domingo, 5 de maio de 2013

Uma lata de tinta, pincel e trincha

Imagem by Freepik

Como contei no post anterior, tenho tido muito trabalho para realizar as pequenas reformas em casa, mas estou fazendo tudo com calma, até porque o físico franzino não me permite grandes ousadias. Os móveis que permanecem no mesmo lugar por algum tempo acumulam pó e impiedosas traças, vamos guardando caixas e embalagens de produtos que muitas vezes já nem possuímos, e isso me fez lembrar o quanto é trabalhosa uma mudança completa. Por esse motivo não compreendo muito bem aquelas pessoas que vivem com a mudança sobre o caminhão quando tem condições de morar em um mesmo lugar por algum tempo.
Minha mãe tem um hábito, não gosta de permanecer com o ambiente arrumado do mesmo jeito por um longo tempo. Quando eu morava lá ela dizia "Bia, muda essa sala pra mim....". Eu torcia o nariz porque não costumo mudar móveis de lugar, a não ser para substituí-los por outro melhor ou mais adequado. Mas fazia para aquietar sua alma que enjoava tão fácil das coisas.
Já os anos me ensinaram o desapego. "Tralhenta" por natureza, a cada seis meses faço uma limpeza mais profunda, doo o que não uso há algum tempo e procuro me desvencilhar de coisas que eu "poderia usar algum dia"...por isso mesmo não entendo a quantidade de sacolas que diariamente tem ido parar no lixo, que por sorte é separado e reciclado. No meu condomínio há um senhor "carrinheiro" que todo dia arruma e separa o lixo, uma pessoa que admiro muito por sua educação e capricho no exercício dessa função tão menosprezada por alguns ignorantes da sociedade.
Há ainda os metódicos, como bem lembrou o Sérgio, do blog De olho nos detalhes, aqueles que gostam de cada coisa em seu lugar e se incomodam com mudanças. Eu já fui bem metódica (o que não quer dizer necessariamente organizada), e até hoje sei quando alguém mexeu nas minhas coisas porque automaticamente registro como deixei cada objeto e onde...mas já sou bem mais tranquila em relação a deslizes nesse sentido.
Relacionando essas características, penso que essas posturas podem ter a ver com o estado de espírito e pessoalidade de cada um. Observando, percebo que aqueles que mudam o tempo todo, de casa, de estilo, de trabalho, tendem a apresentar uma certa inquietação da alma, me parecem pessoas que não estão confortáveis com algo que se passa interiormente e não conseguindo perceber ou contornar essa sensação, acabam por exteriorizá-la no ambiente que as cerca.
Extremamente  metódicos (e isso baseada em como experiência própria), penso ser um meio de sentir segurança e/ou  necessidade de demarcar os limites da personalidade.  O conhecido nos conforta e acolhe, ainda que faça sentido só pra si. Contudo, quem não liga para nada disso pode estar sendo negligente consigo mesmo, como se sua vida e os cuidados que a cercam não merecessem atenção ou não fizessem sentido. Inclusive um dos sinais da depressão é deixar de cuidar da casa ou de sua aparência e saúde.
E há a mudança do bem, aquela que reflete uma nova fase, novos objetivos e estado de espírito, aquela mutação natural da vida que é saudável e para a qual por vezes somos tão resistentes...diria que é nesse patamar que me encontro agora. Tirando um pouco as cores e acrescentando mais leveza e branco e preto. Cor só nos detalhes para dar graça. Simplicidade, porque o simples é belo e perfeito. Ficando somente com o necessário e dispensando o supérfluo que pode ser útil, mas toma um tempo precioso que pode ser gasto vivendo. E se um dia eu resolver partir para outra moradia, será bem menos trabalhoso.
Mudar, organizar, evoluir...bem dosadas trazem novas cores para a alma. Ela pede novas nuances com o passar dos anos. Permanecer da mesma cor pode deixá-la desbotada e sem vida, e nesse caso, só um rolo ou trincha encharcados de ânimo, alegria e bons motivos serão capazes de recuperá-la.
Livre dos supérfluos pesos do "ter" ou "parecer" da sociedade fica bem fácil perceber que precisamos de  muito, muito pouco para ser feliz.

"Os pensamentos que escolhemos pensar são as ferramentas que usamos para pintar o quadro de nossas vidas."
Louise Hay

****

Uma imagem, 140 caracteres, 5ª edição


Era noite e estava frio. Pelo caminho estreito apertou o passo para alcançar os amigos... sabia que, com eles, estaria segura.  


