


Creio que todos já passamos em algum momento por essa sensação, com pouca ou muita intensidade. Eu poderia tecer longos parágrafos teórico-científicos para justificar o que colocarei, porém serei sucinta em conclusões práticas: se você quer ou vier a querer sumir, leia bem: deixe de querer. Agora. Ou no exato instante em que isso acontecer.

A sensação de querer sumir - seja pelos problemas externos que não estamos conseguindo resolver ou que só aumentam, por sentimentos internos conturbados, ou ambos - é oriunda da ausência de paz  ---> igual a conflito ---> que significa estar em si sem querer estar. O "querer sumir" é a sensação de rejeitar esse estado natural de estar em si, o que acontece quando nos condenamos e nos subestimamos, num ciclo que se repete até virar o nocivo "piloto automático", que representa o grau mais baixo dos níveis de consciência.

Escrevi esse texto só para dizer: se for o caso, pare de querer sumir e comece não observando os problemas ou contextos, mas querendo muito estar em você. Mas muito mesmo. Alimente um desejo forte lá dentro do coração de querer estar/ser de uma forma limpa, sem ruídos externos, sem a interferência das perspectivas e expectativas externas e internas, sem colocar foco no que precisa ser resolvido ou no que está dando errado - é primordial que seu foco seja direcionado para sua reconexão.

Quando alcançar essa reconexão - o que demanda algum tempo, empenho, quebra de padrões autoimpostos e ausência de autojulgamentos - o conflito interno se dilui, gerando um estado de paz, onde os pontos de angústia deixam de estar em primeiro plano, a vontade de sumir evapora e começamos a perceber que a vida é mais do que os problemas que serão sim, resolvidos um a um, com as soluções inteligentes que a mente criativa, sufocada pelos conflitos do eu imposto, estará livre para indicar.

Queira estar em você numa esfera que exclui qualquer condição material ou opiniões alheias. Ame estar em você, MAS AME MUITO, sem economia, sem pechincha, barganha, justificativas ou desvios. Ame cada recôndito da sua personalidade, ponha alegria nesse processo e proporcione a si um recomeço com qualidade. Se empenhe nisso tanto (ou mais) quanto se empenha para resolver pepinos e ganhar aprovação. Nada é mais importante. ;)



imagem daqui



E eu? Ah, não quero mais fugir não... seu eu for para algum outro lugar um dia não será para fuga, mas por um outro motivo muito mais positivo. Hoje eu gosto e quero estar em mim, estar aqui, esperando quem amo, enquanto deixo que se crie aqui dentro um grande espaço para a vida fluir e  me surpreender. 


Obs: eu iria falar sobre aquarela, mas como estou quase sem voz, kkkkk, gravarei os vídeos nos próximos dias e então, faço o post. ;)

43 comentários:

  1. Muito lindo...Por vezes queremos fugir de situações...Isso acontece! mas fugir da vida? Não podemos... Temos tanto a viver e ver...Tem tanta gente que com certeza ainda de nos precisa! Vamos viver e afugentar toda e qualquer ideia de daqui se mandar!" Só se for pra fora do país...Aí vale! Ainda mais pra fugir dessa podridão que temos em nome da política. ARRE! AFF! beijos, chica e Feliz dia das crianças!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica!!!
      Sim, temos tanto a viver e ver, mas quando estamos num contexto conturbado, não é possível ver a beleza da vida, pois não conseguimos nem enxergar a nós mesmos. Parar tudo e prestar atenção em si, melhor conselho.
      Ouço somente rumores sobre a política, prefiro não me aprofundar, mas vejo pelos colegas e familiares que as pessoas estão no ponto do caos.
      Abraços!!!

