terça-feira, 18 de setembro de 2018

Emmy 2018: o amor!

imagem: getty images

Quem me acompanha por aqui há algum tempo, sabe o quanto gosto de assistir premiações, pelo fato de poder conhecer o lado subjetivo que emerge com a surpresa do prêmio, o que propicia falas bastante interessantes.Ontem tivemos a 70ª edição do Emmy, premiação das séries. Particularmente série não é meu ponto forte, embora assista algumas. Por exemplo, a minha preferidíssima da temporada foi The Alienist, que não levou prêmio algum, rsrsrsrs.
Porém, a meu ver, foi uma das premiações mais bonitas das últimas temporadas, tanto pelo glamour dos looks e vestidos de muito bom gosto - a maioria nas cores preto, branco ou vermelho - quanto pelo amor que pairou em vários discursos.

Isso me encantou, e me levou a pensar: será que consegui criar mais espaço interno para o amor, uma vez que o que observamos da realidade corresponde ao que temos interiormente? Abrindo um parênteses, no processo de catarse provocados por terapias naturais ou convencionais - por acaso, tema do vídeo de hoje no meu canal - colocamos para fora os sentimentos negativos escondidos na sombra. Quanto mais catarse, mais espaço interior abrimos para novos sentimentos e este espaço vazio deve ser preenchido por bons sentimentos: alegria, paz, amor, gratidão, perdão. Se voltamos a encher este espaço com sentimentos negativos, a catarse perde seu sentido, uma vez que costuma ser um processo bastante doloroso.

Voltando ao Emmy, além da admirável vitalidade, lucidez e doçura de Betty White (96 anos), teve o pedido de casamento ao vivo por Glen Weiss - ao qual a reação da noiva deixou claro que foi, de fato, uma surpresa inesperada -  ao passo de que Matthew Rhys disse que "levaria um soco na boca se pedisse a amada em casamento", kkkk, uma declaração de amor bem às avessas.

Mas a declaração que realmente tocou fundo no meu coração nem foi o pedido de casamento, e sim a declaração - que talvez tenha passado despercebida - de Barren Cris, ao dizer "Você abaixou a janela e levantou a música da minha vida". Será que mais alguém percebeu, ou só eu?

Talvez porque esta é a visão que se afina com a minha em relação à relacionamento, ao homem que desperta meu amor, e me define o amor de verdade: algo que liberta a alma e os sentimentos, traz melodia para a vida, convida a um passeio da alma numa tarde de sol com janelas abertas e música boa. Uma inteligente visão metafórica de que a outra pessoa propicia o prazer de viver e de ser quem se é, que quando se está junto a preocupação com a vida lá fora fica em segundo plano, porque há melodia e brisa na relação. Isso é realmente profundo e significativo, e se você conhece alguém que lhe traz essa sensação, não num furor de paixão, mas na raiz de um sentimento sólido e duradouro, então essa pessoa realmente é capaz de criar espaço para uma relação feliz, embora às vezes a percepção esteja tão embaçada pelos percalços da vida, que não se consiga perceber.

Reconheço que essa minha percepção, tão sutil e intrínseca, é o resultado desse constante criar espaço interno para o amor e de amar alguém tanto assim - por isso mesmo tão rara, numa realidade onde o normal são relações monótonas de janelas fechadas, no qual atitudes de pedidos de casamento públicos - não desmerecendo o gesto - tem muito mais destaque do que uma frase tão significativa. Os grandes feitos tem sido muito mais valorizados do que os gestos. Está justificada a necessidade a nível de humanidade, de se criar mais espaço interno para o amor.

Você ama alguém que lhe desperta essa sensação?

12 comentários:

  1. Boa tarde Bia,
    Como tem passado?
    Adorei esta abordagem à cerimónia dos Emmys que não vi!
    À hora do almoço vi de relance essa cena linda do pedido de casamento, mas não estava dando muita atenção à TV;)) e não sabia em que circunstâncias se tinha verificado. O som estava baixo...
    Eu sou mais sensível às frases ditas quase em silêncio e o meu amor é assim rsssss. Só a Bia para me fazer soltar um pouco!
    Gostei de estar consigo. Tinha saudades do seu espaço.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime! Eu estou bem! Volta e meia abordo pontos de vista sobre premiações, rsrrs, é curioso porque nem ligo tanto para o fato de vencer, mas me agrada todo o contexto.
      A cena do casamento de fato, foi surpreendente, e certamente se fosse há anos atrás, seria o ponto que me chamaria mais a atenção. Mas hoje, mais do que o casamento, valorizo o sentimento, que geralmente se revela nos pequenos gestos. Assim com as frases ditas em sussurro, perto do ouvido... amo!!!! Me fez sentir mais saudades!
      Que bom ter você aqui, não tenho conseguido visitar os blogs e este é um dos motivos pelo qual, posto pouco.
      Grande abraço, obrigada por sua partilha!

      Excluir
  2. Vane, és mesmo bem romântica e concordo contigo. Amar é demais de bom e quando estamos e encontramos a pessoa que nos completa, nada melhor. beijos, bom te ver! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! Fiquei pensando se ainda sou romântica... sem dúvida, ainda considero o amor o sentimento mais importante em uma relação - sem isso, a meu ver, a relação perde o sentido. Talvez porque eu tenha encontrado o homem que me complementa há tanto tempo, e sinta que todo o meu amor é só dele, mesmo sem vê-lo há um longo tempo. Poucos homens nesse mundo são tão amados - sei que o Kiko, seu companheirão, é um deles. :) Abraços, obrigada pelo carinho!

      Excluir
  3. Boa Noite, querida Bia!
    Que lindo!
    Amo sim na integral cumplicidade dos que têm alma liberta...
    Gestos sensíveis são profundos e cortam os mais duros 💙💙
    Deus te abençoe muito, amiga.
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gestos sensíveis são profundos e cortam os mais duros "... Isso me tocou tanto! Às vezes em fases difíceis da vida as pessoas endurecem com medo de sofrer, e esquecem que merecem a felicidade. Não sei se os meus gestos sensíveis tem essa capacidade. Eu espero muito que sim, uma vez que posso dar muito mais do meu melhor agora. Sob outra perspectiva, escolher a suavidade diante da dureza é não só a melhor saída frente ao outro, mas para si mesmo. Que seu amor Seja sempre pleno de alegria e cumplicidade. Abraços! Obrigada pelo carinho!

      Excluir
  4. Gostei da sua reflexão sobre a entrega dos Emmys.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo excelente blog cultural.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Não vi os Emmy, não tenho por hábito ver. Vi nas notícias a cena do pedido de casamento mas não prestei atenção aos nomes vencedores.
    Abraço e bom fim-de-semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elvira, gosto pelo ponto de vista antropológico, pela maneira como as pessoas se expressam no momento da emoção. Abraços!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.