Participação para o blog Escritos Lisérgicos.


74 comentários:

  1. Também sou do grupo das "tralhentas", hehehehe.
    É boa essa fase de mudança, renovação. Eu, como sua mãe, curto mudar os móveis de lugar de vez em quando. Moro em apê alugado e ando doida para furar as paredes, mas com um dó que nossa, hahahahaha. Penso no trabalho que vai me dar quando eu sair daqui. Apesar de não querer fazer isso tão cedo.
    Um ótimo domingo pra você!

    Bejus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Naty! Eu sou péssima com furadeiras, hahaha, os furos não saem retos, acho que falta firmeza nas mãos...mas com prego eu me resolvo quando dá.
      Em ape alugado é mais complicado, para se mudar é preciso deixar as paredes em ordem, mas nada que uma massa corrida não dê jeito! :)
      Um abraço!

      Excluir
  2. Adorei teu texto falando de mudanças, arrumações, pincéis, tintas. Mudar nosso ambiente, deixá-lo limpo, clarinho, arejado, sem tralhas é o que adoo fazer!


    Tão bom quando temos alguém pra levar nossas coisas como tens esse Sr do carrinho.


    Aqui tenho sempre que conseguir alguém que leve pra longe de mim as coisas. Por isso, faço seguido pra não acumular. Detesto coisas velhas, paradas( já chega eu,sr)


    E tua participação ficou linda também no 140 caracteres. Gostei@ beijos,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! Aqui em minha cidade hoje em dia tem vários carrinheiros, mesmo se a pessoa morar em casa é só deixar o móvel na frente que em menos de meia hora os móveis vão embora.
      Eu gosto demais de arrumar, limpar e organizar as coisas, só que dá um trabalhão e leva uma boa dose de tempo!
      Um abraço!

      Excluir
  3. Bia,

    Sempre fui organizada ao extremo, gosto de organização, me sinto bem quando procuro algo e encontro onde deixei, onde deveria estar. Mas sabe de uma coisa? Tenho deixado isso pra lá, pois é cansativo e desgastante, principalmente quando os outros com os quais convivemos não são lá tão organizados. Hoje me sinto quase uma "acumuladora"!rs, mas confesso que é difícil, é uma luta diária. Gostei da citação do final, o problema maior em relação a isso é que nem sempre conseguimos dominar nossos pensamentos, talvez seja questão de exercício. Continuo a acreditar que nosso olhar é que deve mudar, não as coisas e pessoas. Gr. Bj. e uma linda semana pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris! Eu não chego a ser organizada ao extremo, mas gosto de encontrar as coisas onde deixei. Essa é uma das poucas queixas que tenho da minha filha, às vezes ela empresta algo, é bem cuidadosa, mas deve achar que as coisas tem perninhas para voltar para o lugar. :@
      Procuro respeitar a organização dos outros e gosto de respeitem a minha também, senão acabamos por nos desestimular.
      Se há algo novo que aprendi é a dominar os pensamentos, isso é bom porque com o domínio da razão os sentimentos ficam sob controle, mas às vezes me pergunto se isso não é uma espécie de fuga.
      Um abraço!

      Excluir
  4. Olá, Bia.

    O exterior costuma espelhar nosso estado interior e assim como é bom, arrumar, limpar o ambiente externo, uma faxina interna, é sempre bem vinda: Limpar o pó da acomodação, remover os detritos emocionais, jogar fora as tralhas comportamentais e os pesos desnecessários. Tornar a vida clean, simples, leve, descomplicada.

    Um abração e bom restinho de final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Apon! Perfeito em suas conclusões..."tornar a vida clean" em todos os sentidos. Um abraço!

      Excluir
  5. Oi Bia
    Fico feliz por vc estar motivada com sua reforma, sempre é boa uma reforma, às vezes literal como a sua, às vezes metaforicamente kkkk. Legal sua participação no Desafio do Chris, cada pessoa tem uma interpretação né?! Ninguém vê a imagem da mesma maneira, é incrível!
    Bjos.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana! Já concluí dois quartos, aos poucos vou ajeitando tudo.
      Eu gosto desse desafio justamente porque cada um tem uma visão diferente do assunto e precisamos aprender o exercício de suprimir o pensamento em 140 caracteres. Um abraço!