      Excluir
  2. Olá, querida Vane!
    "... com as soluções inteligentes que a mente criativa, sufocada pelos conflitos do eu imposto, estará livre para indicar."
    Isto para mim me diz muito pois escerevo livros e desafogo minha alma... canto e sou feliz... rezo e me integro... medito e fico aliviada... caminho e me reenergizo... e por aí vai...
    Vontade de sumir não e sim vontade de ir para onde deseja o coração que sabe bem o que ele quer, isto sim!
    Muito bom o post, como sempre!
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosélia!
      Você colocou aqui os caminhos que usa para superar os conflitos internos e libertar a criatividade, certamente os encontrou após passar por momentos de desconexão. Quando fazemos o longo caminho da reconexão com entrega e com a certeza de que estamos fazendo o melhor por nós, a "fórmula" pessoal da paz logo se forma, é só uma questão de darmos espaço e abrirmos o coração para o nosso eu que sempre esteve ali, sem prestar atenção ao que os outros querem ou dizem ou pensam.
      Seu coração a leva a lugares lindos e a pessoas generosas, bem dá pra se ver nas fotos que registra. Que seu coração seja sempre abençoado com o melhor.
      Abraços!

      Excluir
    2. Emocionei-me nesta manhãzinha com seu comentário, amiga... tem gente que realmente nos eleva o espírito... Você é uma delas... Beijinho carinhoso e fraternal

      Excluir
    3. Oi, Rosélia, obrigada você pelo carinho. Nos acompanhamos por aqui há alguns anos, e vamos conhecendo a pessoa através de suas partilhas e histórias. :) Abraços!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Querer desaparecer assim como é descrito ( até mesmo morrer)... Não. Por instantes, na sequência de um erro cometido, sim. Mas apenas isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luisa, que bom não ter sentido vontade de desaparecer com maior intensidade! Vi esses dias num curso que quando você vive desde cedo com pessoas que respeitam o reflexo do que você é, certamente viverá muito bem vestida em seu eu, e naturalmente os episódios de fuga serão raros e mínimos. Abraços!

      Excluir
  5. Hoje, aqui no Brasil comemoramos o dia de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil e o dia das crianças.
    Vim para lhe deixar um abraço, com esse pensamento.
    Nunca deixe a criança que existe dentro de você desaparecer, porque um pouco de inocência é bom .Se quer permanecer jovem, só tem um jeito, conserve viva a criança que existe dentro de você, um coração cheio de amor, se interesse pelas coisas que acontecem, perdoe, se alegre com as mínimas coisas, esqueça as ofensas, as tristezas e as quedas, sorria mais, tenha sempre um coração disposto a amar, abraçar o mundo inteiro, um coração que não se apequena e não se esfria.
    Enquanto conservar calor no coração, a alegria de viver, não envelhecerá.
    Que Nossa Senhora Aparecida lhe cubra de bênçãos e que essa criança que existe dentro de você permaneça viva e feliz. Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lourdes, obrigada pelo carinho, bela mensagem comemorativa! Abraços!

      Excluir
  6. Senti necessidade de expor de melhor forma minha opinião, por isto, exclui o comentário anterior e o refaço aqui, reafirmando que vc definiu exemplarmente os dados/fatos que por vezes nos acabrunham o Ser.
    Quem não sentiu-se assim? Eu já me encolhi ante situações avassaladoras, mas não me deixei sucumbir a nenhuma vontade funesta.Em meu horizonte sempre esteve a dádiva da minha vida e dos que amo incondicionalmente, portanto, busquei resiliência, contei com palavras amigas, ombros solícitos e força de vontade distribuída por ações assertivas.
    Tenho certeza que teu artigo será mais uma destas mensagens necessárias pra todos(as) que aqui passam. Um verdadeiro serviço-social.
    Bjo, Vane,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu!
      "Acabrunham o ser" - não poderia haver melhor expressão!
      Penso que foi muito feliz com o uso do termo "encolhi"... sim, nos fechamos, nos diminuímos, queremos ficar invisíveis, nem ter existido, até nossa postura fica franzina, fechada. O que se resolve com essa atitude?
      Quando somos jovens me parece mais difícil pois tudo parece muito finito. Em tempos mais recentes, quando passei por situações difíceis, já tinha o conhecimento de que seria passageiro e pautada no que você colocou tão bem - "dádiva da minha vida e dos que amo incondicionalmente ... resiliência, contei com palavras amigas, ombros solícitos" - consegui me restabelecer. Ano passado, em fase dura, contei com o carinho do meu amor por perto e isso não teve preço, me fez querer desatolar do buraco.
      Outro ponto bem colocado: força de vontade distribuída por ações assertivas. Quando estamos encolhidos temos tanto medo de errar que cada erro toma uma proporção gigante! E então, mais nos encolhemos pela sensação de incapacidade, falha, autocobrança... quando paramos para voltar para nós, conseguimos aumentar significativamente a capacidade de tomar decisões acertadas e também a tolerância e paciência conosco, fundamentais para a retomada da alegria na caminhada, do orgulho e do amor próprio.
      Eu fico mesmo muito feliz se essa mensagem conseguir ajudar alguém a querer ter o grande prazer de se reencontrar consigo!
      Abraços!

