sábado, 27 de agosto de 2016

Tentativa e ---> erro ---> acerto

Esses dias após assistir uns programas culinários encasquetei que queria saborear uma Tartle Tatin*. Procurei uma receita, trouxe uma maçã da merenda escolar da escola kkkkk, peguei minha frigideira de 10 cm de diâmetro - para fazer uma porção úncia, visto que minha filha não é chegada a doces - e fui à cozinha, feliz!

by bia


Tudo estava indo bem, até a etapa das maçãs carameladas. Coloquei sobre elas a massa, tampei e enquanto esperava os 5 minutos de conclusão da receita, vim ao computador responder sobre uns pedidos da loja - pessoa "num sabe ficá quieta num lugá" - sentindo o delicioso cheirinho de caramelo, com a boca aguando. Uns instantes depois meu cachorro veio com as orelhinhas em pé, me olhou e foi para meu quarto. (???)

domingo, 21 de agosto de 2016

O que vi das Olimpíadas

Trabalhando em casa e com tv por assinatura, este ano pude acompanhar mais de perto as Olimpíadas. Entre as provas que mais gosto estão hipismo e ginástica olímpica. Luiz Fernando Monzon, especialista em cavalos, deu um show de conhecimento nos comentários das provas de hipismo.

imagem freepik

Em uma delas, classificatória, um dos competidores campeão e candidato ao pódio errou em um salto logo no início do percurso. No ato o comentarista explicou que quando o cavaleiro comete um erro o cavalo perde a confiança em seu condutor o que pode prejudicar toda a prova. Dito e feito: segundos depois, o cavalo refugou, recusando-se a saltar outro obstáculo. Fim de prova para o atleta, ponto para Monzon, rsrsrs.

domingo, 14 de agosto de 2016

A arte da dança do ventre - cultura e dicas

Há cerca de 4 meses comecei a praticar dança do ventre por um motivo pessoal e como toda arte cultural, descobri várias peculiaridades interessantes.

Originalmente, a dança surgiu por volta de 5000 a.C. nas regiões do Oriente Médio e Ásia Meridional com o intuito de preparar as mulheres para serem mães. Com a invasão dessas regiões e propagação da dança em alguns locais ganhou um apelo sensual exótico, sendo banida de países com cultura mais conservadora.


traje rico, rsrsrs, comprei bem em conta no Mercado Livre



Dentro da dança há estilos diferentes: folclórica - usa elementos como bengala, taça, véu, espada, serpente, snujs, velas, jarros, candelabros; clássica; percussão; moderna taqsim. A maquiagem bem marcada privilegia os olhos, pois a expressão facial e o olho no olho são tão importantes quanto a própria dança. Outro aspecto interessante refere-se à modelagem das saias, associadas aos elementos da natureza:

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

5 anos de blog! - Concurso e livro

O tempo passa rápido demais...

Há 5 anos este espaço nasceu e percorreu uma longa caminhada. Para comemorar, trago uma surpresa aos leitores: o lançamento do livro [D]Bialogando, uma coletânea das melhores crônicas do blog revisadas e reeditadas.


selinho comemorativo


A ideia surgiu há três semanas me inspirando em outras colegas blogueiras, talvez porque todos na vida precisamos "ter um filho, plantar uma árvore e escrever um livro" (já posso partir, rsrsrs) e desde então realizei um passeio pela maior parte das postagens, peneirando, acertando erros da língua portuguesa e escolhendo o que imagino, produzirá uma leitura agradável ao leitor, privilegiando temas do cotidiano. Alguns textos que gosto ficaram de fora por conterem muitas referências e perderiam sentido se fossem publicadas sem links, imagens ou vídeos, mas o resultado, admito, me agradou.

sábado, 23 de julho de 2016

O sequestro da subjetividade

A grosso modo de um conceito bem mais amplo, subjetividade é o que a pessoa é, seus dons, gostos e habilidades, características pessoais. É como se cada um seja um território de si mesmo e precise dessas referências para se sentir bem. O sequestro da subjetividade acontece quando o outro invade - muitas vezes de forma sutil e com ou sem o nosso consentimento inconsciente - nosso território pessoal, toma-o para si e passamos e viver como se já não tivéssemos o domínio sobre o que somos.

imagem freepik

Geralmente o sequestro acontece de maneira gradual e quase imperceptível e atinge todos os campos de relacionamentos: homem/mulher, pais/filhos, amigos, patrão/funcionários...  o ser humano tem uma identidade pessoal, única, a qual precisa estar ligado para viver com a sensação de alegria e plenitude. Quando essa identidade é transformada, são retirados seus elementos naturais e colocados outros que fazem parte da identidade do outro, o indivíduo sofre com uma perda de pertença sobre o que é e passa a viver em estado de solidão, medo e negação de si mesmo.