      Excluir
  6. Eu gosto dessa tua serenidade. Você é do tipo que tem a exata percepção das coisas, embora isso não implique necessariamente em facilidade pra resolvê-las. Mas, devagarinho, cuidadosamente vai podando... E no fim, um lindo canteiro cultivado.

    Sou "tralhenta" também. Só me falta paciência pra fazer essa arrumação, nas bagagens e na vida, com maior frequência.

    Beijo, Bia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milene! Abri um sorriso quando li seu comentário....você resumir uma visão sobre mim de uma forma que nem eu conseguiria: "você é do tipo que tem a exata percepção das coisas, embora isso não implique necessariamente em facilidade pra resolvê-las.". Ser assim às vezes me assusta e por isso não é fácil...às vezes me decepciono quando percebo que estava certa e procuro não me deixar levar por percepções baseadas somente em sentimentos porque essas podem estar erradas.
      Enfrentar essa arrumação faz bem principalmente quando é na hora certa. Se está confortável e feliz em seu espaço, é o que basta.
      Um abraço!

      Excluir
  7. Acompanhei seu texto, percebendo uma metáfora e um sentimento em cada palavra. A nossa mudança, precisa ser sadia mesmo. Mudanças radicais não são favoráveis. O interessante é você ir se moldando aos poucos, até alcançar o seu objetivo de mudança. Mas que a mudança é difícil, ah, isso é sim, e muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já tive pressa, hoje compreendo que a mudança pode ser lenta, respeitando limites...o importante é manter a constância e o foco no objetivo.
      Esses dias alguém me pediu um conselho e sem poder me envolver eu disse "eu escuto a voz do meu coração"...então a pessoa chegou à conclusão do conselho que eu daria à ela se pudesse. Só que depois disse "mas para fazer isso é difícil".
      Pois é...as pessoas parecem querer que as mudanças aconteçam com um estalar de dedos e não é bem assim que funciona. Mudanças cultivadas são trabalhosas mas são mudanças duradouras.
      Um abraço!

      Excluir
  8. Ter amigos no caminho é sempre um amparo! Gostei da tua participação e das histórias de mudanças. Minha mãe era como a tua, adorava arrastar um móvel só para ver o ambiente diferente.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Embora não costume me abrir com os amigos, ainda assim seu carinho é sempre reconfortante.
      Minha mãe tem esse hábito até hoje. Para mim sempre sobra fazerem cortinas novas e meu pai é quem ficou com a incumbência de trocas os móveis de lugar, hahaha.
      Um abraço!

      Excluir
  9. Oi Bia,
    boa tarde,
    Estou um pouco doente hoje, por isso não vou escrever muito =(

    mas vou dizer que eu ri lendo
    porque eu sou uma daquelas pessoas que sabem onde cada coisa está situada.
    é um defeito que eu tenho,
    eu fecho meus olhos e encontro tudo.

    muito organizado, certo?
    quase irritante! hahaha

    feliz domingo
    um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ariel! O que você tem? =/ Espero que melhore rapidamente!
      Organização é saudável e otimiza tempo, o problema é justamente quando ela torna-se irritante, as pessoas não compreendem. Eu já superei essa fase e me policio para não retornar à ela... ainda bem que você parou no quase, hahaha.
      Um abraço!

      Excluir
  10. MUdar de casa é sempre uma trabalheira porque sempre queremos as coisas a nosso jeito.
    Mas o nosso cantinho tem outro calor quando é feito por nós mesmas.
    Um abraço e bom trabalho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elvira. Eu sou muito adepta do "faça você mesmo" por um motivo muito simples, é econômico. Dá para fazer grandes mudanças gastando bem pouco. E quando falou do calor que isso imprime ao ambiente me lembrei da casa de uma tia que adorava trabalhos manuais. Nunca mais estive numa casa tão aconchegante quanto a dela. Essa lembrança me emocionou! ;)
      Um abraço!

      Excluir
  11. É sempre bom mudar e renovar o ambiente em que vivemos, Bia... sucesso com suas mudanças. Seu desafio ficou ótimo. Eu estou com tão pouco tempo, que não sei dizer quando poderei participar de novo. abraços e bom restinho de domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbie!!! Li algo no seu blog sobre a correria que está por aí...essa semana pra mim também foi contadinha e só agora estou aparecendo por aqui. Espero que seu tempo esteja sendo tomado por ótimas atividades. :) Um abraço!