      Excluir
    2. Mais contente ainda me encontro eu, diante do detalhado diálogo que me presenteias, Vane. Vc é daquelas pessoas que acrescentam luz aos fatos.Grata, menina-borboleta!

      Excluir
    3. Oi, Calu, muito obrigada pelo carinho. Acrescentar luz aos fatos, então que bela mensagem passei! Abraços!

      Excluir
  7. Sumir não adianta, o que resolve é assumir. Ter coragem, enfrentar e solucionar os problemas. O resto é escapismo inútil.

    Um abraço, Vane. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon, sim, uma postura derrotista não leva a nada. Mas ter coragem e enfrentar muitas vezes exige um pouco mais do que força de vontade, exige motivação, quase paixão por si e pela vida, algo que precisa ser despertado internamente. Abraços!

      Excluir
  8. Olá amiga, não conto as vezes que já senti vontade de sumir, mas graças a Deus passou. As vezes por bobagens. Exemplo, atarefada de serviços da rotina diária, tem dias que da vontade de sumir! Amei! Abraços com desejos de uma noite de paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lourdes, é normal por vezes termos vontade de sumir, ou que o dia acabe logo, quando estamos sobrecarregados, ou tristes com algo, o problema é quando essa sensação torna-se mais frequente do que a de que viver é uma alegria e uma satisfação apesar de - então é hora de ligar o alerta vermelho, antes que essas sensações boas fiquem muito diluídas pelo conformismo. Abraços!

      Excluir
  9. Quem nunca, alguma vez o sentiu?
    Felizmente de gorma breve e rapidamente ultrapassada. São as curvas e contra curvas da vida.
    Excelente texto.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nina, "gorma" é um termo português que desconheço, rsrsrsr, mas entendi muito bem a definição "São as curvas e contra curvas da vida". Tais como as curvas vencidas na direção de um carro, vamos aprendendo a melhorar nosso manejo diante das dificuldades, só assim crescemos. Quem se amarga mostra que o crescimento não está acontecendo, pelo menos não na direção desejada. Abraços!

      Excluir
  10. Vane, querida, fico impressionada, pois tem artigos que parece que você está escrevendo diretamente para mim...

    Sabe, eu não sou de reclamar muito, tento passar uma imagem que está sempre tudo bem, mas dentro de mim, há uma guerra interna declarada...
    Sim, são momentos de dificuldade extrema, de tristezas profundas que me faz querer sumir e até me afastar de quem amo com medo que eu possa contaminar as pessoas com o meu "mau humor" . Nestes momentos, prefiro o isolamento temporário, o distanciamento como uma forma de não contaminar as pessoas em minha volta.
    Isso ocorre dentro de mim, é difícil de explicar, mas minhas cobranças internas me fazem perder a paz... É como se eu estivesse me sabotando, me auto-destruindo. Não é fácil falar disso, e hoje, em uma plena sexta-feira de um feriadão, preferi ficar sozinha, isolada, para tentar refletir , tentar me amar mais. Seu post me ajudou muito querida, às vezes o auxílio está próximo da gente e não conseguimos enxergar... Chegou em ótima hora...Muito obrigada!

