terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Dicas para usar a percepção a seu favor

Como estão?

Por aqui está uma grande correria e produtividade, rsrsrsrs, motivo pelo qual ando ausente. Como há dias não posto aqui, resolvi dar o ar da graça rsrsrs e um oi para os amigos!



Gostaria de compartilhar algo bem útil e resolvi escrever sobre a percepção. Percebi seu valor após ouvir falar sobre o tema em diversas mídias de estudo.

É interessante observar que, como a percepção é um atributo muito natural no ser humano, nos abandonamos às suas leituras sem critérios e atenção, e com isso podemos ser levados a cometer erros sérios que impactam em nossa vida. A percepção desenvolve-se a partir dos nossos sentidos - tato, visão, audição, paladar e olfato, através de nossas memórias, intuição e poder de dedução.

Quando esses padrões de percepção estão distorcidos ou são utilizados sem um critério consciente, influenciados por nosso estado emocional do momento - que por vezes, é instável - existe a latente possibilidade de sermos levados a interpretar erroneamente e a partir dessa interpretação, tomarmos atitudes equivocadas e levianas no sentido de que não estamos no comando do nosso potencial perceptivo.

No momento em que compreendi isso, passei a observar fatos, pensamentos e os sentimentos que esses produziam de maneira muito mais atenta, e conclui que muito do que percebemos não corresponde à realidade, mas a uma projeção, a uma leitura que eu realizo sobre a realidade. Pode-se resumir essa questão a uma pergunta muito simples: o que eu enxergo da realidade de fato corresponde à ela?

De acordo com a visão da mecânica quântica, a realidade que vivemos é resultado da nossa percepção, o que é muito coerente. Em inúmeras situações somos capazes de perceber algo em uma paisagem, por exemplo, que nenhuma outra pessoa está percebendo. Ou, quando estamos em meio a um problema, outra pessoa pode nos dar uma solução que estava em nossa frente ou uma perspectiva positiva que não conseguimos enxergar. Ou ainda, podemos estar felizes com alguma percepção e alguém, negativo, pode exprimir uma outra percepção que coloca nossa alegria por água abaixo, se absorvemos essa verdade. Esses são exemplos do quanto a percepção é subjetiva.

Hoje, quando deduzo algo - especialmente se for algo negativo ou que me deixe triste - paro e penso em uma série de questões:

  • O que estou percebendo corresponde à realidade?
  • Tenho provas disso ou estou só deduzindo?
  • Se não tenho provas, quais seriam as outras possibilidades de percepção viáveis nesse caso? Quais seriam mais positivas?
  • Por qual motivo escolho sempre enxergar que as situações estão contra mim? Como posso mudar isso?
  • A partir da minha percepção, quais perspectivas podem estar a meu favor e podem me ajudar a tomar atitudes que me impulsionem adiante?

Indico que procurem realizar esse exercício e perceberão o quanto somos levados a fazer uma leitura equivocada da realidade. Uma das leis fundamentais da mecânica quântica é "o modo como observo um objeto altera o objeto observado".

Praticar essa modificação de percepção é uma escolha única e exclusivamente pessoal. Podemos, a qualquer momento, escolher observar uma realidade mais positiva e feliz, e com isso fecho com mais uma questão paradoxal: A realidade que vivo é o que existe de fato ou é um resultado do modo como estou escolhendo observá-la?



*esse mesmo texto está sendo publicado também no Desperta Luz.

16 comentários:

  1. Perceber a realidade que nos rodeia e cerca é fundamental...Gosto muito e procuro sempre estar atenta! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica!
      Vejo pelas suas palavras simples e imagens, sempre tão sensíveis - como pequenas flores em meio a pedras - que é mestra em perceber detalhes! :) Abraços!

      Excluir
  2. Querida Bia,

    Quando muitas coisas me aconteceram e feriram meus sentimentos, percebi o quanto eu era inocente para ver o mundo como ele realmente é. Amadurecer tem 2 lados e nem sempre estamos prontos aos 18, 21, 30 anos. Acho que depende como e onde fomos criados. Então, algo, não muito agradavel, tomou conta de minha percepção, primeiro eu desconfio, segundo eu desconfio, terceiro... porque mesmo desconfiando há possibilidade de decepção. Não estou mencionando situação amorosa, até menos, mas de um conjunto daquilo que vivemos, relacionamentos entre amigos, trabalho, produtos, mídia. Falando em mídia, hoje mesmo recebi por whatsapp para que "aderisse a uma revolução solicitada pelo Moro à população". Eu perguntei a minha amiga qual era a fonte daquilo, que não deveríamos compartilhar em nome de ninguem, muito menos de um Juiz. Ela concordou.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      Sabe, fiquei pensando sobre o que escreveu durante todo o dia. Sim, a percepção reativa nasce nas dores e decepções que sofremos ao longo da vida e concordo contigo, certamente a forma como fomos criados interfere nisso.
      Veja, foi esse o ponto sobre o qual me dei conta: devido ao medo do sofrimento (e criação) me fechei em vários aspectos e passei a ter percepções diversas vezes equivocadas que me levaram a sofrer bastante para depois perceber que meu sofrimento não correspondia à realidade. Ou seja, já sofri muito por suposições criadas e até atitudes tomadas a partir do passado e do mecanismos de defesa, e que vi depois que eram um erro.
      Ressalvo que não estou estimulando uma visão ilusória da vida como se vivêssemos num conto de fadas - essa visão superei há um bom tempo. Ao contrário, proponho uma visão destituída de interpretações, suposições, que não sejam pautadas em fatos concretos para não correr o risco de sofrer sem fundamento - pelo que nem aconteceu ou não da forma como minhas dores passadas me mostram - ou de tomar atitudes equivocadas e injustas que magoem pessoas que não merecem ou por motivos que minha cabeça criou.
      Nesse sentido creio que sua atitude em relação ao não compartilhamento corresponde exatamente a isso, inclusive, os compartilhamentos das redes sociais precisariam atender a esses critérios de percepção, não é mesmo?
      Graaande abraço, bom vê-la aqui!