      Excluir
  12. Embora não querendo, acabo sempre por acumular muita tralha. Depois é uma trabalheira para colocar tudo em ordem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luisa! Prometi pra mim mesma que dessa vez será diferente, tralha nunca mais, hahaha. Vou usar a lei "para cada coisa que entra um sai". Um abraço!

      Excluir
  13. Olá Bia
    sou igual a sua mãe, faço isso o tempo todo, marido fica doido,exagera e diz que nunca sabe onde vai encontrar a cama. Adoro renovação. Isso me faz bem, me deixa alegre.Concordo com você e também sou adepta do faça você mesma.Perfeito. Torço para que fique como você deseja.

    Parabéns por sua participação,Amigos quando bons vale a pena segui-los. Beijinhos.
    Frase perfeita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Verinha! hahaha, Imagino seu marido dizendo "que nunca sabe onde vai encontrar sua cama", hahaha. Eu gosto de renovar a decoração, mas não gosto muito de mudar móveis de lugar, me sinto meio perdida.
      Um abraço!

      Excluir
  14. Mudar pra melhorar......esse é o meu lema..rs

    Bia, muito intenso seu texto......muito mesmo...

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa. Para quem compreende de intensidades como você, imagino que capturou bem o que eu quis dizer. Revelamos muito do que somos através do que mostramos, ainda que subentendido. Um abraço!

      Excluir
  15. Bia, que fase gostosa essa de arrumar o nosso cantinho e deixar cada detalhe com a nossa cara, nosso jeito.
    Gosto de mudar a disposição dos móveis, já que não posso comprar móveis novos sempre. kkkk
    Inquietação na alma, né? Mas acho que já passei dessa fase. Ando meio quietinha.
    Te desejo sorte, Bia. Que tudo dê certo pra ti.

    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty! É mesmo gostoso, mas tem me dado um trabalhão danado, hahaha.
      Comprar móveis novos constantemente é um luxo desnecessário visto que há muitos meios de mudar o ambiente sem gastos exacerbados. Mudar a posição ou os itens da decoração, pintar um parede de cor diferente, são meios legais de mudar a cara da casa de forma rápida e barata.
      Eu também ando quietinha, Paty, e acho que tanto a inquietação como a quietude são boas dependendo da fase e da intensidade.
      Um abraço!

      Excluir
  16. Oi, Bia!!
    A minha mãe nunca foi muito de cuidar de casa e deixava sempre para as filhas fazerem em seu lugar - ela também nunca estava em casa e quando estava queria fazer coisas que não eram da casa. Mas tudo o que ela fazia, ficava perfeito! Não sabia negar um pedido ou deixar de festejar uma data e nesses dias, não se importava da casa virar do avesso. Era a primeira a arrastar os móveis e colocar música para dançar. Suas coisas eram muito organizadas. Tanto é que quando abrimos o seu armário de documentos quando faleceu, a inscrição do túmulo da família estava sobre todos os documentos, empilhados em ordem conforme iríamos precisar.
    Talvez por ela ter sido tão organizada, passou isso pra mim - a filha que mais conviveu com ela. Sou metódica como disse no seu texto, principalmente por morar em uma casa cheia de gente, tudo tem que ter o seu lugar certo. A minha irmã é meu oposto. Ela gosta de enfeites demais, pendurricalhos demais e faz inúmeras coleções. Não gosto de ambientes cheios, mas gosto de conforto. Tudo tem que ser fofinho e aconchegante.
    Sabe que também pratico o desapego e não tenho nada em minha casa que não tenha utilidade. Acho legal ser assim, a vida fica mais simples e sem poeira!
    Admiro quem saiba botar a mão na massa e fiquei curiosa para saber como ficará a finalização do seu trabalho! :)
    Boa semana!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luma! Minha mãe sempre me educou para cuidar da casa. Fiz meu primeiro almoço aos sete anos e desde uns 10, 11 anos já cuidava da casa...inclusive dos preparativos de festas! Mas minha mãe não é tão organizada como a sua. Sempre que conta sobre ela me passa a imagem de que era uma grande mulher, daquelas raras, que tinha uma personalidade marcante e peculiar. E que ensinou grandemente à filha! :)
      Acho importante um certo método para manter o ambiente prático e organizado principalmente quando há muita gente vivendo nele, mas estressante quando há pessoas que não compreendem ou não ajudam a manter organização. Eu já fui de guardar e colecionar muitas coisas, hoje vejo que dá trabalho demais para limpar e organizar. Eu não faço questão de luxo, mas conforto e aconchego são palavras de ordem, e para isso não é preciso muito dinheiro.
      Cheguei a fotografar dois ambientes para fazer o antes e o depois, mas um imprevisto fez com que eu não fotografasse o antes dos outros...se der eu mostro, gostaria de compartilhar algumas dicas viáveis e baratas.
      Um abraço!