    Agradeço o carinho de sempre e a sensibilidade em escrever coisas tão profundas, usando tão tão poucas palavras...
    Um grande beijo e um excelente final de semana!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana! Se o texto a tocou de alguma forma significa que minha intuição de que deveria escrevê-lo funcionou, o que torna minha existência significativa.
      Também tenho o costume de mostrar só o melhor, aliás, tinha... hoje, depois de uma grande reviravolta interior, sou mais autêntica do que nunca, além do que quase nada tira a minha paz - porém também sou mais tolerante e suave, não preciso mais me defender o tempo todo.
      Quem tem essa tendência a proteger as pessoas e querer seu melhor naturalmente procura não disseminar mau humor, mas o isolamento, será a melhor opção? Se eu pudesse escolher, com certeza escolheria estar ao lado de quem eu amo a vê-lo isolado, quando é o caso. É importante dar essa escolha a quem amamos, de mostrar seu carinho e apoio nos momentos difíceis, falando aqui sob a perspectiva do outro, certo?
      Sobre você, muito bem colocado, de fato nesses períodos difíceis, entramos num processo de autossabotagem inconsciente, com episódios de auto-punição, desmerecimento e incapacidade. É preciso pensar sob o ponto de vista energético: quanto mais energia dispendermos mantendo esses sentimentos negativos, menos espaço damos para o a alegria e o amor próprio (re) emergirem. Aliás, esses sentimentos negativos despertam cortisol, hormônio que provoca o estresse e seus episódios de medo, angústia e solidão, e vamos gostando cada vez menos de estarmos aqui, dentro da gente. O que eu quis dizer é que gastamos muito mais energia na manutenção de sentimentos contra a nossa natureza do que quando aprendemos a abraçar nosso estado natural de ser.
      Ficarei torcendo para que sua energia seja direcionada para o auto amor, para a aceitação plena de suas características intrínsecas sejam elas quais forem, mesmo correndo o risco de críticas ou falhas, não importa. Se você estiver bem dentro de você, todo o resto passa para uma perspectiva menos opressora.
      E então será possível colocar em prática algo que ouvi em uma palestra e me tocou muito: "você não precisa mais se esconder, se defender. Você nasceu para contactar, experenciar, ser livre dentro de você".
      Abraços!

      Excluir
  11. Acho que todo mundo.
    Recentemente ouvi uma criança dizer isso e estava zangada!
    Então o problema começa cedo.
    Eu desejei isso muitas vezes, mas sempre penso que tenho que encontrar uma saída. ie arrumar o que não está bom para mim.
    Acho importante se dar um tempo, valioso para que não troque os braços pelas pernas.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      É, o problema começa cedo, geralmente quando o contexto em que vive a reprime e/ou rejeita com demasiada frequência, e o pior é que se acumula ano após ano até virarmos adultos com um trabalho enorme para fazer o caminho de volta, rsrsrs. Penso muito nisso quando lembro que sou uma professora de pré, sobre a influência e responsabilidade.
      Sim, saídas sempre, sempre são possível, arrumar o que não está bom também, mas convenhamos, parece tão distante quando estamos dentro do olho do furacão!
      E sim, parar e olhar para si, colocamos como a última solução, quando deveria ser a primeira.
      Abraços!

      Excluir
  12. Às vezes bem apetecia fugir...
    Excelente texto!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elisabete, quem nunca?
      Que bom que gostou! Abraços!

      Excluir
  13. Um texto bem elucidativo da questão que todos enfrentam e, que por vezes, parecem sem solução dando sentimento de que só a fuga devolveria a paz. Contudo, é dentro de nós que podemos encontrar a paz tão almejada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A essência do post é exatamente essa: fugir não devolve a paz, porque o conflito que desperta o desejo de fuga está acontecendo internamente. Fugir pode dar a sensação momentânea de resolução, mas enquanto não abraçamos verdadeiramente quem somos, continuamos a criar inconscientemente situações que nos levam a reviver conflitos internos. abraços!

