sexta-feira, 21 de abril de 2017

Amor incondicional

"O que devemos fazer é continuar amando, emanando amor como sempre fizemos. Não importa o que o outro faz devemos continuar amando sempre, e não de uma forma impessoal e sim com o mesmo amor que sentíamos. Na verdade não deve haver nenhuma interrupção deste sentimento, independentemente do que o outro faça. O amor não deve cessar nunca. (...)




Isto pode parecer utópico e impossível para quem lê apressadamente. Pode achar que isso não existe, que é teoria ou romantismo. Não é. Isso é absolutamente real e possível. Quando se atinge um nível de fusão com o Criador isso passa a ser o normal. Aliás, não poderia ser de outra forma.

domingo, 9 de abril de 2017

Os impactos da raiva reprimida

Há bastante tempo descobri que a raiva explosiva era um dos sentimentos que eu mais precisava trabalhar internamente. Conhecendo a tabela de publicada aqui, percebe-se que a raiva não é totalmente negativa pois impulsiona a uma atitude e no meu caso  creio que, quando não gerou culpa (essa sim, nociva), incentivou uma busca positiva.




Porém, há o tipo de raiva enrustida, tão ou mais prejudicial que a raiva explícita, a raiva que ferve por dentro como lava guardada em um vulcão. Arly Cravo definiu como "raiva anestésica". É o tipo de sentimento originado por traumas, rejeições, injustiça, subestimação, preconceito, desigualdade, violência, causada por pessoas com as quais não se pode travar um embate, resolver a questão ou colocar a dor para fora por obediência, respeito ou hierarquia - precisaram se submeter. Então a raiva fica guardada, parece superada, mas eclode disfarçada em atitudes, sentimentos (como inveja, ciúme, cobrança) e pensamentos.

domingo, 2 de abril de 2017

A faísca da fogueira

Como é bom quando temos na vida motivos para recomeçar após momentos difíceis... eu tenho um grande amor, uma filha e um cachorro e por eles, me dou outra chance.






Nessa retomada, tenho encontrado muitos caminhos - alguns compartilhados no blog - que tem me ajudado bastante a manter a serenidade, encontrar respostas e direções. Em vários estudos apareceu o termo "centelha de vida", e resolvi pesquisar um pouco mais a fundo o que significa, afinal.

domingo, 19 de março de 2017

Tag: Apaixonada por fotografia

Vi o desafio em alguns blogs amigos e como gosto de fotografar, resolvi responder também. :)




1 - Com quantos anos você ganhou sua primeira máquina fotográfica?

Não ganhei, rsrsrs. Lembro da primeira máquina do meu pai, uma Yashika, sempre que dava eu economizava na mesada e comprava filme para tirar umas fotos, isso, com 9, 10 anos - paixão antiga! Depois iam mais algumas mesadas para poder revelar, kkk! Essa máquina foi roubada quando eu tinha 14 anos de dentro da casa dos meus pais.
Com cerca de 16 anos trabalhava numa loja que minha mãe tinha na Rodoviária, economizei (ainda a mesada) e comprei uma máquina Fuji com rebobinamento automático - só lembrei disso depois que li na Ana Paula, kkkk! Ainda tenho vários filmes sem revelar tirados com essa máquina, rsrsrs, na época não havia grana!
Quando minha filha começou a fazer monitoria no Ensino Médio comprou uma Nikon melhorzinha (que está falhando), e eu comprei uma Fuji vermelhinha simples mas ótima para carregar na bolsa, cliquei bastante com ela, até que um dia fotografando o mar ela acabou molhando, e falecendo, kkkkk!

domingo, 12 de março de 2017

Concentração, contemplação e silêncio

"A concentração é muito complicada porque você precisa se esforçar, é cansativo. A contemplação é um pouco melhor porque você tem mais espaço para se mover. Você não está se movendo através de um pequeno buraco que irá se tornar cada vez mais estreito, como na concentração.


imagem freepik


A concentração tem a “visão de túnel”. Você já reparou em um túnel? Visto de um lado, de onde você está olhando, ele é grande. Mas se o túnel tiver três quilômetros, o outro lado será apenas uma luz redonda e pequena. Quanto maior o túnel, menor será o outro lado. Quanto mais brilhante for o cientista, maior será o túnel. Ele precisa focar, e focar é sempre algo tenso.