      Excluir
  17. Também sou tralhento, Bia. E também sou metódico, o que não implica em organização. Já fui pior, mas ainda mantenho essas características. Nunca me mudei, então não imagino o trabalhão que deve dar. Mas deve dar mesmo.

    Aliás, reformar a casa já dá. E parabéns pela sua força de vontade. É preciso MUITA! rs

    E gostei da sua participação. Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio! Já me mudei algumas vezes e asseguro que não é nada fácil! Já joguei tantas sacolas de coisas fora e coloquei tantas outras para doação que às vezes fico imaginando que o armário está dando cria, hahaha, E olha que nem estou me mudando.
      Reformas são desgastantes principalmente durante o processo em que parece estar tudo de pernas pro ar (minha sala que o diga, hahaha).
      Às vezes penso "porque fui mexer nisso", hahaha...mas está ficando bem melhor. Um abraço!

      Excluir
  18. O desapego é o refrigério para a alma, afinal, nessa vida, até o nosso corpo físico é uma empréstimo para a nossa evolução espiritual. Bjos, Bia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eder! Nada do que está aqui nos pertence de verdade, não é mesmo? A cada dia tenho mais consciência disso e do quanto tentar manter o controle sobre tudo é esforço vão. Um abraço!

      Excluir
  19. Oi Bia, como sempre seus textos me tocam muito. Eu adoro mudança, ja morei em 10 cidades diferentes, gosto da novidade conhecer pessoas e habitos diferentes. Talvez por isso estou sempre me desfazendo de coisas "sem utilidade " ou seja aquilo que esteja encostado ou guardado ha mais de 6 meses faço doação. Tambem sou adepta do faça voce mesma, me viro muito bem com furadeira, lixadeira plaina e outras coisinhas mais.
    bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lila, lembro-me que comentou sobre suas constantes mudanças e de como costuma recebê-las bem, admiro muito quem tem esse espírito livre e aberto para o novo, os horizontes mentais se ampliam consideravelmente dessa forma.
      Essa lei "dos 6 meses" precisa entrar no meu caderno de qualquer forma, hahaha.
      Fiquei curiosa para ver suas artes. ;)
      Um abraço!

      Excluir
  20. Oi Bia! Acho que a retirada de excessos deve ser feita em tudo na nossa vida. Lendo o texto me lembrei de outro que você escreveu sobre mudanças, do ponto final. A mudança é necessária, mas nem sempre as pessoas conseguem virar a página. Que bom que você está conseguindo.
    Bjos!
    http://amonailart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Val!!! Eu adoro a forma sucinta como escreve: "a retirada de excessos deve ser feita em tudo na nossa vida". Os excessos e as faltas são prejudiciais ao mesmo passo e ambos precisam mesmo estar em equilíbrio.
      Às vezes me pego pensando em como consegui chegar até aqui...virar a página não é nada fácil, mas melhor do que ficar escrever em cima de linhas que já acabaram e fazendo aquela borradeira. Por outro lado, acho que tudo tem seu tempo, e é preciso muita atenção para perceber exatamente igual é o momento para a virada. Se antes, causa sofrimentos desnecessários e se depois, frustração.
      Um abraço!

      Excluir
  21. Eu ja gostei de mudar móveis de lugar...já guardei coisas. hoje
    to mais pra fast food emocional, ou seja, treinando o desapego.


    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Margoh, termo fantástico, "fast food emocional". E assim vamos mudando, evoluindo e tentando carregar o menor número de pesos possíveis. Um abraço!