      Excluir
  3. Agimos muito no "automático"e acho que esse parar e colocar atenção a essa realidade que se apresenta, só nos traz benefícios.
    Mudar essa leitura exige empenho! E ler-te é um estímulo!
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula, como vai?
      Esse danado do piloto automático, como faz cometer equívocos e leva a deixar de exercer o grande potencial que há dentro de cada um!
      Sim, mudar essa leitura exige - e vale - o empenho. É só uma questão de aprender a parar e colocar foco em cada questão, com equilíbrio entre razão e emoção, usar só um dos dois leva a visões equivocadas.
      Abraços!

      Excluir
  4. Pois às vezes a realidade engana.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Elisabete, depende dos olhos que a veem. Abraços!

      Excluir
  5. Pois é, Vane. Precisamos realmente atentar para o que e como percebemos, uma real realidade ou a irrealidade que queremos?

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon,"uma real realidade ou a irrealidade que queremos", eu acrescento: uma irrealidade que não queremos mas que vemos como verdade pelos olhos do sofrimento, uma realidade que é tão boa que nem acreditamos que é real e que merecemos então tornamos irreal... a lista vai embora!
      Abraços!

      Excluir
  6. Oi Bia, é muito bom chegar aqui e contemplar um artigo tão propício para o início do ano...

    Sabe, creio que eu ainda não entrei no ritmo correto, pois minha percepção anda um pouco fora do esquadro...rsrs
    Mas compreendi que é muito melhor avaliarmos com bastante ponderação antes de ir no impulso que a percepção de determinada realidade ocasionou não é?
    Puxa, esse mundo tá tão complicadão que parece que perdemos a noção da realidade...ou será que é cada um de nós enxerga a própria realidade de um modo? Ah, melhor eu parar por aqui pois já estou me complicando...rsrs

    Amiga querida, um grande beijo e um restinho de semana maravilhoso! :)))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana!
      "Mas compreendi que é muito melhor avaliarmos com bastante ponderação antes de ir no impulso que a percepção de determinada realidade ocasionou", sim, foi o que eu quis dizer. Avaliar para não tomar atitudes equivocadas, em relação ao nosso sentimento e em relação ao outro. Essa ficha caiu quando me dei conta de que também já fui vítima várias vezes de percepções equivocadas e de quantas vezes fui prejudicada por isso. Quem nunca? Por exemplo, muitas pessoas já me disseram que eu parecia fresca, metida, ou estilo "dondoca", que não faz nada na vida, ou uma pessoa fria, pouco carinhosa, sendo que esses perfis não corresponde a quem sou, ou seja, exemplos de percepções equivocadas. Pensei então na responsabilidade que precisamos ter em relação à isso também para com o outro.
      "Parece que perdemos a noção da realidade...ou será que é cada um de nós enxerga a própria realidade de um modo"...sim, dá mesmo um nó na cabeça, mas é o que os estudos mostram: cada um enxerga a realidade de um modo, então a minha realidade é diferente da sua mesmo se for em relação ao mesmo assunto. Por esse motivo é tão perigoso julgar sem conhecer a fundo o que o outro tem a nos mostrar. E por esse motivo também defendo sempre que a melhor maneira de saber algo é perguntando, se o outro der espaço para isso.
      Espero ter ajudado! :)
      Abraços, lindo final de semana!

      Excluir
  7. Somos tantas vezes enganados por falsas verdades.
    Um abraço e bom fds.
    Amiga se tiver um pouquinho de tempo e quiser dar uma olhada aqui

    http://imagensdaelvira.blogspot.pt/2018/01/os-amores-de-pedro-e-ines.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elvira! Por falsas verdades reais, ou por equivocadas percepções sobre a realidade. Vou passar com certeza, amanhã! Obrigada pelo carinho! Grande abraço!

      Excluir
  8. Oi Vane, a "minina desaparecida"!

    Mto k fazer, mto que observar e mto para amar, também.
    Um texto muito interessante e filosófico e que se dá a diversas interpretações.

    Abraço e bom mês de fevereiro (aí, o ano só começa em março, né-rs)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Céu, a "minina" continua desaparecida, rsrsrsr! O tempo está todinho tomado, esse ano a comunidade Respirando Romance está sendo sacrificada, rsrsrs!
      Sim, diversas interpretações - mais uma vez falamos em percepção, rsrsrs!
      O ano para mim já começou dia 1º, kkkkk, não nasci para ficar parada, seeempre estou envolta em alguma atividade profissional, mesmo estando formalmente de férias.
      Mas tem razão, para 95% do povo brasileiro, o ano começa depois do Carnaval, o que justifica muito do panorama político/financeiro do nosso país.
      Abraços!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.