      Excluir
  14. Oi Bia (Vane)!
    Eu já tive muitas vezes vontade de sumir e continuo tendo. Agora por exemplo eu tenho andado com muita vontade de sumir dessa podidão que se instalou no Brasil, mas aí eu vejo que ainda não existe um lugar perfeito, volto p/realidade e continuo por aqui até a próxima podridão aparecer, aí começa novamente a vontade de sumir. O problema é p/onde né amiga? kkk
    Bjssss e uma semana bem maravilhosa é o que desejo p/vcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dinha!
      Confesso que há tempos não acompanho noticiários, pois cansei de me indignar sem no entanto, ver onde minha indignação provocaria mudanças. Na verdade, hoje compreendo que quanto mais focamos em injustiça, mais injustiças aparecem e não há como fugir disso. Então, vamos cuidar o melhor que pudermos do nosso eu e isso provocará impacto em nosso entorno. :)
      Abraços!

      Excluir
  15. Vane
    seu texto é demais importante e construtivo !
    Muitos já passaram por momentos assim . Agora nao, mas passei na infância dos tenros anos. Um desejo de aniquilamento tão forte que eu desejava morrer.
    Mas passou ao longos dos anos. Ficou uma síndrome de pânico na infância e um sonambulismo na vida adulta que ainda me persegue uma vez ao ano.
    Hoje em dia, tenho uma vida feliz. Tão boa, que as vezes me pergunto como foi que aconteceu. Meus pensamentos são firmes que afugentam qualquer deslize ou pessimismo.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zizi!Puxa vida, desejo de morrer na infância? Isso é muito sério, e há adultos que consideram manha. Ainda hoje eu trabalhei uma questão de infância que mexeu muito comigo... nesse período não desejei morrer, mas lembro-me de períodos difíceis cujos motivos não vem ao caso. Já adultas compreendemos o contexto, perdoamos conscientemente, mas só quando resolvemos tratar as questões à fundo como estou fazendo, fica perceptível que as marcas ficaram e como é libertador resolvê-las definitivamente. Mas remexer no que está guardado exige coragem.
      Fiquei curiosa sobre em qual ocasião o sonambulismo aparece, rsrsrs... eu tive algumas crises dessas na adolescência, inclusive falava bastante dormindo, depois passaram.
      Com certeza é mais que bem vinda sua vida atual tão feliz e pegue uma dica: sempre conserve o sentimento de se sentir merecedora dela, sempre, pois você merece mesmo, e acreditar nisso é outro ponto primordial para que continue assim.
      Abraços!

      Excluir
  16. Eu quero sumir sempre rs...
    Mas não é algo que vai e volta é um desejo constante ir embora para longe.
    Futuramente pretendo exercer e dar uma chance para viver isso.
    Temos que enfrentar os problemas de frente, mas tem horas que a melhor coisa se vc puder fazer é partir....

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bell!
      Há o contexto de ir embora para viver uma experiência diferente da rotina, conhecer outra cultura, respirar novos ares... e há o contexto de ir embora no sentido de partir para estar longe dos problemas. Pareceu-me seu caso a segunda opção... será que longe a inquietude interior silenciaria?
      Abraços!

      Excluir
  17. Oi, querida Vane!

    Um excelente texto e que nos põe a pensar, o que é mto importante.

    Não sou "revolucionária" (rs) e por isso me adapto às circunstancias, umas vezes, aparentemente, outras, não. Creio que ter uma autoestima elevada, como eu tenho, e ser muto cheia de mim, como diz nosso amigo António, faz com que eu não tenha episódios desses.

    Qdo tenho ou vivo uma situação complicada, tento serenar, cogitar e atuar, o mais rapidamente possível.

    Beijos, que seu amado chegue logo e que melhores da voz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Céu!
      É gostoso pensar, eu gosto, rsrsrs, sem exageros, claro!
      "Creio que ter uma autoestima elevada, como eu tenho, e ser muto cheia de mim, como diz nosso amigo António, faz com que eu não tenha episódios desses" - creio que matou a charada. Para que querer fugir ou fazer uma revolução, se onde você vive - dentro de si - tudo está no lugar? Nesse contexto qualquer mudança que se faça necessária não abala os pilares do eu interior. Me fez lembrar o que vi certa vez em uma palestra: quando estamos desconectados de nós, ficamos cheios de orgulho quando alguém aperta o botão do elogio e arrasados por dias quando alguém aperta o botão da crítica. Quem tem um eu bem centrado age com equilíbrio nos dois casos, tirando o outro da figura central. Eu ainda estou caminhando nessa evolução, rsrsrs.
      Atuar o mais rapidamente possível... outra dica ótima!!! Quando protelamos o medo ganha um espaço devastador.
      Ele é muito amado, Céu, motivo pelo qual alimento a espera. É o meu candeeiro. <3
      Abraços!