      Excluir
  22. Não sou de mudar móveis de lugar (rss). Antes de colocá-los onde estão fiz as tentativas necessárias, até encontrar o visual que me deixou satisfeita. Com os objetos e decoração, é outra coisa. E por mais belos que sejam, sentimos necessidade de renovação. Aliás, na vida, também precisamos disso. Decisões pensadas, atitudes tomadas. As variações ficam para o que pode ser alterado, sem se mexer no principal, os valores. Grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marilene, estou contigo! Mudar os móveis de lugar não é muito minha praia (e a coluna reclama, hahaha), a não ser que seja para otimizar espaços. Mudei a posição dos móveis do quarto da minha filha e uma semana depois ainda estou achando um pouco estranho.
      Mas concordo plenamente com a renovação do ambiente. Olhando para trás vejo que a cada três anos mais ou menos sinto essa necessidade de mudar a decoração...E isso me faz pensar em como há pessoas que passam uma vida sem mudar nada ao seu redor. Minha avó, no alto dos seus 80 anos, ainda mudava móveis de lugar e a decoração. Tenho me lembrado muito dela ultimamente, uma mulher guerreira, sábia e à frente do seu tempo. Só não espero acabar a vida com sua amargura de quem foi muito castigada pela vida.
      E os valores, só se for para lapidá-los.
      Um abraço!

      Excluir
  23. Conheci seu blog através da revista Vida todo Dia...

    Amei conhecer seu blog...
    Gostei de tudo que vi por aqui, tudo com mto
    bom gosto! E já estou te seguindo pra
    não perder nenhum detalhe...

    Se poder me faça uma visitinha e se gostar me siga tbm...

    bjks

    Uma linda Noite!

    blogdabiane.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Biane! Seja bem vinda! Feliz em saber que se sentiu à vontade aqui, chegarei em seu espaço com certeza. Um abraço!

      Excluir
  24. oi Bia,adorei muito seu texto!!!

    sou dessas que gostam de dar uma mexida nos móveis de vez em quando, e sei qd alguém mexe nas minhas coisas...gosto de mudanças...mas não de mudar de end...rsrsrs...só se for absolutamemte necessário...dai sem problema...pq nada é definitivo.

    grta pela visita...

    bjo grd!

    Zil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zil! É isso...mudar de endereço quando é necessário. Em geral eu preciso somente de um lugar seguro e aconchegante para estar e mudanças só quando necessário.
      Adorei ter vindo aqui, estava com saudades. Um abraço!

      Excluir
  25. Eu tenho uma desorganização organizada! As vezes vou espalhando as coisas pela casa e minha esposa fica maluca, hahahahahahahahaha, já tovemos muuuuuuuuuuitas discussões sobre esse "tema" hahahahahahahahaha. Ela fala que eu melhoro uns tempos mas que depois vou ficando folgado novamente! Hahahahahahaha.

    Os moveis da casa a gente raramente muda de lugar, mas as cores de vez em quando mudamos!

    Valeu! Bela semana pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, André! Vixi, é mesmo complicado quando se encontram em um mesmo ambiente um organizado e outro desorganizado, rende "pano pra manga", hahaha. Meu irmão era um modelo de organização e eu era organizada, mas só eu me entendia no ambiente, hahaha. O que chamamos de metódica. Mas os anos me ensinaram que organização reduz bastante a carga de trabalho.
      Penso que as cores tem relação direta com nosso estado de espírito. Percebo que nessa mudança tem predominado os tons claros e neutros (uma trabalheira para cobrir os mais fortes de antes, hahaha), é assim que tenho me sentindo confortável.
      Um abraço!

      Excluir
  26. Infelizmente as pessoas se apegam muito ao ter, achando que só assim serão felizes, sem perceber que a felicidade é outras, ou várias outras coisas. E por isso tão complicada de explicar ou de entender. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gilberto. Interessante como cada ser humano vai se desenvolvendo e desenvolvendo suas percepções...ainda hoje minha mãe falou de sua resistência em doar mesas inutilizadas porque "são de imbuia". Muitas agregam sua segurança ao que tem, e tantas outras fogem do enfrentamento de si próprias para perceber o que está faltando e quais são essas peças que, encaixadas, podem trazer uma felicidade efetiva.
      Um abraço!

      Excluir
  27. Nem falo nada né amiga quem sofre de toc imagina tirar algo do lugar ou começar uma reforma que se estenda por muito tempo, mas sabe que esses dias percebi que meu marido andou talvez me testando, deu uma ligeira mudada em algumas coisas e eu resisti bravamente, quem sabe não seja o começo da minha cura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia! Enquanto escrevia o texto lembrei de você e do seu depoimento, do quanto tirar algo do lugar causa uma certa angústia por quem tem toc e sabe o quanto o método e a organização são necessários para manter a estabilidade.
      O mais importante você já tem, força de vontade e disposição para se ajudar, penso que o mais importante é que esteja se sentindo bem, independente de quais condições precise para isso.
      Um abraço!

      Excluir
  28. Boa tarde, Bia. As mudanças são necessárias e bem como disse você, elas implicam em um bem maior, o da nossa alma!
    Acredito que mudar faz bem, mas também concordo que mudanças desesperadas com casa, visual, podem sim refletir numa insatisfação que a pessoa sente não podendo mudar o que vai dentro do seu coração!
    Que bom que você está mais leve, mais direcionada sem tornar-se fanática.
    Tudo tem o seu tempo e hora, até o andamento das mudanças!
    Beijos e fique na paz!
    Adorei o texto!
    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia! O ser humano sempre tem essa tendência reforçada pelo andamento da sociedade de que precisa controlar tudo, até o tempo e os acontecimentos, e nem sempre é assim, não é mesmo?
      Um abraço!

      Excluir
  29. As mudanças, esmo que sejam mínimas sempre assustam porque temos que deixar algo para trás, é isso mesmo. Bela participação em uma imagem 140 caracteres, bjoo
    Um abraço carinhoso
    Paty Alves
    Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty! Tem razão...algo sempre fica para trás, e até que as coisas se estabilizem, fica sempre a dúvida se o que ficou foi o correto...mas não há como saber sem caminhar adiante. E levando as mudanças conosco.
      Um abraço!

      Excluir
  30. Bia, nos ultimos 14 anos mudei 7 vezes kkk tipo dois anos em cada lugar, eu adoro mudanças, mas sem duvida dá muitoooo trabalho, porém, nem todas as mudanças foi por que eu quis algumas por que meu marido trabalha em empresa e por isso cada hora está em um lugar! Mas eu gosto de mudanças, todas elas rsrs Bjoooss e bom trabalho ai na sua casa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kellen, você é uma recordista, hahaha, 7 vezes em 14 anos! Estou espantada e como disse à Lila, admiro quem é assim! Ainda bem que você gosta de mudanças, né, eu gosto de mudar de vez em quando, encaro numa boa, mas não constantemente, sinto-me mais segura em um chão firme, hahaha.
      Um abraço!

      Excluir
  31. Olá, Bia!
    Devemos mudar sempre... É como as estações! Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fábio! Se olharmos ao redor, podemos perceber mudanças o tempo todo, em tudo. E ficar estagnado não é inerente ao ser humano. Um abraço!

      Excluir
  32. Bia, como me leio em vc.
    Minha mãe tinha esta mesma postura da tua.Adorava mudar-se.Fosse de moradia, de ambiente, de espaços...Já eu, sou metódica sem viés doentio.Fui lixando estas camadas antigas e repintando conforme as possibilidades, os ambientes vividos e, a cerca de sete anos, fiz esta mesma repaginada que vc agora faz.Olhe, a satisfação daqueles movimentos nunca me deixou ou trouxe qualquer arrependimento.
    Aqui em casa está tudo"clean", fácil, accessível e circulante.Um chuá!:)

    Sentirmo-nos seguros é primordial nos dias de hoje.

    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Calu! Ah, eu gosto quando desperto no outro a identificação, me sinto mais próxima do leitor. ;)
      Que lindo seu comentário...vamos nos revestindo de camadas desnecessárias e assim como a tinta em camadas excessivas, vamos criando feias bolhas na superfície que carecem de serem retiradas para restaurar a textura e a delicadeza da parede.
      Acho que a vida vale a pena quando podemos olhar para trás e contabilizar pequenos arrependimentos e muitas conquistas.
      Fiquei curiosa para conhecer sua casa. E concordo que segurança é primordial, pelo menos para mim é assim. A segurança é muito importante em todos os sentidos. A insegurança me trava, me puxa para trás, mas há quem seja impulsionada por ela.
      Um abraço!

      Excluir
  33. Pois é Bia,
    Mudanças externas interferem em nosso interior. E há certas coisas que só você pode fazer, é sua missão. Claro, pode dar um pouco de trabalho, fadiga, mas no final o ambiente fica mais lindo, a alma mais leve e você mais feliz. O resto é bobagem.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nestor! Essa questão da missão foi algo que despertou há poucos anos em mim e a cada dia percebo mais o quanto cada um tem seu papel no mundo e precisa estar onde tem que estar em determinado momento.
      E feliz, o resto é mesmo bobagem.
      Um abraço!