      Excluir
    2. Oi, querida!

      Eu sou mesmo, desse jeito. Filha única, mto mimada, mas com a cabeça no lugar (rs), mto cheia, repleta de mim, me amo, sem medidas e acho k consigo acionar, mexer nos dois botões (rs).

      Tu o mas muito. Tão bom, amar, assim! Eu sou um tantão desprendida, mas sem motivo, ou melhor, sou mto eu (rs).

      Se ele é teu "candeeiro", então, é teu alimento e sobretudo tua LUZ.

      Beijinhos meus pra juntar aos seus abraços (sempre abraços, Vaninha (rs))! Eu sei que o abraço pode ser, é, bem mais amplo e demorado até que o beijo e as pessoas se sentem mais agasalhadas, aconchegadas, eu sei, mas o abraço não puxa o beijo?

      Excluir
    3. Oi, Céu, se é mimada mas mantém a cabeça no lugar, é o que importa. Parece-me que sempre deu muito valor pelo que teve e hoje, pelo que é, isso faz toda a diferença.
      Cada um tem um perfil em relacionamentos, não é mesmo?

      Eu não sou desprendida, gosto de cuidar do outro, me preocupo com seu bem estar até mais do que com o meu, mas esse lado faz parte da minha natureza, não é um reflexo de baixa estima. Satisfaz-me a ideia de fazer o outro feliz.

      Sim, eu o amo muito, é meu alimento e sobretudo, minha luz... está comigo aqui dentro o tempo todo o que paradoxalmente, tem me colocado no limite da saudade. A intenção de fazê-lo feliz é uma das que estão no topo da minha lista de prioridades sempre.

      Deixo meus abraços, rsrsrsr, que são cheios de boas energias e amor para quem passar! Conta por um beijo? rsrrss:D

      Excluir
  18. Quem nunca, Vane? Aliás, quem sempre??? rs Mas vc tem razão, não resolve. Aliás,nunca consegui.... Postagem que expõe sábias considerações suas e vale a reflexão. Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio, fugir é evitar um crescimento inevitável que só mudará de lugar, talvez seja adiado, o que pode piorar as coisas. Hoje compreendo estamos nesse mundo para aprender e enquanto não aprendemos nossas determinadas lições pessoais, criamos e recriamos inconscientemente situações muitas vezes indesejáveis até que se aprenda o que é preciso para ir em frente, e isso independe de estar aqui ou em outro lugar.
      Abraços!

      Excluir
  19. Boa tarde Vane,
    Que artigo tão interessante!
    Em tempos também senti assim, apetecia-me fugir de algo que não apreciava ou tinha receio de enfrentar!
    Com a idade que vai avançando devo ter passado a gostar mais de mim e deixei de ter esse desejo. Acho que me aceito melhor e às diversas situações. Não adianta fugir, mas antes enfrentar,
    Beijinhos e me desculpe o atraso;))!
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime!!!
      Concordo muito com o que disse, sabe? Em alguns momentos não compreendemos os enfrentamentos que a vida nos impões, e então há duas saídas: nos recolhemos e queremos fugir, sumir, por raiva pelas circunstâncias e decepção com nossas fraquezas, ou nos reerguemos, buscamos coragem, motivos e pessoas por quais nosso coração pulsa e nos levantamos, vamos em frente, recuperando a alegria para que a vida valha a pena, e aprendermos a nos gostar e nos aceitar é primordial para esse resgate. Ainda hoje ouvi num livro que precisamos sim ser egoístas, no sentido de procurar olhar para nós buscando nosso melhor, para podermos oferecer aos outros. No fundo tudo o que a vida faz é nos impulsionar adiante. Abraços!
      Excluir

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.