      Excluir
  34. Pra tudo tem um tempo certo e tudo dá certo :) Adorei o post. Beijoo

    ResponderExcluir
  35. Bia, tirei muito proveito de seu texto.

    Que essas novas cores, sirvam para revigorar seus olhos.

    Ah, muito legal sua participação no blog Escritos Lisérgicos.

    bjs

    [desculpe a ausência, andei ocupada produzindo meu novo livro]

    ResponderExcluir
  36. Minha flor linda não poderia deixar de passar aqui hoje e lhe desejar um feliz dia das mães, espero que tenha um lindo dia ao lado da sua filhota...bjus mil Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  37. Olá minha querida amiga Bia

    Mãe,
    Você merece atenção, carinho, cuidado e muito amor. Hoje mais um motivo para celebrar, agradecer e te homenagear. Parabéns pelo teu dia! Um feliz dia das mães recheado de amor, abraços e muitos beijinhos.
    Deixei um mimo pra lhe homenagear na postagem de hoje do gracita mensagens. http://gracitamensagens.blogspot.com.br/2013/05/colo-de-mae.html
    Beijos com meu carinho e minha amizade
    Gracita

    ResponderExcluir
  38. Olá!
    Bia
    Espero que esteja tudo bem e destrinchado aí em sua fase de pintora
    ..uai...comentei nesse post, né? Se estiver no spam ou não liberou, tá tudo certo!
    é que eu estava procurando uma receita de frango arrepiado e acabei parando no seu outro blog, então, aproveitando, desejo lhe um Feliz Domingo Dia das Mães, mamãe Bia!
    Boa semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  39. Boa tarde, Bia. Passando e deixando um beijo e excelente semana pra você e família!
    Fiquem com Deus!

    ResponderExcluir

  40. Olá Bia,

    Você é sempre muito ponderada. Lendo este texto parecia que eu estava diante de uma psicóloga-rsrs.
    Faço algumas mudanças de vez em quando no meu apartamento, mas poucas, já que alguns espaços não comportam variações. Os ornamentos já costumo mudá-los com mais frequência, como trocar um arranjo ou almofadas, pois parece que a casa fica com um ar diferente. Além disso, coisas muito paradas fazem estagnar energias e é preciso fazê-las circular.
    Tenho uma irmã em Conselheiro Lafaiete que não para de mexer na casa. Quase todas as vezes que chegamos lá há uma mudança ou uma obra. Neste particular, suas ponderações se encaixam. Creio que pessoas assim sentem necessidade de mudar alguma coisa em sua vida e revelam grande insatisfação interior. Esta explicação parece bater com as escolhas de vida dela.
    Ainda estou me exercitando no desapego. Tenho o péssimo hábito de guardar muitas bobagens, acreditando que ainda vou precisar delas. Ultimamente tenho sentido um peso enorme ao ver tanta coisa parada e sem uso. Acho interessante porque vivo tirando e doando e tudo continua sempre cheio. Quero me sentir mais leve e para isto vou precisar me esforçar um pouco mais para me libertar destas tralhas, inclusive de papéis antigos, cujo valor já caducou até perante a lei-rsrs.
    No final, é como você diz: "Mudar, organizar, evoluir...bem dosadas trazem novas cores para a alma". Precisamos mesmo de pouco para viver em paz e feliz.

    Adorei o seu texto.

    Sua participação também ficou excelente.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  41. Eu acho que é mania de mãe isso de ficar mudando coisas de lugar e esta atitude metódica de ser em termos de organização. rs.
    Acho válido quando é feito de modo normal, como está sendo o seu caso, mas há pessoas que perdem a noção e ficam obcecadas por mudanças.
    Certa vez li um artigo de uma psicóloga que dizia que pessoas que possuem mania de organização é uma válvula de escape para não ter que lidar com a desorganização que há dentro de si mesmos. Ela até brincou dizendo que ter um quarto ou a mesa de escritório desorganizados pode ser um sinal de que você está mentalmente saudável. Minha sanidade deve estar MUITO em ordem. ahahah!
    O grande problema das mudanças de casa, é que perdemos coisas de valor.
    Também sou a favor do desapego, mas há muita gente em minha família que acumula tranqueira. Acredito que isto seja alguma fuga para não ter que lidar com algum problema interior também. Desconfio.
    Muito diferente a interpretação que teve da imagem. Não imaginou casal como a maioria e sim, amigos.

    ResponderExcluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...